A hi­pos­su­fi­ci­ên­cia dos con­su­mi­do­res é um fac­to

O com­pra­dor é a par­te mais vul­ne­rá­vel na re­la­ção com o co­mer­ci­an­te e lo­go go­za da pro­tec­ção do Es­ta­do

Jornal de Economia & Financas - - Destaque - Agos­ti­nho Chi­ta­ta

ALei cons­ti­tu­ci­o­nal de 1991 e a sua re­vi­são no ano se­guin­te con­sa­gra­va uma eco­no­mia de mer­ca­do. En­tre­tan­to, não fa­zia re­fe­rên­cia à ques­tão re­la­ti­va à pro­tec­ção do con­su­mi­dor e nem se­quer pro­pu­nha ou de­ter­mi­na­va cla­ra­men­te a cri­a­ção de uma le­gis­la­ção in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nal a res­pei­to do as­sun­to.

Por con­se­guin­te, co­mo de­fen­dem es­pe­ci­a­lis­tas so­bre es­tas matérias, tal não po­de ser en­ten­di­da co­mo au­sên­cia de qual­quer fun­da­men­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Por exem­plo, o pro­fes­sor Esteves Hi­lá­rio ar­gu­men­ta que a de­fe­sa do con­su­mi­dor e da re­la­ção de con­su­mo, em ge­ral, as­sen­ta as su­as ba­ses cons­ti­tu­ci­o­nais, ini­ci­al­men­te, no prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

Lo­go, e sen­do as­sim, de­fen­de, o es­tí­mu­lo e a pro­mo­ção do con­su­mo com dig­ni­da­de ser fun­ção e de­ver do Es­ta­do. Di­to de ou­tra for­ma, ca­be ao Es­ta­do (an­go­la­no) a pro­tec­ção efec­ti­va dos con­su­mi­do­res. E por que ra­zão?

Por­que, jus­ti­fi­ca a dou­tri­na, ele é a par­te hi­pos­su­fi­ci­en­te na re­la­ção de con­su­mo. Ou se­ja, a mais frá­gil nes­ta re­la­ção ju­rí­di­ca de con­su­mo en­tre si e o co­mer­ci­an­te de bens. Lo­go, de­ve ser objecto, me­re­ce­dor, de uma pro­tec­ção do pró­prio Es­ta­do. E co­mo isto se faz? Que me­di­das o po­der pú­bli­co to­mou?

Sen­do a par­te vul­ne­rá­vel nos “bu­si­ness” com os for­ne­ce­do­res de bens e ser­vi­ços (es­tes mais for­tes e po­dem ma­ni­pu­lar. Co­mo diz o ou­tro: “Aten­ção à jogada), en­tão o Es­ta­do tem de adop­tar po­lí­ti­cas pú­bli­cas que aju­dem a mi­ni­mi­zar

es­ta hi­pos­su­fi­ci­ên­cia.

Mas pa­ra me­lhor con­cre­ti­za­ção des­tas po­lí­ti­cas pú­bli­cas, na­da me­lhor que a nor­ma­ti­za­ção de to­do es­te pen­sa­men­to num di­plo­ma que tra­tas­se da ques­tão. E as­sim foi. Co­mo es­cre­ve Esteves Hi­lá­rio na sua obra so­bre “No­ções Pre­li­mi­na­res de Di­rei­to de De­fe­sa do Con­su­mi­dor” - com a en­tra­da em vi­gor do tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal de 2010 e com o con­se­quen­te en­trin­chei­ra­men­to dos di­rei­tos do con­su­mi­dor no rol dos di­rei­tos fun­da­men­tais, pa­re­ce-nos pa­ci­fi­ca­da a ques­tão do fun­da­men­to cons­ti­tu­ci­o­nal.

Es­ta pa­ci­fi­ca­ção en­con­tra fun­da­men­ta­ção cons­ti­tu­ci­o­nal no ar­ti­go 78, fi­can­do as­sim le­gi­ti­ma­dos, con­sa­gra­dos, os di­rei­tos bá­si­cos do con­su­mi­dor.

En­tre­tan­to, a Lei 15/03 de 22 de Ju­lho, an­te­ri­or à Cons­ti­tui­ção de 2010, é o di­plo­ma cri­a­do pa­ra sal­va­guar­dar os in­te­res­ses, ou se­ja, as re­la­ções con­su­me­ris­tas so­bre­tu­do dos mais vul­ne­rá­veis.

Diz a lei que “o es­ta­be­le­ci­men­to de uma po­lí­ti­ca di­nâ­mi­ca que pro­mo­va os in­te­res­ses dos con­su­mi­do­res no mer­ca­do vi­sa, so­bre­tu­do, fo­men­tar uma po­lí­ti­ca de re­ac­ção que bus­ca pro­te­ger os in­tres­ses dos con­su­mi­do­res e ofe­re­cer vi­as de re­cur­so pa­ra re­pa­rar os abu­sos e prá­ti­cas pre­ju­di­ci­ais, ga­ran­tin­do que os pro­du­to­res, os di­tri­bui­do­res e to­dos quan­tos par­ti­ci­pem no pro­ces­so de pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de bens e ser­vi­ços cum­pram as leis, e as nor­mas obri­ga­tó­ri­as vi­gen­tes”.

Edu­ca­ção e in­for­ma­ção

A edu­ca­ção dos con­su­mi­do­res é mis­são es­ta­tal. “Ao Es­ta­do - ad­ver­te a lei - in­cum­be a pro­mo­ção de uma po­lí­ti­ca edu­ca­ti­va pa­ra os con­su­mi­do­res, atra­vés da in­ser­ção nos pro­gra­mas e nas ac­ti­vi­da­des es­co­la­res, bem co­mo nas ac­ções de edu­ca­ção per­ma­nen­te de matérias re­la­ci­o­na­das com o con­su­mo e os di­rei­tos dos con­su­mi­do­res, usan­do, de­sig­na­da­men­te, os mei­os téc­ni­cos pró­pri­os de uma so­ci­e­da­de de in­for­ma­ção. E o que a lei exi­ge ao Es­ta­do?

Que con­cre­ti­ze no sis­te­ma edu­ca­ti­vo, em par­ti­cu­lar no en­si­no dos II e III ní­veis, pro­gra­mas de ac­ti­vi­da­des de edu­ca­ção nes­tas matérias, apoie as ini­ci­a­ti­vas que nes­te do­mí­nio se­jam pro­mo­vi­das pe­las as­so­ci­a­ções de con­su­mi­do­res, pro­mo­va as ac­ções de edu­ca­ção per­ma­nen­te, de for­ma­ção e sen­si­bi­li­za­ção e tam­bém de uma po­lí­ti­ca na­ci­o­nal de for­ma­ção de for­ma­do­res e de téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos. De­ve ain­da apoi­ar, as ac­ções de in­for­ma­ção das as­so­ci­a­ções de con­su­mi­do­res. O Di­rei­to do Con­su­mo é ca­dei­ra do 4º Ano na Uni­ver­si­da­de Me­to­dis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.