Jornal de Economia & Financas : 2019-06-07

Lazer : 31 : 31

Lazer

31 LAZER SEXTA-FEIRA, 7 DE JUNHO DE 2019 -D\ ] DVFHQGH ao topo da lista de bilionário­s GD )RUEHV como a Uber (Usd 70 milhões) e no Tidal, serviço de streaming de música (Usd 100 milhões), e uma colecção de arte avaliada em Usd 50 milhões. O património conjunto com Beyoncé também é levado em conta. Jay-z tornou-se o artista de hip-hop mais rico do mundo em 2018. Na época, o principal impulsiona­dor foi o investimen­to na marca de champanhe de luxo Armand de Brignac e no conhaque D’Usse. O rapper, produtor e empresário Jay-Z foi considerad­o oficialmen­te um bilionário pela “Forbes”, à frente de um império que une música, propriedad­es, moda e investimen­tos variados. Jay-Z seria oficialmen­te o primeiro bilionário do hip-hop, numa avaliação “conservado­ra” da revista. Há, entretanto, uma polémica em relação ao posto de primeiro bilionário, já que em 2014 o rapper e mega produtor Dr Dre chegou a ser considerad­o bilionário, ao vender os direitos dos fones Beats, dos quais era um dos sócios, por Usd 3 bilhões para a Apple, mas no ano passado, a Forbes colocou a fortuna pessoal de Dre por trás de artistas como Eminem e 50 Cent em “apenas” Usd 770 milhões, levando em conta todos os seus investimen­tos. No total de investimen­tos de Jay-Z, além do catálogo de músicas avaliado em Usd 75 milhões, tem participaç­ões em empresas FLASH Guitarrist­a enluta cultura nacional Morreu, na última terça-feira, em Luanda, vítima de doença, o guitarrist­a angolano Matumona Sebastião, uma das principais referência­s do agrupament­o Ngoma Jazz. Nascido a 28 de Maio de 1937, na aldeia de Cussupete, Damba, província do Uíje, o artista padecia de cancro no fígado. Matumona Sebastião deixou as suas “impressões digitais” em temas como “Sá Madia” e “Ua Diami”, “Ngongo Jami”, “Ngolo Banza Kamba Diami”, “Madi Ndumba Mbote”, “Yá Mbanza Riqueta”, “Nzolua”, “Lola”, “Belita Kiri Kiri” e “Kubata diá Mwangana”. Com o agrupament­o Ngoma Jazz gravou, em 1969, o primeiro single da carreira. A cultura nacional, em geral, e a música, em particular, estão de luto. O guitarrist­a deixou as suas impressões digitais em vários temas musicais, com destaque para “Belita Kiriri” e “Lola”. Matumona não marcou só as pistas de dança, foi um destacado membro da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo do Mundo “Tocoísta”, onde até aos últimos dias de vida era líder da banda musical e um dos executante­s mais respeitado­s do Nkembo, música de louvor dessa congregaçã­o religiosa. Uma das últimas aparições de Matumona Sebastião aconteceu no ano passado, numa das edições do projecto Muzonguê da Tradição, realizado no Centro Recreativo e Cultural Kilamba, em Luanda. O nome de Matumona Sebastião vai estar sempre associado ao Ngoma Jazz, fundado em 1964, por Garcia Kipioca (voz e chocalho), Zé Manuel (voz principal) e Petengué (tumbas), formação que teve outras denominaçõ­es: Ritmo Jazz (1964), Quinteto Angolano (1965) e Ngoma Jazz (1966).

© PressReader. All rights reserved.