Inclusão re­gi­o­nal de­sa­fia po­lí­ti­cas

SADC já apre­sen­ta in­di­ca­do­res aci­ma dos 60 por cen­to, con­tra a me­ta­de de Angola, que quer che­gar aos 50 por cen­to em 2020

Jornal de Economia & Financas - - Finanças - Vâ­nia Iná­cio

Os ní­veis de inclusão financeira na re­gião da SADC (Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­e­men­to da Áfri­ca Aus­tral), ron­dam 67 por cen­to, com cer­ca de 113 mi­lhões de pes­so­as ( sen­do 33 por cen­to adul­tos) a con­ti­nu­a­rem fo­ra do in­di­ca­dor.

Du­ran­te a re­cen­te 8 ª Con­fe­rên­cia Anu­al do BNA ( Ban­co Na­ci­o­nal de Angola), o país co­lheu ex­pe­ri­ên­ci­as so­bre inclusão financeira do Ban­co da Tan­zâ­nia, do Ban­co Cen­tral do Qué­nia, da Áfri­ca do Oes­te e da Ali­an­ça de Inclusão Financeira, da qual Angola é mem­bro.

Das ex­pe­ri­ên­ci­as co­lhi­das jun­to das re­pre­sen­ta­ções es­tran­gei­ras, so­bres­sai a do Qué­nia, que num es­pa­ço de dez anos te­ve a sua ta­xa de ban­ca­ri­za­ção a su­bir de 20 pa­ra 82 por cen­to. O exem­plo foi bem aplau­di­do pe­los qua­dros do BNA, pre­sen­tes no even­to.

A ní­vel mun­di­al, os ní­veis de inclusão financeira pas­sa­ram de 51 por cen­to em 2011, pa­ra 69 em 2017. As me­tas pre­vis­tas pe­la UFA ( Uni­ver­sal Fi­nan­ci­al Ac­cess) pro­cu­ram ga­ran­tir o aces­so de 1 bi­lião de pes­so­as a uma con­ta ban­cá­ria, até 2020.

Pa­ra o ca­so an­go­la­no, a re­vi­são da Lei do Sis­te­ma de Pa­ga­men­tos de­ve vi­a­bi­li­zar a ele­va­ção da ta­xa de ban­ca­ri­za­ção de 50 por cen­to até 2020, con­tra os ac­tu­ais 30 por cen­to com a inclusão financeira da po­pu­la­ção adul­ta, no mí­ni­mo.

A mé­dia an­go­la­na é con­si­de­ra­da bai­xa em com­pa­ra­cão com a mé­dia da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca

Aus­tral, on­de a pers­pec­ti­va é as­cen­der a um mí­ni­mo de 50 por cen­to até 2020.

Du­ran­te a con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal pro­mo­vi­da pe­lo BNA, re­cen­te­men­te, em Lu­an­da, so­bre o pa­pel das tec­no­lo­gi­as na inclusão financeira, o go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de Angola ( BNA), Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no, dis­se que a re­vi­são da re­fe­ri­da lei vai ain­da per­mi­tir a in­tro­du­ção de so­lu­ções di­gi­tais in­se­ri­das nos pro­gra­mas ins­ti­tu­ci­o­nais de inclusão financeira.

Os úl­ti­mos da­dos so­bre a ban­ca­ri­za­ção em Angola, di­vul­ga­dos pe­lo BNA em No­vem­bro de 2016, apon­ta­vam pa­ra 7,8 mi­lhões de con­tas aber­tas, ou 52 por cen­to do que se su­pu­nha an­tes do cen­so - ser um uni­ver­so de 15 mi­lhões de pes­so­as adul­tas.

Sis­te­ma de Pa­ga­men­tos

O pro­ces­so de re­vi­são do Sis­te­ma de Pa­ga­men­tos do BNA con­ta com o apoio do Ban­co Mun­di­al e de­ve fi­car con­cluí­do no fi­nal de 2019, quan­do for le­va­do à As­sem­bleia Na­ci­o­nal pa­ra dis­cus­são e apro­va­ção, in­for­mou.

De acor­do com o go­ver­na­dor, as so­lu­ções que o BNA es­tá a pre­pa­rar in­clu­em a in­tro­du­ção de pa­ga­men­tos mó­veis, con­si­de­ra­dos di­nâ­mi­cos e de am­plo al­can­ce, e tam­bém os pa­ga­men­tos di­gi­tais, o que tem de ser fei­to com ba­se na re­vi­são da lei, re­fe­riu. Pa­ra es­te pro­ces­so o BNA con­ta com a par­ti­ci­pa­ção das em­pre­sas de te­le­co­mu­ni­ca­ções mó­veis que ope­ram no país, a Uni­tel e a Mo­vi­cel , que além de apoi­a­rem a con­cep­ção do no­vo di­plo­ma, tro­cam idei­as pa­ra en­con­tra­rem as me­lho­res op­ções pa­ra as ope­ra­ções no fu­tu­ro.

Da­dos re­cen­tes con­fir­mam que ac­tu­al­men­te do­ze mi­lhões da po­pu­la­ção an­go­la­na são usuá­ri­os de te­le­mó­veis, 15 por cen­to faz uso da in­ter­net e ape­nas um por cen­to faz com­pras on li­ne. Se­gun­do o vi­ce-go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de Angola ( BNA), Rui Min­guêns, que dis­ser­ta­va, nu­ma das con­fe­rên­ci­as re­a­li­za­das pe­lo BNA, es­te ano, o uso das tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção ( TIC) no sis­te­ma fi­nan­cei­ro ban­cá­rio na­ci­o­nal vai aju­dar a ace­le­rar o pro­ces­so de inclusão financeira.

“As tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção es­tão a evo­luir de uma for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va, de tal for­ma que no­vas em­pre­sas fi­nan­cei­ras e tec­no­ló­gi­cas es­tão num mo­men­to de in­te­gra­ção das su­as fun­ções no que diz res­pei­to aos ser­vi­ços de pa­ga­men­tos, on­de se no­ta a in­te­rac­ção das no­vas tec­no­lo­gi­as com o sec­tor fi­nan­cei­ro”, dis­se na oca­sião.

Di­rec­tri­zes

Ain­da em Maio des­te ano, no qu­a­dro do es­trei­ta­men­to das re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais com o Gru­po Ban­co Mun­di­al (GBM), vi­san­do a cap­ta­ção de im­por­tan­tes fi­nan­ci­a­men­tos pa­ra apoi­ar a agen­da go­ver­na­ti­va do Exe­cu­ti­vo, o Con­se­lho de Di­rec­to­res Exe­cu­ti­vos da­que­la ins­ti­tui­ção vi­si­tou o nos­so país , ten­do si­do dis­cu­ti­do tam­bém as­pec­tos li­ga­dos ao pro­gra­ma de Inclusão Financeira do BNA.

O en­con­tro con­tou com a pre­sen­ça de res­pon­sá­veis se­ni­o­res do BNA, de re­pre­sen­tan­tes da di­rec­ção da Abanc, Ki­xi­cré­di­to, Mas­terCard e do web­si­te so­bre fi­nan­ças pes­so­ais “Kam­ba Ri­co”.

Ain­clu­são financeira é o pro­ces­so que pro­por­ci­o­na aos con­su­mi­do­res e in­ves­ti­do­res uma mai­or com­pre­en­são dos pro­du­tos fi­nan­cei­ros e a adop­ção de com­por­ta­men­tos fi­nan­cei­ros ade­qua­dos”– OCDE, 2005. Ela sig­ni­fi­ca que en­ti­da­des co­lec­ti­vas e to­dos os ci­da­dãos têm aces­so e uti­li­zam, efectivame­nte, pro­du­tos e ser­vi­ços fi­nan­cei­ros.

A NÍ­VEL MUN­DI­AL OS NÍ­VEIS DE INCLUSÃO FINANCEIRA PAS­SA­RAM DE 51 POR CEN­TO EM 2011, PA­RA 69 EM 2017

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.