Re­vis­ta às com­pras de cli­en­tes per­sis­te

Con­tro­la­do­res à saí­da das lo­jas da re­de An­goMart vis­to­ri­am os sa­cos de com­pras pa­ra afe­rir a sua con­for­mi­da­de com a fac­tu­ra con­tra­ri­an­do dis­po­si­ções le­gais

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - Isa­que Lourenço

Quem vai às com­pras na re­de de lo­jas An­goMart tem de en­fren­tar a re­vis­ta à saí­da e a con­fir­ma­ção dos pro­du­tos que le­va de acor­do com a fac­tu­ra de pa­ga­men­to.

Es­ta ini­ci­a­ti­va é uma con­tra­ven­ção cla­ra aos di­rei­tos do con­su­mi­dor, em fun­ção de uma an­te­ri­or de­ci­são das au­to­ri­da­des re­gu­la­do­ras des­se seg­men­to.

Em Abril des­se ano, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de De­fe­sa do Con­su­mi­dor (INA­DEC) proi­biu es­tas prá­ti­cas nos es­ta­be­le­ci­men­tos

comerciais, por con­si­de­rar que vi­o­lam o di­rei­to à in­te­gri­da­de pes­so­al e o prin­cí­pio da pre­sun­ção da ino­cên­cia inscritos na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de Angola.

Tal co­mo cons­ta­ta­do nas re­por­ta­gens do Jor­nal de

Angola e ou­tros ór­gãos de im­pren­sa na­ci­o­nais, a prá­ti­ca per­sis­tia e até ho­je não há si­nais de mu­dan­ça des­sa prá­ti­ca. Nos Ke­ro, Ali­men­ta Angola, Can­dan­do e Sho­pri­te por on­de pas­sá­mos não foi vis­to es­te pro­ce­di­men­to.

Chi­nha João foi à An­goMat com­prar bens es­sen­ci­ais da ces­ta bá­si­ca. Pas­sou pe­la re­vis­ta dos “ka­en­che”, e con­si­de­rou a re­vis­ta um au­tên­ti­co des­res­pei­to à pre­sun­ção da ino­cên­cia dos cli­en­tes.

“Ou­vi­mos nas rá­di­os e ve­mos pe­la te­le­vi­são que é proi­bi­do re­vis­tar as com­pras dos cli­en­tes, mas aqui no An­goMart do Ben­fi­ca, as pes­so­as que tra­ba­lham na por­ta­ria não cum­prem es­sa ori­en­ta­ção. É uma ver­go­nha e até por­que es­sas re­vis­tas po­de­ri­am ser fei­tas na cai­xa por al­tu­ra do pa­ga­men­to”, de­fen­de.

A ge­rên­cia da lo­ja não se mos­trou dis­po­ní­vel pa­ra aten­der o nos­so pe­di­do de es­cla­re­ci­men­to, tal­vez por­que não nos iden­ti­fi­ca­mos em no­me da im­pren­sa, mas na con­di­ção de con­su­mi­dor. Além de ame­a­ça­dos, fo­mos re­co­men­da­dos a obe­de­cer só e so­men­te.

O INS­TI­TU­TO NA­CI­O­NAL

DE DE­FE­SA DO CON­SU­MI­DOR (INA­DEC) PROI­BIU ES­TAS PRÁ­TI­CAS NOS ES­TA­BE­LE­CI­MEN­TOS COMERCIAIS

DR

An­goMart con­tra­ria Ina­dec com in­sis­tên­cia na re­vis­ta às com­pras à saí­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.