Co­mér­cio re­vê mé­to­dos

O mé­to­do de cál­cu­lo dos pre­ços nas im­por­ta­ções de bens e ser­vi­ços de­ve­rá nos pró­xi­mos tem­pos obe­de­cer a no­vas re­fe­rên­ci­as.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Pe­dro Pe­ter­son

OMi­nis­té­rio do Co­mér­cio apre­sen­tou, es­ta se­ma­na, aos ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos, uma plataforma pa­ra mé­to­do de cál­cu­lo dos pre­ços de re­fe­rên­cia na im­por­ta­ção de bens, vi­san­do ga­ran­tir que os pro­du­tos im­por­ta­dos che­guem aos des­ti­no com uma va­ri­a­ção mí­ni­ma e con­tro­la­da de pre­ços.

Se­gun­do um do­cu­men­to do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio a que o te­ve aces­so, a plataforma re­sul­ta das re­co­men­da­ções saí­das na reu­nião de 6 de Agos­to úl­ti­mo, re­a­li­za­da en­tre mem­bros do gru­po téc­ni­co pa­ra as ques­tões ma­cro­e­co­nó­mi­cas, sob a co­or­de­na­ção do se­cre­tá­rio pa­ra os As­sun­tos Eco­nó­mi­cos do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

O Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio, que

JE ins­ti­tuiu a uni­da­de de re­con­ci­li­a­ção de da­dos, e os de­mais ór­gãos que li­cen­ci­am ou in­ter­vêm no li­cen­ci­a­men­to de im­por­ta­ções, es­tão a re­for­çar o con­tro­lo e pre­ven­ção de ir­re­gu­la­ri­da­des.

Es­te con­tro­lo, se­gun­do o do­cu­men­to, vai mi­ti­gar as prá­ti­cas de pre­ços al­te­ra­dos as­sim co­mo o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais que têm si­do de­tec­ta­dos, bem co­mo ga­ran­tir a en­tra­da efec­ti­va dos pro­du­tos im­por­ta­dos.

O mé­to­do de­ve­rá in­cluir a ve­ri­fi­ca­ção de de­ter­mi­na­das in­for­ma­ções nas fac­tu­ras, fa­zer cons­tar de­ta­lhes que jus­ti­fi­cam que de­ter­mi­na­do pa­ga­men­to re­fe­re-se às quan­ti­da­des, re­fe­rên­ci­as e pre­ços, em har­mo­nia com os com­pro­va­ti­vos de pa­ga­men­tos e de­mais do­cu­men­tos ine­ren­tes às im­por­ta­ções.

O do­cu­men­to vai ain­da con­si­de­rar os cus­tos de fre­te e se­gu­ro que, em ge­ral, são pa­gos em mo­e­da es­tran­gei­ra.

O che­fe do de­par­ta­men­to da ba­lan­ça co­mer­ci­al, da Di­rec­ção Na­ci­o­nal do Co­mér­cio Ex­ter­no ( DNCE-Min­co), Jo­sé Si­ca­to, dis­se na oca­sião que, es­tão a ser de­tec­ta­dos ca­sos de co­mer­ci­an­tes que re­ce­be­ram as di­vi­sas em 2017 e as mer­ca­do­ri­as só es­tão a en­trar no país no ano cor­ren­te, o que in­di­ca que hou­ve uma ir­re­gu­la­ri­da­de pe­ran­te o Ar­ti­go 40.º do De­cre­to 75/ 17, que obri­ga o ope­ra­dor eco­nó­mi­co a re­ven­der as di­vi­sas a uma ins­ti­tui­ção financeira ban­cá­ria, sem­pre que não con­si­ga pro­ce­der a im­por­ta­ção nos pra­zos es­ta­be­le­ci­dos”, dis­se.

Os ope­ra­do­res pre­sen­tes na ce­ri­mó­nia, con­si­de­ra­ram bas­tan­te efi­caz e opor­tu­na a uti­li­za­ção da re­fe­ri­da plataforma, co­mo for­ma de me­lho­rar os ac­tu­ais pro­ce­di­men­tos de con­tro­lo das ir­re­gu­la­ri­da­des mais fre­quen­tes no que às im­por­ta­ções diz res­pei­to.

Além de Di­rec­to­res e téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio, es­ti­ve­ram tam­bém pre­sen­tes re­pre­sen­tan­tes dos Mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças, Pes­cas e do Mar, Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, o Ban­co Na­ci­o­nal de Angola e ou­tras ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as e comerciais.

PLATAFORMA VAI FA­CI­LI­TAR AS AU­TO­RI­DA­DES NA FOR­MA­ÇÃO DE PRE­ÇOS DOS PRO­DU­TOS

KINDALA MA­NU­EL | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pre­ços dos pro­du­tos im­por­ta­dos vão obe­de­cer mé­to­dos de cál­cu­lo di­fe­ren­ci­a­dos após pa­re­cer do gru­po téc­ni­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.