Boa Go­ver­na­ção em con­gres­so

Mi­nis­té­rio da Ener­gia e Águas e a As­so­ci­a­ção Aca­dé­mi­ca de Cor­po­ra­te Go­ver­nan­ce ava­li­am o desempenho e os de­sa­fi­os das em­pre­sas pú­bli­cas

Jornal de Economia & Financas - - Gestão - An­dré dos An­jos

As nor­mas e re­gras da cha­ma­da “Cor­po­ra­te go­ver­nan­ce”, não sen­do ex­clu­si­vas ao sec­tor pri­va­do, de­vem ser adop­ta­das pe­las em­pre­sas pú­bli­cas, par­ti­cu­lar­men­te as do sec­tor da Ener­gia e Águas, se qui­se­rem avan­çar com com­pe­tên­cia e so­li­dez, fa­ce ao am­bi­en­te de con­cor­rên­cia do mer­ca­dos.

Es­ta po­si­ção é do mi­nis­tro da Ener­gia e Águas, João Bap­tis­ta Bor­ges, na aber­tu­ra, on­tem, em Lu­an­da, do pri­mei­ro Con­gres­so so­bre “Cor­pa­o­ra­te go­ver­nan­ce”, que o seu pe­lou­ro or­ga­ni­za em par­ce­ria com As­so­ci­a­ção Aca­dé­mi­ca de Cor­po­ra­te Go­ver­na­ce.

Se­gun­do dis­se, os prin­cí­pi­os e re­gras da cor­po­ra­te go­ver­nan­ce in­clu­em en­tre ou­tros va­lo­res, o de­ver de trans­pa­rên­cia e de pres­ta­ção re­gu­lar de con­tas, que se cons­ti­tu­em, nos di­as que cor­rem, “fac­to­res cha­ves pa­ra a au­to-sus­ten­ta­ção das em­pre­sas “.

O sec­tor de Ener­gia e Águas, lem­brou, foi sub­me­ti­do re­cen­te­men­te a um pro­ces­so de re­for­mas, que le­vou à cri­a­ção de no­vas em­pre­sas, en­con­tran­do-se al­gu­mas em fa­se de im­ple­men­ta­ção.

Fru­to das re­for­mas ope­ra­das, pros­se­guiu, o Mi­nis­té­rio con­tro­la, ho­je, em to­do o país, 21 em­pre­sas, sen­do qua­tro no sec­tor da Ener­gia e 17 na área de Águas e Sa­ne­a­men­to.

Con­tra­tos

A ce­le­bra­ção de um con­tra­to-pro­gra­ma en­tre os ad­mi­nis­tra­do­res das em­pre­sas pú­bli­cas e o ac­ci­o­nis­ta-Es­ta­do, de acor­do com a ju­ris­ta So­fia Va­le, fa­ci­li­ta­ria a ob­ser­vân­cia das nor­mas e re­gras de cor­po­ran­ce go­ver­na­ce no sec­tor pú­bli­co.

A pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria dis­ser­tou so­bre o te­ma “O Con­tra­to de Ad­mi­nis­tra­ção, a Re­mu­ne­ra­ção dos Ad­mi­nis­tra­do­res e a Com­pen­sa­ção em ca­so de Des­ti­tui­ção”. Lem­brou que, em Angola, os ad­mi­nis­tra­do­res pa­ra em­pre­sas pú­bli­cas são no­me­a­dos em co­mis­são de ser­vi­ço, con­tra­ri­a­men­te ao que acon­te­ce no sec­tor pri­va­do, em que a re­la­ção as­sen­ta na ba­se de um con­tra­to pro­gra­ma.

“O ad­mi­nis­tra­dor é um pres­ta­dor de ser­vi­ço e não um fun­ci­o­ná­rio”, su­bli­nhou a ju­ris­ta.

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

A pa­les­tran­te e do­cen­te uni­ver­si­tá­ria So­fia Va­le abor­dou num dos pai­néis so­bre a po­si­ção con­tra­tu­al dos ad­mi­nis­tra­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.