"Os ope­ra­do­res po­dem di­mi­nuir cus­tos se op­ta­rem pe­la OFC-2000"

Jornal de Economia & Financas - - Gestão - Car­los Cardoso

An­go­la­tem­se­re­ve­la­do um vi­vei­ro de ta­len­tos em vá­ri­as áre­as do sa­ber. A ca­pa­ci­da­de cri­a­ti­va, in­ven­to­ra e ino­va­do­ra dos an­go­la­nos, tem si­do pa­ten­te em even­tos de co­ber­tu­ra na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. Sil­ves­tre Cas­sa Iom­bo, jo­vem en­ge­nhei­ro de pe­tró­le­os, na­tu­ral da pro­vín­cia de Ca­bin­da e for­ma­do nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, in­ven­tor da cal­cu­la­do­ra di­gi­tal OFC-2000, com apli­ca­ção no mer­ca­do pe­tro­lí­fe­ro, fa­la em en­tre­vis­ta ao

JE.

Ex­pli­que-nos de que for­ma in­ven­tou a cal­cu­la­do­ra?

A nos­sa cal­cu­la­do­ra é de­sig­na­da OFC 2000. É pa­ra pro­jec­ção de in­fra-es­tru­tu­ras pe­tro­lí­fe­ras e es­ti­ma­ção de cus­tos. Após a des­co­ber­ta de um ja­zi­go de pe­tró­leo, os da­dos ge­o­ló­gi­cos pre­ci­sos co­mo re­ser­vas são in­tro­du­zi­dos na cal­cu­la­do­ra que lo­go a se­guir faz um per­fil de pro­du­ção e de­pois es­ti­ma o nú­me­ro de po­ços que pre­ci­sam de ser per­fu­ra­dos. Se­gui­da­men­te, a cal­cu­la­do­ra es­ti­ma de for­ma rá­pi­da os cus­tos de per­fu­ra­ção, de ins­ta­la­ção de pro­du­ção após pro­jec­ta­da, pa­ra fa­zer o pro­ces­sa­men­to do óleo. A nos­sa cal­cu­la­do­ra faz tu­do is­so num cur­tís­si­mo es­pa­ço de tem­po. É uma invenção que te­mos pa­ten­te com a qual o país só tem a ga­nhar.

O que lhe le­vou a de­sen­vol­ver es­se pro­jec­to?

De­sen­vol­vi o pro­jec­to por­que per­ce­bi que a to­ma­da de de­ci­são era mui­to mo­ro­sa e ha­via en­tão a ne­ces­si­da­de de se cri­ar uma cal­cu­la­do­ra que fizesse cál­cu­los rá­pi­dos , ou se­ja, fá­cil de uso e cál­cu­los rá­pi­dos. É evi­den­te que exis­tem ou­tros softwa­res que fa­zem is­so, não dis­cor­do, mas a mi­nha é a pri­mei­ra cal­cu­la­do­ra, pois ser­ve pa­ra a es­ti­ma­ção rá­pi­da.

A cal­cu­la­do­ra é mes­mo uma invenção e não uma ino­va­ção?

Com cer­te­za é uma invenção por­que é o pri­mei­ro pro­du­to do gé­ne­ro.

Qual tem si­do a re­cep­ti­vi­da­de dos agen­tes en­vol­vi­dos no sec­tor pe­tro­lí­fe­ro?

Já ti­ve­mos al­gum apoio do Exe­cu­ti­vo. É de lou­var o Se­nhor Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca que nos deu al­gu­mas lu­zes. No en­tan­to exis­tem de­sa­fi­os jun­to das pe­tro­lí­fe­ras em re­co­nhe­ce­rem a va­li­da­de do pro­du­to por­que eu sou an­go­la­no. Ve­ja que es­ti­ve­mos nu­ma gran­de mul­ti­na­ci­o­nal, on­de fi­ze­mos os cál­cu­los e fo­ram exac­ta­men­te iguais aqui­lo que eles ti­nham na sua ba­se de da­dos. Eles ti­ve­ram mui­ta di­fi­cul­da­de em acre­di­tar nos da­dos, mas con­tra fac­tos não há ar­gu­men­tos, e es­ta invenção vem pro­var que os an­go­la­nos são ca­pa­zes de fa­zer coi­sas lou­vá­veis.

Que ou­tras van­ta­gens ofe­re­ce a cal­cu­la­do­ra?

Uma das gran­des van­ta­gens é o fac­to de ter lin­gua­gem por­tu­gue­sa, o que é ra­ro na in­dus­tria petrolífer­a. É evi­den­te que tam­bém tem op­ção in­glês, lo­go a bar­rei­ra da lín­gua es­tá fo­ra de ques­tão.

Te­ve al­gu­ma ex­pe­ri­ên­cia an­te­ri­or no cam­po pro­fis­si­o­nal que lhe im­pul­si­o­nou a cri­ar o pro­jec­to?

Sou en­ge­nhei­ro sé­ni­or na área petrolífer­a. Te­nho uma em­pre­sa cons­ti­tuí­da que ope­ra no mer­ca­do. Nos Es­ta­dos Uni­dos on­de es­tu­dei há de­zoi­to anos atrás, na Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria de Pe­tró­le­os em Lu­zi­a­na, foi on­de co­me­cei a ma­te­ri­a­li­zar a ideia. Quan­do che­guei cá e fui in­te­gra­do em vá­ri­os pro­jec­tos de de­sen­vol­vi­men­to de um cam­po, co­me­cei a de­sen­vol­ver ha­bi­li­da­des pa­ra o fa­zer, pois que já ti­nha a ideia con­cre­ta do que que­ria. Eu te­nho ex­pe­ri­ên­cia mul­tis­sec­to­ri­al co­mo no do­mí­nio de re­ser­va­tó­ri­os, in­fra-es­tru­tu­ras pe­tro­lí­fe­ras, equi­pa­men­tos de pro­du­ção, to­do es­se ade­qua­do, fui ad­qui­rin­do den­tro das pe­tro­lí­fe­ras. Foi o acu­mu­lar de to­da es­sa ex­pe­ri­ên­cia que evi­den­ci­ou a cri­a­ção des­sa cal­cu­la­do­ra.

O que fez com que até ago­ra o pro­jec­to não te­nha me­re­ci­do aco­lhi­men­to prin­ci­pal­men­te das em­pre­sas an­go­la­nas?

Eu qu­e­ro fa­zer um ape­lo ao nos­so Exe­cu­ti­vo que só tem a ga­nhar. Nós es­ta­mos a aco­lher tec­no­lo­gia de fo­ra e in­ves­ti­do­res. Mas te­mos aqui um in­ven­tor que tem ca­pa­ci­da­de e que cri­ou al­go que po­de in­cen­ti­var os in­ves­ti­do­res a vi­rem pa­ra o país.

A uti­li­za­ção de mei­os téc­ni­cos lo­cais aju­da­ria as em­pre­sas a di­mi­nuir cus­tos?

Com cer­te­za. Com­pa­ra­do aos equi­pa­men­tos es­tran­gei­ros, a nos­sa cal­cu­la­do­ra pro­por­ci­o­na uma eco­no­mia con­si­de­rá­vel. Pa­ra uma li­cen­ça de um ano o nos­so pre­ço ron­da os 50 mil usd, o que não re­pre­sen­ta na­da com­pa­ra­do aos cer­ca de 200 mil usd co­bra­dos pa­ra a uti­li­za­ção de equi­pa­men­to es­tran­gei­ro. Se con­si­de­rar­mos que o equi­pa­men­to vai ser usa­do pa­ra fa­zer cál­cu­los de dois ou três bi­liões de dó­la­res, o cus­to é até ir­ri­só­rio.

A pa­ten­te es­tá já re­gis­ta­da?

Es­ta­mos nes­te mo­men­to no fim do re­gis­to da pa­ten­te.

Pa­ra quan­do a ex­po­si­ção da cal­cu­la­do­ra em fei­ras in­ter­na­ci­o­nais?

Nós pen­sa­mos ir pa­ra a OTC (Offsho­re Te­ch­no­logy Con­fe­ren­ce) es­te ano, es­cre­ve­mos pa­ra a So­nan­gol e pa­ra o Exe­cu­ti­vo mas não fo­mos nem ti­dos nem acha­dos. Não re­ce­be­mos qual­quer ti­po de aju­da o que con­di­ci­o­nou a nos­sa par­ti­ci­pa­ção nes­sa fei­ra in­ter­na­ci­o­nal de en­ge­nha­ria, even­to em que se­ría­mos os pri­mei­ros an­go­la­nos a mar­car pre­sen­ça.

A An­go­tic não se­ria a mon­tra ide­al pa­ra mos­trar a OFC-2000?

Já pen­sa­mos nis­so. Es­ta­mos a tra­ba­lhar no sen­ti­do de par­ti­ci­par­mos na ex­po­si­ção mas os cus­tos são mui­to al­tos. Ten­ta­mos jun­to da or­ga­ni­za­ção ne­go­ci­ar na ba­se da tro­ca de ser­vi­ços. Nós de­sen­vol­vía­mos uma cal­cu­la­do­ra pa­ra ges­tão de even­tos e em con­tra­par­ti­da te­ría­mos aber­tu­ra pa­ra par­ti­ci­pa­ção nas fei­ras, mas in­fe­liz­men­te a nos­sa pro­pos­ta não foi acei­te.

Qual tem si­do a par­ti­ci­pa­ção do Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e Ino­va­ção no apoio e divulgação do pro­jec­to?

Em 2017, nós ti­ve­mos uma au­di­ên­cia com a an­te­ri­or mi­nis­tra pa­ra mos­trar a nos­sa apli­ca­ção, mas fo­mos sim­ples­men­te ig­no­ra­dos. Re­cor­re­mos igual­men­te ao Mi­nis­té­rio da In­dús­tria que tam­bém nos aban­do­nou ale­ga­da­men­te por fal­ta de di­nhei­ro.

Uma das gran­des di­fi­cul­da­des dos in­ven­to­res an­go­la­nos é a in­dus­tri­a­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos. O que nos po­de adi­an­tar?

Eu te­nho mui­tas re­ti­cên­ci­as em re­la­ção ao de­sen­vol­vi­men­to des­se país se con­ti­nu­ar­mos as­sim. Pa­ra ala­van­car a eco­no­mia, é ne­ces­sá­rio que o an­go­la­no con­fie no ou­tro an­go­la­no, o que in­fe­liz­men­te não acon­te­ce. Eu se fos­se eu­ro­peu, a his­tó­ria se­ria ou­tra, mas co­mo sou an­go­la­no cri­am bar­rei­ras. Te­mos que mu­dar a cons­ci­ên­cia pa­ra de­sen­vol­ver o nos­so país.

É UMA CAL­CU­LA­DO­RA PA­RA PRO­JEC­ÇÃO DE IN­FRA­ES­TRU­TU­RAS PE­TRO­LÍ­FE­RAS E ES­TI­MA­ÇÃO DE CUS­TOS

Cal­cu­la­do­ra OFC-2000 com apli­ca­ção no ra­mo pe­tro­lí­fe­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.