Es­pa­ços ver­des re­du­zem cus­tos com a saú­de

Jornal de Economia & Financas - - Meu Negócio -

O am­bi­en­ta­lis­ta Ba­sí­lio San­da­la de­fen­de que a ma­nu­ten­ção dos es­pa­ços ver­des po­de re­du­zir os gas­tos com a saú­de.

Ex­pli­ca, que um ci­da­dão in­ves­te mui­to di­nhei­ro com­pran­do apa­re­lhos de con­ge­la­ção, e me­di­ca­men­tos quan­do de­via pou­par con­ser­van­do a na­tu­re­za.

O aque­ci­men­to glo­bal, e o sur­gi­men­to de do­en­ças, tam­bém po­dem ser acau­te­la­dos.

“Po­de­mos pou­par e evi­tar mui­ta coi­sa com o ver­de: Te­mos oxi­gé­nio, e res­pi­ra­mos ar pu­ro as­sim es­ta­mos a pou­par di­nhei­ro”, dis­se.

As­sim co­mo in­cen­ti­va a pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e re­a­bi­li­tar os es­pa­ços ver­des.

A ban­ca an­go­la­na de­ve ser par­cei­ra, por ser uma área que em­pre­ga mui­ta gen­te.

“O de­sem­pre­go em Angola pas­sa pe­lo apoio às mi­cro- em­pre­sas co­mo às de eco­no­mia ver­de”.

É pos­sí­vel, re­du­zir à im­por­ta­ção de me­di­ca­men­tos, que anu­al­men­te cus­ta mi­lhões de dó­la­res.

“A ca­pi­tal an­go­la­na pre­ci­sa de repôr a ve­ge­ta­ção pa­ra ame­ni­zar a tem­pe­ra­tu­ra”, fri­sou.

Por is­so ler­ta que, os es­pa­ços ver­des não de­vem ser trans­for­ma­dos em áre­as comerciais.

“Angola ga­nha mui­to com os es­pa­ços ver­des, atra­em tu­ris­tas, os jo­vens dei­xam de es­tar na de­liquên­cia.

Há mais saú­de, pou­pa­mos di­nhei­ro e te­mos mais tem­po de vi­da que é bem mai­or”.

Ba­sí­lio San­da­la acres­cen­ta pa­ra que ha­ja mais in­ves­ti­men­to e for­ma­ção no ra­mo do am­bi­en­te.

“Eu sou con­tra os es­ta­be­le­ci­men­tos comerciais, so­bre­tu­do bar­ra­cas e rou­lo­tes que são co­lo­ca­dos no re­cin­to dos es­pa­ços ver­des de Angola”.

DR

A no­va ima­gem do jar­dim no Ki­lam­ba no lar­go Agos­ti­nho Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.