Itá­lia di­a­lo­ga com Bruxelas pa­ra evi­tar dé­fi­ce ex­ces­si­vo

As es­ti­ma­ti­vas apon­tam pa­ra uma su­bi­da da dí­vi­da pa­ra 2,4 por cen­to

Jornal de Economia & Financas - - Mundo -

O Go­ver­no ita­li­a­no pre­ten­de di­a­lo­gar pa­ra evi­tar um pro­ce­di­men­to por dé­fi­ce ex­ces­si­vo (PDE), co­mo re­co­men­da­do pe­la Co­mis­são Eu­ro­peia, cul­pan­do o an­te­ri­or exe­cu­ti­vo pe­la dí­vi­da pú­bli­ca dei­xa­da.

O go­ver­nan­te, do exe­cu­ti­vo com­pos­to pe­lo Mo­vi­men­to 5 Es­tre­las e pe­la Li­ga, acres­cen­tou ser “mui­to in­có­mo­do que to­dos os di­as se en­con­tre um mo­ti­vo di­fe­ren­te pa­ra fa­lar mal de Itá­lia”.

“Fa­la-se de um pos­sí­vel pro­ces­so de in­fra­ção, mas sa­bem o que es­tá em cau­sa? A dí­vi­da pú­bli­ca cri­a­da pe­lo Par­ti­do De­mo­crá­ti­co em 2017 e 2018”, vin­cou Lui­gi Di Maio.

Se­gun­do o res­pon­sá­vel, Itá­lia le­va “mui­to a sé­rio” a re­coa men­da­ção ho­je fei­ta, mas re­al­çou que “há ou­tros paí­ses eu­ro­peus que, nos úl­ti­mos anos, con­traí­ram mais dí­vi­da do que per­mi­ti­do pa­ra re­a­vi­va­rem a sua eco­no­mia e não en­fren­ta­ram qual­quer san­ção”.

O go­ver­nan­te adi­an­tou que Itá­lia vai con­ti­nu­ar a fa­zê-lo, ao mes­mo tem­po que “não vai to­car” no pro­gra­ma de pen­sões anunciado.

Já em co­mu­ni­ca­do, o tam­bém vi­ce-pre­si­den­te e lí­der da Li­ga, Mat­teo Sal­vi­ni, ar­gu­men­tou que “a úni­ca ma­nei­ra de re­du­zir a dí­vi­da cri­a­da no pas­sa­do é di­mi­nuir os im­pos­tos e per­mi­tir que os ita­li­a­nos tra­ba­lhem”.

“Qu­e­re­mos in­ves­tir em emprego, cres­ci­men­to, in­ves­ti­ga­ção e in­fra­es­tru­tu­ras e te­nho cer­te­za que Bruxelas res­pei­ta­rá es­sa von­ta­de”, adi­an­tou.

A Co­mis­são Eu­ro­peia propôs ho­je a aber­tu­ra de um PDE con­tra Itá­lia de­vi­do ao pe­so da dí­vi­da pú­bli­ca, no âm­bi­to das re­co­men­da­ções es­pe­cí­fi­cas por país.

Se­gun­do as re­co­men­da­ções es­pe­cí­fi­cas pa­ra Itá­lia, o cri­té­rio da dí­vi­da tal co­mo es­tá de­fi­ni­do não es­tá a ser cum­pri­do, sen­do es­ta a jus­ti­fi­ca­ção que sus­ten­ta a re­co­men­da­ção de um PDE.

Na aná­li­se do exe­cu­ti­vo co­mu­ni­tá­rio, a dí­vi­da pú­bli­ca ita­li­a­na po­de­rá mes­mo au­men­tar, em vez de bai­xar, dos 132,2 por cen­to do pro­du­to in­ter­no bru­to (PIB) em 2018, pa­ra os 133,7 es­te ano e os 135,7 em 2020, mais do do­bro do li­mi­te de 60 por cen­to fi­xa­do pe­las re­gras eu­ro­pei­as.

Es­ta re­co­men­da­ção se­rá de­ba­ti­da pe­lo Con­se­lho de Mi­nis­tros das Finanças da União Eu­ro­peia (ECO­FIN), que tem du­as se­ma­nas pa­ra for­mar uma de­ci­são.

Se apoi­ar a re­co­men­da­ção de Bruxelas, da­rá iní­cio ao pro­ce­di­men­to por dé­fi­ce ex­ces­si­vo ao abri­go do qual Itá­lia po­de­rá ser mul­ta­da num va­lor até 0,2 por cen­to do seu PIB, ou se­ja, 3,5 mil mi­lhões de eu­ros.

Bruxelas con­si­de­rou ain­da que o cres­ci­men­to da eco­no­mia ita­li­a­na abran­dou e a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res pi­o­rou.

As es­ti­ma­ti­vas de Bruxelas apon­tam ain­da que o dé­fi­ce or­ça­men­tal de­ve con­ti­nu­ar a su­bir, po­den­do che­gar aos 2,4 por cen­to do PIB nes­te ano e 3,5 em 2020 se não fo­rem adop­ta­das quais­quer me­di­das pa­ra in­ver­ter es­ta ten­dên­cia.

Go­ver­no ita­li­a­no pro­cu­ra a to­do cus­to al­can­çar um en­te­di­men­to po­si­ti­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.