Em­pre­en­de­dor mu­da jar­dins

Há dois anos, a “Cu­ban­free”, de Ro­ber­to Rodrigues, co­me­çou a in­ves­tir na re­a­bi­li­ta­ção de 4,38 hec­ta­res, no Ki­lam­ba.

Jornal de Economia & Financas - - Primeira Página - An­tó­nio Eugénio

As mi­cro- em­pre­sas an­go­la­nas es­tão mais ou­sa­das e co­mo que im­pa­rá­veis no cum­pri­men­to da su­sa mis­são de ne­gó­ci­os. Res­sen­tem às di­fi­cul­da­des que gra­vi­tam so­bre a eco­no­mia, des­de a exi­gui­da­de de fi­nan­ci­a­men­to, es­cas­sez de di­vi­sas e ou­tros, mas nem por is­so mar­cam pas­so atrás. Ca­da uma, na sua área, man­tém a fir­me­za, per­sis­tên­cia e fé num fu­tu­ro “bom”, que pas­sa por re­do­brar as ini­ci­a­ti­vas e fa­zer das di­fi­cul­da­des uma “ja­ne­la” de opor­tu­ni­da­des pa­ra o pro­gres­so, em­pre­gan­do jo­vens.

A men­ta­li­da­de de in­ves­tir pa­re­ce ter se adap­ta­do ao tem­po a mui­ta gen­te, pois já não há “ne­gó­ci­os mi­li­o­ná­ri­os”. Com pou­cos re­cur­sos faz-se e bem, um de­ter­mi­na­do pro­jec­to so­ci­al e eco­nó­mi­co.

Quem não se lem­bra dos “jar­dins mi­li­o­ná­ri­os”, que aos pou­cos se ti­nham tor­na­do uma prá­ti­ca em qua­se to­das às pro­vín­ci­as. E do tem­po que os jar­dins qua­se não re­pre­sen­ta­vam pe­so no or­ça­men­to do Es­ta­do? Faz par­te do pas­sa­do.

O exem­plo, vem da Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, mu­ni­cí­pio de Be­las, on­de nu­ma da­da al­tu­ra os jar­dins fo­ram van­da­li­za­dos e trans­for­ma­dos em lu­ga­res de cri­me, pros­ti­tui­ção, e ou­tros ma­les pa­ra a eco­no­mia.

Pa­ra res­ti­tuir a ima­gem ini­ci­al, se­te em­pre­sas apre­sen­ta­ram pro­jec­tos à ad­mi­nis­tra­ção lo­cal, pa­ra dar vi­da e va­lor à ver­da­dei­ros es­pa­ços ver­des.

Foi as­sim que há dois anos a em­pre­sa “Cu­ban­free” , de Ro­ber­to Rodrigues, investiu 9 mi­lhões de kwan­zas pa­ra re­a­bi­li­tar um es­pa­ço de 4,38 hec­ta­res de área ver­de, no lar­go Agos­ti­nho Ne­to, no Ki­lam­ba. Pa­ra o su­ces­so do pro­jec­to, Ro­ber­to Rodrigues, di­rec­tor do pro­jec­to, con­ta com a par­ti­ci­pa­ção de 16 jo­vens, en­tre car­pin­tei­ro, jar­di­nei­ros e pin­to­res que man­tém o vín­cu­lo la­bo­ral com o es­pa­ço “Nu­e­va Ge­ro­na”, no­me com que foi bap­ti­za­do.

Nas pri­mei­ras ho­ras da ma­nhã cri­an­ças e jo­vens usu­fru­em da bri­sa do lo­cal.

Nu­e­va Ge­ro­na

Por­que Nu­e­va Ge­ro­na? Re­al­ça que, sur­ge pa­ra ho­me­na­ge­ar mais de 18 mil es­tu­dan­tes an­go­la­nos, que se for­ma­ram na Ilha de Cu­ba, e têm de elei­ção o lo­cal “pa­ra ma­tar sau­da­des” da ter­ra do “Cai­man”, no­me co­nhe­ci­do pe­los an­ti­gos es­tu­dan­tes da Ilha Ca­ri­be­nha.

An­ti­gos es­tu­dan­tes de Por­tu­gal en­con­tram aco­lhi­men­to no es­pa­ço. No prin­cí­pio, con­ta que foi “di­fí­cil”, diz ter en­con­tra­do to­das às in­fra-es­tru­tu­ras que su­por­tam o lu­gar co­mo ca­sa de ba­nho, sis­te­ma eléc­tri­co, lan­cis, ca­dei­ras des­truí­das.

Com os pou­cos re­cur­sos, e ape­sar de for­ças de “blo­queio”, o ob­jec­ti­vo foi al­can­ça­do”, dis­se.

O re­tor­no do in­ves­ti­do pas­sa pe­lo alu­guer do es­pa­ço, com va­lo­res a ron­da­rem os 100 mil kwan­zas du­ran­te 24 ho­ras. Des­de bap­ti­za­dos até ca­sa­men­tos. Com 10 anos pa­ra ex­plo­rar o es­pa­ço, con­for­me ates­ta o con­tra­to, é des­ta for­ma que ele con­se­gue pa­gar o sa­lá­rio dos tra­ba­lha­do­res, e man­ter o jar­dim im­pe­cá­vel e lin­do.

To­das as se­ma­nas cen­te­nas de pes­so­as re­cor­re­rem ao “Nu­e­va Ge­ro­na”, em bus­ca de la­zer e res­pi­rar “oxi­gé­nio”. Re­cen­te­men­te, foi pal­co do con­gres­so ca­tó­li­co em Angola,

Na pers­pec­ti­va de ren­ta­bi­li­zar o es­pa­ço nos pró­xi­mos di­as, es­tá agen­da­da a re­a­li­za­ção de fei­ra de li­vros, ac­ti­vi­da­des alu­si­vas ao he­rói na­ci­o­nal Agos­ti­nho Ne­to, ex­po­si­ção de ar­tes plás­ti­cas, con­cur­sos de dan­ça e ka­ra­o­ke.

A ges­tão pre­ten­de de igual mo­do co­nec­tar o sis­te­ma “WiFi” ( li­vre) pa­ra be­ne­fi­ci­ar às pes­so­as que fre­quen­tam o es­pa­ço, pos­sam ter aces­so à in­ter­net e pro­mo­ver lei­tu­ra ao ar li­vre.

O “Nu­e­va Ge­ro­na”, vai dar for­ma­ção pro­fis­si­o­nal à jo­vens a cus­to ze­ro.

Sil­va Si­mões um jo­vem de 24 anos, tra­ba­lha no lo­cal há já al­gum tem­po, con­si­de­ra que o pro­jec­to tem mui­ta im­por­tân­cia na sua vi­da por ser a prin­ci­pal fon­te de sus­ten­to da sua fa­mí­lia.

“Aqui era um ma­to, tu­do es­ta­va cheio de ca­pim. Com o tra­ba­lho que se es­tá a fa­zer, tor­nou-se um lu­gar ape­te­cí­vel de se fi­car “, dis­se.

Na mes­ma con­di­ção es­tá Al­ber­ti­na Lu­vem­ba, jo­vem de 21 anos, tam­bém re­co­nhe­ce ser uma opor­tu­ni­da­de pa­ra ga­nhar a vi­da.

O con­tras­te en­con­tra-se no es­pa­ço de jar­dim de­fron­te a ad­mi­nis­tra­ção. O lu­cro rá­pi­do, fa­lou al­to. Os pro­pri­e­tá­ri­os dos es­pa­ços, co­lo­ca­ram roul­lo­tes, bar­ra­cas, e ou­tras for­mas de fac­tu­rar. Des­ca­rac­te­ri­za­ram o jar­dim, cons­ta que to­dos

os ma­les que gra­çam a so­ci­e­da­de fa­zi­am mo­ra­da no no­vo es­pa­ço.

Fo­ram ig­no­ra­dos to­dos os ape­los que pen­di­am pa­ra in­vi­a­bi­li­zar o pro­jec­to. Mui­tos jo­vens en­con­tra­ram em­pre­go, mas as re­gras con­tra­tu­ais fo­ram ig­no­ra­das o “ga­nho fa­lou mais al­to”, con­tam al­guns. O Ki­lam­ba tem 24 jar­dins in­fan­tis, e oi­to ca­sas de ba­nho lo­ca­li­za­dos nos di­fe­ren­tes es­pa­ços ver­des e es­tão fe­cha­dos, van­da­li­za­dos e ino­pe­ran­tes.

Pa­ra man­ter a ima­gem dos jar­dins, a ad­mi­nis­tra­ção lo­cal fe­chou os es­ta­be­le­ci­men­tos comerciais, roul­lo­tes que es­ta­vam nos jar­dins.

Ro­ber­to Rodrigues Di­ret­cor do Pro­jec­to

FOI DI­FÍ­CIL IN­VES­TIR DE­VI­DO O ES­TA­DO DE DE­GRA­DA­ÇÃO DA ES­TRU­TU­RA Al­ber­ti­na Lu­vem­ba Tra­ba­lha­do­ra au­xi­li­ar

ES­TE EM­PRE­GO TEM GA­RAN­TI­DO O SUS­TEN­TO DA MI­NHA FA­MÍ­LIA

FO­TOS AN­TÓ­NIO EUGÉNIO

As­sim es­ta­va o jar­dim da Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba que “Cu­ban­free” re­a­bi­li­tou de­pois de ser van­da­li­za­da, e quei­ma­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.