ANGOLA QUER MAXIMIZAR OS 7% DA QUOTA AFRICANA NA IN­DÚS­TRIA MUN­DI­AL DO CRUDE

Jornal de Economia & Financas - - Actualidad­e - Re­gi­na Han­da

Com vis­ta a re­to­ma das li­ci­ta­ções pe­tro­lí­fe­ras em Angola, vis­to que a úl­ti­ma acon­te­ceu em 2011, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­le­os e Gás (ANPG), ini­ci­ou ter­ça­fei­ra, 3 de Se­tem­bro, as li­ci­ta­ções pre­vis­tas pa­ra 2019, cum­prin­do com as ori­en­ta­ções do Exe­cu­ti­vo.

Se­gun­do o mi­nis­tro dos Re­cur­sos Mi­ne­rais e Pe­tró­le­os, Di­a­man­ti­no Pe­dro Aze­ve­do, que dis­cur­sou na aber­tu­ra do ro­adshow re­la­ti­vo à li­ci­ta­ção de blo­cos pe­tro­lí­fe­ros das ba­ci­as de BG e NB, dis­se que a Áfri­ca re­pre­sen­ta, de acor­do com es­tu­dos re­cen­tes, 7,00% da pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra mun­di­al.

“Angola, sen­do um dos mai­o­res pro­du­to­res des­ta ma­té­ria- pri­ma, subs­tan­ci­al­men­te pa­ra es­sa pro­du­ção, a nos­sa apos­ta tem si­do na cri­a­ção de um am­bi­en­te de ne­gó­ci­os atrac­ti­vos pa­ra os in­ves­ti­do­res”, afir­mou. De acor­do com o go­ver­nan­te, o sec­tor tem tra­ba­lha­do, ca­da vez mais, na abo­li­ção de obs­tá­cu­los que afec­tam o desempenho, de­sig­na­da­men­te o re­for­ço da trans­pa­rên­cia, a des­bu­ro­cra­ti­za­ção dos pro­ces­sos e o com­ba­te efec­ti­vo à cor­rup­ção, além de cri­ar- se as con­di­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra o re­for­ço da es­ta­bi­li­da­de con­tra­tu­al e o com­pro­mis­so com os par­cei­ros.

O tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­lo Exe­cu­ti­vo, com vis­ta à re­for­mu­la­ção do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, que de en­tre ou­tras me­di­das deu ori­gem à se­pa­ra­ção da fun­ção con­ces­si­o­ná­ria cul­mi­nan­do com a cri­a­ção da ANPG, cla­ra­men­te re­for­ça o com­pro­mis­so do po­der Exe­cu­ti­vo na afir­ma­ção da im­por­tân­cia do sec­tor pa­ra a eco­no­mia na­ci­o­nal e pa­ra a ma­nu­ten­ção de Angola co­mo um des­ti­no de ex­ce­lên­cia pa­ra os in­ves­ti­do­res.

“Nes­ta sen­da o tra­ba­lho prá­ti­co já de­sen­vol­vi­do pe­la ANPG, des­de a sua cri­a­ção, e o em­pe­nho na re­la­ção com os “sta­kehol­ders”, são a evi­dên­cia inequí­vo­ca de que es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to”, dis­se. O es­pe­ci­a­lis­ta Jo­sé Oli­vei­ra afir­mou que não se­rá tão ce­do que os re­sul­ta­dos te­rão in­fluên­cia no sec­tor, ten­do em con­ta a sua com­ple­xi­da­de. “O pro­ces­so é lon­go, por­que in­ves­tir em pe­tró­leo não é só uma boa apre­sen­ta­ção de do­cu­men­tos, exis­tem ou­tros fac­to­res”, ob­ser­vou o es­pe­ci­a­lis­ta, sus­ten­tan­do que o pro­ces­so exi­ge uma aná­li­se mais de­ta­lha­da por par­te dos in­ves­ti­do­res in­te­res­sa­dos.

A seu ver, as ba­ses es­tão lan­ça­das, e fe­li­ci­ta a Agên­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo pe­lo tra­ba­lho fei­to até ago­ra.

DR

Mi­nis­tro Di­a­man­ti­no Aze­ve­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.