Re­gi­me ide­al pa­ra tri­bu­ta­ção

Jornal de Economia & Financas - - Opinião -

Es­ta­mos a sen­si­vel­men­te a 24 di­as pa­ra a da­ta efec­ti­va da en­tra­da em vi­gor do IVA, 1 de Ou­tu­bro do pre­sen­te ano. En­tre­tan­to, a es­co­lha do re­gi­me ide­al em se­de de tri­bu­ta­ção do IVA, re­pre­sen­ta ain­da um pon­to de in­cóg­ni­ta pa­ra a mai­o­ria dos con­tri­buin­tes.

To­da­via, o Go­ver­no an­go­la­no ao de­sen­vol­ver o pro­ces­so de im­ple­men­ta­ção do IVA, te­ve em aten­ção a na­tu­re­za hí­bri­da e in­ci­pi­en­te do ní­vel de ma­tu­ri­da­de organizaci­onal do te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal. No en­tan­to, pa­ra mi­ti­gar even­tu­ais ex­ter­na­li­da­des e pro­mo­ver a ca­ta­li­sa­ção do pro­ces­so de or­ga­ni­za­ção nas em­pre­sas, foi adop­ta­do o gra­du­a­lis­mo na ins­tru­men­ta­li­za­ção dos re­gi­mes em se­de de tri­bu­ta­ção do IVA. Nes­ta sen­da, a par­tir de 1 de Ou­tu­bro, vi­go­ra­rá o Re­gi­me Ge­ral, Tran­si­tó­rio e o Re­gi­me de “Não Su­jei­ção”. Pos­te­ri­or­men­te, a 1 de Ja­nei­ro de 2021, en­tra­rá em vi­gor o Re­gi­me de Cai­xa.

Pa­ra os con­tri­buin­tes re­gis­ta­dos na re­par­ti­ção fis­cal dos gran­des con­tri­buin­tes, o Re­gi­me Ge­ral é uma cer­te­za, a jul­gar pe­lo ca­das­tro ofi­ci­o­so fei­to pe­la AGT a es­tes con­tri­buin­tes. Mor­men­te es­ta re­a­li­da­de, os con­tri­buin­tes que não es­tão re­gis­ta­dos na re­par­ti­ção fis­cal dos gran­des con­tri­buin­te, po­dem ade­rir vo­lun­ta­ri­a­men­te ao Re­gi­me Ge­ral de tri­bu­ta­ção do IVA, des­de que cum­pram com as con­di­ções de exi­gi­bi­li­da­de do res­pec­ti­vo re­gi­me, den­tre os quais des­ta­cam- se a obri­ga­to­ri­e­da­de de ter uma con­ta­bi­li­da­de or­ga­ni­za­da, emis­são de fac­tu­ras de acor­do com os pres­su­pos­tos nor­ma­ti­vos re­gi­dos pe­lo “Re­gi­me Ju­rí­di­co das Fac­tu­ras e Do­cu­men­tos e Equi­va­len­tes”, pos­sui mei­os pa­ra sub­mis­são ele­tró­ni­ca de da­dos e, não pos­suir dí­vi­da fis­cal ou adu­a­nei­ra.

O re­gi­me ge­ral apre­sen­ta co­mo prin­ci­pais van­ta­gens ao con­tri­buin­te, a ca­pa­ci­da­de de de­du­ção do im­pos­to su­por­ta­do na aqui­si­ção de bens e ser­vi­ços, as­sim co­mo, a pos­si­bi­li­da­de de in­ci­dên­cia da ta­xa de IVA nas fac­tu­ras a se­rem emi­ti­das aos cli­en­tes. Ou­tra va­lên­cia que es­te re­gi­me agre­ga, são os pres­su­pos­tos ine­ren­tes ao cré­di­to fis­cal e ao re­em­bol­so a fa­vor do con­tri­buin­te. A prin­ci­pal des­van­ta­gem es­ta­rá no es­for­ço de te­sou­ra­ria pa­ra o pa­ga­men­to do im­pos­to, no pra­zo de trin­ta di­as após a emis­são das fac­tu­ras pa­ra os cli­en­tes, ou se­ja , in­de­pen­den­te­men­te do cli­en­te efec­tu­ar o pa­ga­men­to das fac­tu­ras que in­ci­diu a ta­xa de IVA, o su­jei­to pas­si­vo, pre­ci­sa­rá efec­tu­ar a li­qui­da­ção do im­pos­to jun­to dos ca­nais dis­po­ní­veis pe­la AGT pa­ra es­te efei­to. Es­ta si­tu­a­ção, po­de efectivame­nte, an­te­ver um pro­ble­ma de li­qui­dez pa­ra as em­pre­sas, não obs­tan­te, as des­fa­sa­gens exis­ten­tes en­tre os pra­zos mé­di­os de pa­ga­men­to e pra­zos mé­di­os de re­ce­bi­men­to.

As em­pre­sas com vo­lu­me de fac­tu­ra­ção anu­al su­pe­ri­or usd 250.000 ( Du­zen­tos e cin­quen­ta mil dó­la­res) e não dis­põem de con­di­ções exi­gí­veis pa­ra re­gi­me ge­ral, po­dem ade­rir o re­gi­me tran­si­tó­rio, es­te re­gi­me tem ape­nas du­ra­ção de dois anos, dei­xa­rá de vi­go­rar a par­tir de 1 de Ja­nei­ro de 2021. Po­rém, nes­te re­gi­me a na­tu­re­za da tri­bu­ta­ção é sim­pli­fi­ca­da e, apre­sen­ta pou­cas obri­ga­ções cu­mu­la­ti­vas do pon­to de vis­ta organizaci­onal. En­tre­tan­to, re­la­ti­va­men­te às des­van­ta­gens, des­ta­cam- se a im­pos­si­bi­li­da­de de in­ci­dir a ta­xa do IVA nas fac­tu­ras emi­ti­das

A EXEQUIBILI­DADE DA GES­TÃO DA CARGA FIS­CAL DAS EM­PRE­SAS DEPENDERÁ, EFECTIVAME­NTE, DA ES­CO­LHA DO ME­LHOR RE­GI­ME DE TRI­BU­TA­ÇÃO QUE SE ADECUE À SUA ES­TRU­TU­RA ORGANIZACI­ONAL

a cli­en­tes. Ou­tros­sim, no apu­ra­men­to do im­pos­to pa­ra pa­gar ao Es­ta­do, ape­nas de­duz 4 por cen­to do IVA su­por­ta­do nas fac­tu­ras dos for­ne­ce­do­res e, li­qui­da ape­nas 3 so­bre os re­ce­bi­men­tos efec­ti­vos. De­vi­do à sua na­tu­re­za sim­pli­fi­ca­da na tri­bu­ta­ção, não apre­sen­ta si­tu­a­ções que con­cor­rem pa­ra o cré­di­to fis­cal nem pa­ra re­em­bol­so a fa­vor do con­tri­buin­te.

Re­la­ti­va­men­te as em­pre­sas, cu­jo vo­lu­me de fac­tu­ra­ção anu­al é in­fe­ri­or a usd 250.000, ( Du­zen­tos e cin­quen­ta mil dó­la­res), po­dem ade­rir ao re­gi­me de “Não Su­jei­ção”, sen­do que nes­te re­gi­me não in­ci­de a ta­xa de IVA nas fac­tu­ras a se­rem emi­ti­das aos cli­en­tes, con­co­mi­tan­te­men­te, não exis­tem pa­ga­men­tos de IVA ao Es­ta­do. No en­tan­to, a van­ta­gem des­te re­gi­me, re­cai so­bre o be­ne­fí­cio fis­cal de 10 por cen­to do IVA su­por­ta­do na aqui­si­ção de bens e ser­vi­ços, em se­de tri­bu­ta­ção de im­pos­to so­bre ren­di­men­to.

Por­tan­to, a exequibili­dade da ges­tão da carga fis­cal das em­pre­sas dependerá, efectivame­nte, da es­co­lha do me­lhor re­gi­me de tri­bu­ta­ção que se adecue à sua es­tru­tu­ra organizaci­onal. A ne­ces­si­da­de de pro­mo­ção de rup­tu­ras no mo­de­lo de ges­tão das em­pre­sas, re­flec­ti­rá qua­li­ta­ti­va­men­te na me­lho­ria da in­for­ma­ção financeira que ser­ve de su­por­te pa­ra o apu­ra­men­to da ma­té­ria co­lec­tá­vel em se­de de tri­bu­ta­ção do IVA.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Fé­lix Iná­cio Eco­no­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.