A fal­ta do Li­vro de Re­cla­ma­ção po­de cus­tar mais de kz 100 mil

Jornal de Economia & Financas - - Destaque -

Quan­do o cli­en­te so­li­ci­tou o ser­vi­ço, a fun­ci­o­ná­ria não deu a co­nhe­cer o pre­ço. Tam­bém não es­ta­va fi­xa­da uma ta­be­la a pro­pó­si­to. Só de­pois de exe­cu­ta­do o tra­ba­lho in­for­mou quan­to ti­nha de pa­gar.

Con­tes­tou o va­lor mas na­da va­leu. Ti­rou o car­tão do bol­so e pas­sou-o na má­qui­na elec­tró­ni­ca. Des­con­ten­te, es­cre­veu pa­ra o Ina­dec ale­gan­do que o es­ta­be­le­ci­men­to vi­o­lou uma das exi­gên­ci­as im­pos­tas pe­la Lei do Con­su­mi­dor: o de­ver de ser in­for­ma­do.

Além do mais, ha­via cons­ta­ta­do que o es­ta­be­le­ci­men­to não pos­suia “Li­vro de Re­cla­ma­ção” que é uma obri­ga­to­ri­e­da­de das ins­ti­tui­ções que co­mer­ci­a­li­zam bens e pres­tam ser­vi­ços dis­po­rem de um meio on­de o con­su­mi­dor pos­sa ma­ni­fes­tar sa­tis­fa­ção ou in­sa­tis­fa­ção do bem ou do ser­vi­ço ad­qui­ri­dos.

O li­vro e o res­pec­ti­vo se­lo de iden­ti­fi­ca­ção, que de­vem ser exi­bi­dos nas ins­ti­tui­ções comerciais, fo­ram lan­ça­dos na sen­da do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº 234/16 de 9 de De­zem­bro. Gros­so mo­do, co­mo o pró­prio li­vro se re­fe­re (Re­cla­ma­ção), quem o so­li­ci­ta é mais pa­ra ma­ni­fes­tar in­sa­tis­fa­ção.

Foi o que acon­te­ceu há di­as num res­tau­ran­te de um ho­tel, na Ilha do Ca­bo. Dois cli­en­tes, ao con­trá­rio dos de­mais, acha­ram que não es­ta­vam a ser aten­di­dos de­vi­da­men­te. Tu­do o que so­li­ci­ta­vam não ha­via quan­do cons­ta­va da car­ta, quer de co­mi­da, quer de be­bi­das.

De­sa­pon­ta­dos, re­sol­ve­ram fa­lar com o che­fe de sa­la, ques­ti­o­nan­do se não ha­via “Li­vro de Re­cla­ma­ção”. Ac­to con­tí­nuo, a ver­da­de é que a qua­li­da­de de aten­di­men­to me­lho­rou subs­tan­ci­al­men­te. Até o bom vi­nho, a pre­ço de “ja­ne­la aber­ta”, apa­re­ceu. Nes­tes lo­cais, ge­ral­men­te, a be­bi­da al­cóo­li­ca sai a um va­lor proi­bi­ti­vo e in­qui­e­tan­te. “Tí­nha­mos afi­nal em ar­ma­zém”, con­fes­sou.

A ver­da­de é que, en­tre nós, ain­da exis­tem mui­tas ir­re­gu­la­ri­da­des por par­te de es­ta­be­le­ci­men­tos de for­ne­ci­men­to de bens ou de pres­ta­ção de ser­vi­ços. E mui­tos des­tes su­jei­tos à Lei de De­fe­sa do Con­su­mi­dor.

É pre­ci­so lem­brar, e de­cor­re da lei, que o “Li­vro de Re­cla­ma­ção” é um veí­cu­lo fa­ci­li­ta­dor que tor­na mais aces­sí­vel o exer­cí­cio do di­rei­to de quei­xa ao proporcion­ar ao cli­en­te a pos­si­bi­li­da­de de re­cla­mar no lo­cal on­de o con­fli­to ocor­re, exi­gin­do à ob­ser­vân­cia do res­pei­to pe­los seus di­rei­tos.

O ri­gor pe­lo cum­pri­men­to co­me­ça pe­lo se­lo de iden­ti­fi­ca­ção. Diz a lei que es­te “de­ve ser fi­xa­do em lo­cal de fá­cil vi­si­bi­li­da­de, quer pe­los con­su­mi­do­res, quer pe­las au­to­ri­da­des que vi­si­tam o es­ta­be­le­ci­men­to. A dis­tri­bui­ção e ven­da do li­vro e do se­lo com­pe­tem ao INA­DEC e são ad­qui­ri­dos ao pre­ço de kz 8 mil.

Quan­to ao re­gi­me san­ci­o­na­tó­rio, es­tá es­ta­be­le­ci­do que a fal­ta do li­vro é pas­sí­vel de mul­tas, co­mo con­cei­tu­am os ar­ti­gos 15 e 16 do seu Re­gu­la­men­to, cu­jas mul­tas vão de 1 a 10 di­as, cor­res­pon­den­do a ca­da dia 5 sa­lá­ri­os mí­ni­mos da fun­ção pú­bli­ca até 100 a 200 di­as. Quer di­zer que es­tas po­dem ser su­pe­ri­o­res a kz 100 mil.

O ape­lo pa­ra os es­ta­be­le­ci­men­tos comerciais, e não só, é os ter pa­ra se ve­rem li­vres de san­ções com va­lo­res avul­ta­dos.

O li­vro foi lan­ça­do ofi­ci­al­men­te em 29 de Mar­ço de 2017, pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa do Con­su­mi­dor ( INA­DEC). E sem­pre que for so­li­ci­ta­do pe­lo con­su­mi­dor e não en­tre­gue ou apre­sen­ta­do, po­de-se ape­lar ao INA­DEC ou aos ser­vi­ços com­pe­ten­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal a fim de re­mo­ver a re­cu­sa ou to­ma­rem no­ta da ocor­rên­cia. Os for­ne­ce­do­res de bens e pres­ta­do­res de ser­vi­ços es­tão obri­ga­dos a aten­der a re­cla­ma­ção apre­sen­ta­da pe­lo con­su­mi­dor no pra­zo de 30 di­as.

A re­cla­ma­ção é sem­pre fei­ta em tri­pli­ca­do. O for­ne­ce­dor do bem ou ser­vi­ço, uma vez re­gis­ta­da uma re­cla­ma­ção, de­ve­rá re­me­ter o ori­gi­nal da re­cla­ma­ção ao INA­DEC no pra­zo de 10 di­as úteis. O mo­men­to da re­cla­ma­ção de­ve ser ime­di­a­ta­men­te en­tre­gue ao con­su­mi­dor uma se­gun­da via. Di­zía­mos, o di­plo­ma ti­pi­fi­ca as in­fra­ções e es­ta­be­le­ce o seu qu­a­dro san­ci­o­na­tó­rio, ao es­ta­be­le­cer di­as de mul­ta as­so­ci­a­dos a uma quan­tia pe­cu­niá­ria.

To­das as mul­tas de­vem ser pa­gas no pra­zo de 15 di­as após a no­ti­fi­ca­ção da de­ci­são aos in­fra­to­res.

A ac­tu­al di­nâ­mi­ca em­pre­en­di­da na nos­sa eco­no­mia exi­ge res­pon­sa­bi­li­za­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.