Com­pe­ti­ção em­pre­sa­ri­al das fir­mas

Jornal de Economia & Financas - - Gestão -

Na ho­ra de de­fi­nir a com­pe­ti­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al exis­tem vá­ri­as pos­si­bi­li­da­des. De mo­do ge­ral, po­de­mos con­si­de­rar que a com­pe­ti­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al é o con­jun­to de ac­ções na qual as en­ti­da­des comerciais im­plan­tam com o ob­jec­ti­vo de po­ten­ci­a­li­zar os seus re­sul­ta­dos e fa­zer com que se­jam os mais im­por­tan­tes den­tro do seu sec­tor.

Há quem sim­pli­fi­que es­ta de­fi­ni­ção com­pa­ran­do com a ca­pa­ci­da­de de uma em­pre­sa em ge­rar rendimento­s, no en­tan­to, uma em­pre­sa com­pe­ti­ti­va é aque­la que al­can­ça a me­lhor ren­ta­bi­li­da­de pos­sí­vel so­bre de­ter­mi­na­do in­ves­ti­men­to.

A de­fi­ni­ção mais co­mum de com­pe­ti­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al es­tá as­so­ci­a­da à com­pe­ti­ti­vi­da­de com pro­du­ti­vi­da­de. Es­ta re­la­ção é qua­se que um prin­cí­pio no mun­do dos ne­gó­ci­os mo­der­nos, sen­do um ob­jec­ti­vo pa­ra as gran­des mul­ti­na­ci­o­nais.

Pon­tos cha­ve

A com­pe­ti­ti­vi­da­de é o fac­tor prin­ci­pal das em­pre­sas ac­tu­ais. Es­tas em­pre­sas re­for­çam as su­as van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas so­bre os com­pe­ti­do­res bus­can­do uma di­fe­ren­ci­a­ção.

To­da em­pre­sa que quer me­lho­rar a sua com­pe­ti­ti­vi­da­de de­ve en­fa­ti­zar cer­tos pon­tos, co­mo se­guir sem­pre as úl­ti­mas ten­dên­ci­as do mer­ca­do ou de­sen­vol­ver um bom de­par­ta­men­to es­pe­cí­fi­co pa­ra li­dar com is­so.

Glo­ba­li­za­ção das em­pre­sas

Ac­tu­al­men­te são mui­tas em­pre­sas que não com­pe­tem ape­nas co­mo con­cor­ren­tes dos seus lo­cais, mas sim com to­do o pla­ne­ta, pois o fac­to de dei­xar de la­do as no­vi­da­des do sec­tor po­de ser um fac­tor pri­mor­di­al que afec­ta a sua com­pe­ti­ti­vi­da­de.

Qu­a­dro de tra­ba­lha­do­res

O qu­a­dro de tra­ba­lha­do­res é um dos agen­tes prin­ci­pais que de­ter­mi­nam a com­pe­ti­ti­vi­da­de. É es­sen­ci­al uma pes­soa qua­li­fi­ca­da, bri­lhan­te e iden­ti­fi­ca­da com a em­pre­sa. As em­pre­sas com­pe­ti­ti­vas se des­ta­cam por não ter me­do de di­vi­dir com os seus tra­ba­lha­do­res os rendimento­s ob­ti­dos, em con­tra­pa­ri­da, uma pes­soa pou­co mo­ti­va­da ou com pou­ca von­ta­de de cres­cer se­rá uma per­da pa­ra a com­pe­ti­ti­vi­da­de da em­pre­sa.

Por úl­ti­mo, va­le des­ta­car que uma das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas das gran­des em­pre­sas com­pe­ti­ti­vas é o fac­to de não se aco­mo­dar com o su­ces­so.

A com­pe­ti­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al de­ter­mi­na que sem­pre ha­ve­rá uma no­va em­pre­sa que­ren­do che­gar às po­si­ções de pri­vi­lé­gio, in­clu­si­ve as em­pre­sas de mai­or êxi­to de­vem lu­tar pa­ra que a dis­tân­cia que lhes se­pa­ram de seus com­pe­ti­do­res nun­ca di­mi­nu­am ao pon­to de co­lo­car em ris­co sua li­de­ran­ça ou po­si­ção de lí­der no mer­ca­do.

De al­gu­ma ma­nei­ra, na mai­o­ria das si­tu­a­ções hu­ma­nas há cer­to con­fli­to en­tre eles. Es­tu­dan­tes, atle­tas ou em­pre­sas en­fren­tam uns aos ou­tros, sen­do que al­guns sa­em ven­ce­do­res e ou­tros per­de­do­res.

Tra­ba­lha­do­res são ele­men­tos de­ter­mi­nan­tes na bus­ca pe­la com­pe­ti­ti­vi­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.