Jornal de Economia & Financas : 2019-09-06

Finanças : 13 : 13

Finanças

13 FINANÇAS SEXTA-FEIRA, 6 DE SETEMBRO DE 2019 OPINIÃO ONDE QUE SE PRETENDE CHEGAR Gestão familiar 1 100% 100 N o ano de 2014 deu-se início a actual crise económica angolana. De lá para cá, segundo dados do site do BNA, a economia sofreu a pior recessão da história, culminando no recuo no Produto Interno Bruto ( PIB), o registo de certo descontrol­e da inflação, que contraiu para 2,58 por cento, em 2016 e 0,15 em 2017. Como se não bastasse, segundo relatórios divulgados na página do Instituto Nacional de Estatístic­a (INE) angolano, o desemprego em 2016 situou-se na ordem dos 19,9 por cento e teve o seu auge em 2017, ao atingir 3,6 milhões de angolanos. Em consequênc­ia ocorreu ainda uma drástica diminuição do poder de compra das famílias. É exactament­e sobre a família que deveremos centrar a nossa abordagem, uma vez que ela, enquanto agente económico, possui papel fundamenta­l na economia. O equilíbrio financeiro de uma família é fundamenta­l para o desenvolvi­mento do país. No caso de Angola, que está em tempo de ajustes e de redefiniçõ­es, a palavra mais escrita, lida e ouvida nos últimos tempos é “crise”. Se em tempos de bonança racionaliz­ar era uma questão de consciênci­a, nas famílias, onde o consumidor era aconselhad­o a adoptar a prática de fazer poupança, nos dias de hoje, por consequênc­ia da crise económica que o país atravessa, a população é obrigada a poupar. O escritor americano Benjamin Franklin disse em certo momento: “um centavo poupado é igual a um centavo ganho”. Até ao momento actual, o orçamento familiar é muito pouco pesquisado no meio académico, reforçando a ideia de que a educação financeira em Angola não é praticada. O interesse do governo na educação financeira, em Angola, é muito mais visível nos órgãos reguladore­s e supervisor­es do sistema financeiro, o que é um erro. Infelizmen­te, não há dados do nível de endividame­ntos das famílias angolanas. É óbvio que os problemas de créditos malparados que os bancos enfrentam neste momento nos dão uma visão “imaginária” de que os chefes de famílias não têm condições de pagar as dívidas em atraso. E essa realidade é reflexo não só da situação económica que o país atravessa, mas também da falta de planeament­o financeiro e de informação da maioria das famílias. Nestas horas, além de controlar a impulsivid­ade, algumas dicas podem auxiliar a economizar e tornar a vida mais fácil, mesmo em momentos não tão favoráveis. Um planeament­o financeiro, além de auxiliar na educação financeira adequada, também auxilia no orçamento e gestão da própria renda e até criação de poupança. O orçamento familiar deve ser composto por três elementos principais, que são a receita, despesa e investimen­to. As receitas são todos os recursos de dinheiro que entram no 80 BILIÃO É o número de pessoas que se pretende trazer ao sistema financeiro mundial nos próximos tempos 60 50% 50% 50% % 21 % 79 % 28 40 % 35 29% 22% 21% 20 12 15% 0 Conta abertas pelo público em geral Público feminino bancarizad­o Público jovem bancarizad­o Titulares de cartões de débito MILHÕES São os angolanos calculados como os que possuem um telefone móvel, indicador referência para a bancarizaç­ão PREVISÃO DA SUBIDA 2017 2022 O ORÇAMENTO FAMILIAR DEVE SER DISCUTIDO E ACEITE POR TODOS OS INTEGRANTE­S, INCLUSIVE PELAS CRIANÇAS CONTAS DE DINHEIRO MÓVEL/E-KWANZA 15 1,7% POR CENTO É a taxa de 2017 (84.155) de contas móveis abertas ao que se pretende elevar até cinco milhões em 2022 São dos 12 milhões os que usam a internet, sendo que só e apenas um por cento destes faz compras on line orçamento. Existem receitas regulares, que são aquelas recebidas todo mês, como salário, arrendamen­to de imóveis, entre outros. As receitas eventuais, aquelas não recebidas mensalment­e, como décimo terceiro, subsídio de férias e venda de bens. Um orçamento pode ser efectuado numa simples folha de cálculo tipo Excel. Tem d oi s i nd i c ado - r e s f u ndament a i s : o s recebiment­os e os pagamentos. A diferença ent re os dois explicará a variação do saldo bancário da família. O primeiro orçamento de uma família é sempre o mais difícil de elaborar, sobretudo se não existir um resumo do destino que foi dado ao dinheiro nos últimos meses, mas em algum momento terá de começar. É importante referir que o orçamento familiar deve ser discutido e aceite por todos os integrante­s, inclusive as crianças, se possível. O primeiro passo para elaborar um orçamento é avaliar a sua situação actual, ou seja, verificar quais são as categorias onde gasta dinheiro e os rendimento­s que tem. O ideal é que as despesas não ultrapasse­m os rendimento­s. Caso isso esteja a acontecer aconselha-se a tentar equilibrar as suas finanças pessoais. Quanto à periodicid­ade, especialis­tas acreditam que um controle de gastos mensal pode sanar a necessidad­e de acompanham­ento e planeament­o da família. É claro que todo orçamento não é uma tarefa fácil, porém, estas simples estratégia­s, se bem adoptadas podem ajudar as famílias a contornar situações desfavoráv­eis e facilitará também o acúmulo de recursos visando desfrutá-lo futurament­e com viagens, lazer ou a própria aposentado­ria. 836 MIL CONTAS Foram abertas no quadro do programa bankita que mobilizou ao todo 13 bancos dos 26 que actuam no sector PRINTED AND DISTRIBUTE­D BY PRESSREADE­R PressReade­r.com +1 604 278 4604 ORIGINAL COPY . ORIGINAL COPY . ORIGINAL COPY . ORIGINAL COPY . ORIGINAL COPY . ORIGINAL COPY COPYRIGHT AND PROTECTED BY APPLICABLE LAW

© PressReader. All rights reserved.