“De­fen­de­mos re­vi­sões gra­du­ais”

As san­ções vi­gen­tes são ad­mi­nis­tra­ti­vas. Pas­sam por mul­tas, mas sem uma de­fi­ni­ção con­cre­ta em re­la­ção à ti­po­lo­gia, daí a so­li­ci­ta­ção da re­vi­são da Lei. A nos­sa Lei é de matriz bra­si­lei­ra.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­dré Si­bi

So­bre a su­bi­da dos pre­ços dos ser­vi­ços de te­le­vi­são por sa­té­li­te das pla­ta­for­mas ZAP e DSTV, no mês de Fe­ve­rei­ro, a AADIC apre­sen­tou uma re­cla­ma­ção, on­de elen­ca­va a sua po­si­ção jun­to da en­ti­da­de re­gu­la­do­ra - o INACOM, por ter par­ti­ci­pa­do de um en­con­tro pre­li­mi­nar, no qual se ti­nha acor­da­do que ha­ve­ria sim su­bi­da, mas tal só se­ria fei­ta de for­ma gra­du­al e em per­cen­ta­gem não asu­pe­ri­or aos 10 por cen­to. Não foi is­so que se ve­ri­fi­cou.

Os pre­ços e a con­for­mi­da­de das ac­tu­a­li­za­ções que vão sen­do efec­tu­a­das é o fo­co da en­tre­vis­ta com o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção An­go­la­na de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, Lourenço Texe. Re­ve­la as cons­tan­tes vi­o­la­ções à Lei do Con­su­mi­dor, as­sim co­mo a ne­ces­si­da­de de se evo­luir pa­ra um Con­se­lho Na­ci­o­nal do Con­su­mi­dor. Pa­ra ele, tal ór­gão iria ocu­par-se da de­fe­sa do con­su­mi­dor an­te a ten­ta­ti­va de qual­quer al­te­ra­ção de pre­ços dos pro­du­tos e ser­vi­ços pe­los agen­tes eco­nó­mi­cos, in­cluin­do os ser­vi­ços pú­bli­cos.

Qual é a prin­ci­pal mis­são da As­so­ci­a­ção an­go­la­na de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (AADIC)?

De­fen­der os in­te­res­ses dos con­su­mi­do­res an­go­la­nos em ge­ral, sem­pre que vi­rem os seus di­rei­tos vi­o­la­dos por um co­mer­ci­an­te ou pres­ta­dor de ser­vi­ço, quer pú­bli­co quer pri­va­do. Exis­ti­mos des­de 2012 e pu­bli­ca­da no Diá­rio da Re­pú­bli­ca nº 07, III- Sé­rie de 10 de Ja­nei­ro de 2013.

Dis­põe de re­pre­sen­tan­tes nas se­des pro­vin­ci­ais em to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal?

Não! Não es­ta­mos re­pre­sen­ta­dos em ne­nhu­ma se­de pro­vin­ci­al, por fal­ta de in­fra- es­tru­tu­ras, re­cur­sos hu­ma­nos, ma­te­ri­ais e fi­nan­cei­ros, pa­ra su­por­tar a es­tru­tu­ra. So­mos uma or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos. E pe­la na­tu­re­za do nos­so tra­ba­lho, o Es­ta­do de­ve atri­buir- nos o Es­ta­tu­to de Ins­ti­tui­ção de Uti­li­da­de Pú­bli­ca, pa­ra que pos­sa­mos usu­fruir de ver­bas do OGE. As ver­bas são ne­ces­sá­ri­as pa­ra o fun­ci­o­na­men­to ple­no da or­ga­ni­za­ção. As con­di­ções pa­ra a as­cen­são a es­te es­ta­tu­to es­tão cri­a­das des­de 2016. Há quem di­ga, que além do Ina­dec não exis­te uma ou­tra ins­ti­tui­ção que de­fen­de os di­rei­tos do con­su­mi­dor an­go­la­no? Is­so não cor­res­pon­de à ver­da­de! O Ina­dec es­te­ve nu­ma si­tu­a­ção de le­tar­gia sig­ni­fi­ca­ti­va, des­per­tou re­cen­te­men­te. A Aadic tem si­do a ins­ti­tui­ção mais in­ter­ven­ti­va na de­fe­sa dos di­rei­tos dos con­su­mi­do­res an­go­la­nos. A úni­ca di­fe­ren­ça é que o Ina­dec é uma ins­ti­tui­ção pú­bli­ca e, por for­ça dis­so, apli­ca san­ções; dis­põe de con­di­ções hu­ma­nas e ma­te­ri­ais pa­ra apli­car san­ções e mul­tas um pou­co por to­do o país. Ain­da as­sim, fru­to do seu tra­ba­lho, a Aadic pas­sou a in­te­grar o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Con­cer­ta­ção So­ci­al, ór­gão de con­sul­ta do Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, pre­si­di­do, se­mes­tral­men­te, pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Qual é a vos­sa re­la­ção com as ou­tras ins­ti­tui­ções, em par­ti­cu­lar os tri­bu­nais?

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é um par­cei­ro es­tra­té­gi­co, pois ac­tua co­mo pro­ve­dor dos pro­ces­sos apre­sen­ta­dos pe­la Aadic. No en­tan­to, não é is­so que se ve­ri­fi­ca, pois em 2016 a nos­sa or­ga­ni­za­ção in­ten­tou uma ac­ção ju­di­ci­al na sa­la do cí­vel do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Lu­an­da à Em­pre­sa Pú­bli­ca de Águas de Lu­an­da ( EPAL), por cau­sa das sis­te­má­ti­cas vi­o­la­ções dos di­rei­tos do con­su­mi­dor com des­ta­que pa­ra a des­con­ti­nui­da­de de for­ne­ci­men­to de água, as co­bran­ças por es­ti­ma­ti­va e o alu­guer do con­ta­dor, mas a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca ( PGR) não de­sem­pe­nhou o seu pa­pel. Em 2016, a Aadic in­ten­tou, igual­men­te, ou­tra ac­ção ju­di­ci­al à Imo­ges­tim, fa­ce à exi­gên­cia que fa­zia aos mo­ra­do­res das Cen­tra­li­da­de, em pa­gar três pres­ta­ções em uma úni­ca vez. Na al­tu­ra, a Imo­ges­tim ale­ga­va que ha­via ren­das em atra­so. A Aadic con­cluiu, que não se tra­ta­va de in­cum­pri­men­to dos con­su­mi­do­res, mas sim da em­pre­sa que não es­ta­va es­tru­tu­ra­da na al­tu­ra, ra­zão pe­la qual, não po­dia fa­zer es­ta exi­gên­cia aos con­su­mi­do­res. So­li­ci­ta­mos a PGR, mas sem su­ces­so. No en­tan­to, a Imo­ges­tim tão lo­go se aper­ce­beu da si­tu­a­ção, cor­ri­giu o er­ro.

A Lei 15/03 de 22 de Ju­lho, Lei de De­fe­sa do Con­su­mi­dor, tem si­do al­vo de vi­o­la­ções?

Sim. A Lei 15/03 de 22 de Ju­lho tem si­do sis­te­ma­ti­ca­men­te violada. Es­ta Lei é de 2013. E de lá pa­ra cá o sec­tor eco­nó­mi­co re­gis­tou avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos e a Lei em vi­gor es­tá de­sac­tu­a­li­za­da, so­bre­tu­do na apli­ca­ção de san­ções con­tra aque­les que vi­o­lam os di­rei­tos do con­su­mi­dor. As san­ções vi­gen­tes são ad­mi­nis­tra­ti­vas, pas­sam por mul­tas, mas sem uma de­fi­ni­ção con­cre­ta em re­la­ção à ti­po­lo­gia da mul­ta, daí a so­li­ci­ta­ção da re­vi­são. A nos­sa Lei é de matriz bra­si­lei­ra. No en­tan­to, o Bra­sil já evo­luiu pa­ra ou­tro có­di­go e nós es­ta­mos es­tag­na­dos.

A LEI DE DE­FE­SA DO CON­SU­MI­DOR TEM SI­DO FRE­QUEN­TE­MEN­TE VIOLADA PE­LOS FOR­NE­CE­DO­RES DE BENS E SER­VI­ÇOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.