“An­go­la vai ter um cres­ci­men­to mui­to in­fe­ri­or ao pre­vis­to”

As par­ce­ri­as no sec­tor pe­tro­lí­fe­ro são mul­ti­di­men­si­o­nais e en­vol­vem ac­to­res pri­va­dos e pú­bli­cos e vão con­ti­nu­ar nos vá­ri­os paí­ses pro­du­to­res. O ris­co é o de mui­tos pro­jec­tos se­rem aban­do­na­dos.

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - Yo­la do Car­mo

Oin­ves­ti­ga­dor an­go­la­no e ex-fun­ci­o­ná­rio da Or­ga­ni­za­ção dos Pro­du­to­res e Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (Opep), Flávio Inocêncio, au­tor de li­vros de re­fe­rên­cia so­bre pe­tró­leo, des­cre­ve o ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal fa­ce ao no­vo co­ro­na­ví­rus (Co­vid-19).

Fa­ce ao evo­luir dos efei­tos do no­vo co­ro­na­ví­rus na eco­no­mia, quais são as con­sequên­ci­as pa­ra o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro?

O sec­tor es­tá a ser pro­fun­da­men­te afec­ta­do. A pro­cu­ra mun­di­al por pe­tró­leo caiu significat­ivamente, em es­pe­ci­al na Ásia, que é o mai­or mer­ca­do de cres­ci­men­to pa­ra o cru­de. A pro­cu­ra mun­di­al por pe­tró­leo an­da a vol­ta dos 100 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo por dia. O im­pac­to do co­ro­na­ví­rus no cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a que­da da pro­cu­ra po­de bai­xar es­se va­lor significat­ivamente nes­te tri­mes­tre, de acor­do com o re­la­tó­rio de Mar­ço da Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Energia (AIE), até dois mi­lhões de bar­ris/dia e po­de cair mui­to mais até o fi­nal do ano.

Is­so vai se­gu­ra­men­te me­xer com os pre­ços?

Nes­se ce­ná­rio, os pre­ços de pe­tró­leo, que ho­je são de­ter­mi­na­dos pe­la pro­cu­ra e pe­la ofer­ta, bai­xam significat­ivamente pa­ra um pre­ço mé­dio in­fe­ri­or a 30 dó­la­res e po­dem che­gar a 20 dó­la­res por bar­ril. In­ves­ti­men­tos es­tão a ser adi­a­dos em to­do o mun­do ou es­tão a ser aban­do­na­dos, fa­ce à que­da sig­ni­fi­ca­ti­va do pre­ço de pe­tró­leo. Além dis­so, as­sis­ti­mos a uma guer­ra por re­cu­pe­ra­ção de quo­ta de mer­ca­do en­tre a Rús­sia e a Ará­bia Sau­di­ta (lí­der de fac­to da OPEP), o que au­men­ta as pres­sões do la­do da ofer­ta.

Com a que­da dos cus­tos, o que mu­da?

Sem um pre­ço al­to do pe­tró­leo, não há in­cen­ti­vos pa­ra in­ves­ti­men­tos no sec­tor, is­to nu­ma in­dús­tria que re­quer ca­pi­tal in­ten­si­vo. A in­dús­tria de pe­tró­leo de xis­to (sha­le) nos EUA es­tá a ser afec­ta­da, já que não con­se­gue so­bre­vi­ver com pre­ços de pe­tró­leo a an­dar por vol­ta dos 30 dó­la­res. Exis­tem pro­ble­mas de fi­nan­ci­a­men­to, já que mui­tos des­ses pro­du­to­res in­de­pen­den­tes nos EUA nun­ca de­ram lu­cro e fi­nan­ci­a­ram as su­as ac­ti­vi­da­des com re­cur­so à dí­vi­da pro­vi­den­ci­a­da pe­lo sec­tor fi­nan­cei­ro. Se os pre­ços se man­ti­ve­rem as­sim até o fi­nal do ano, a pro­du­ção de xis­to po­de cair significat­ivamente, de acor­do com as prin­ci­pais con­sul­to­ras in­ter­na­ci­o­nais.

Es­sa re­a­li­da­de tam­bém apli­ca-se aos pro­du­to­res “offsho­re”?

Em pro­jec­tos pe­tro­lí­fe­ros con­ven­ci­o­nais, te­mos pro­ble­mas se­me­lhan­tes, par­ti­cu­lar­men­te em pro­du­to­res mar­gi­nais e pro­du­to­res com cus­tos ele­va­dos. É o ca­so do “offsho­re” an­go­la­no, on­de o cus­to mé­dio por bar­ril é mui­to su­pe­ri­or ao dos es­ta­dos do Gol­fo. As em­pre­sas pres­ta­do­ras de ser­vi­ço es­tão a en­fren­tar gran­des pro­ble­mas tam­bém, re­sul­ta­do da in­cer­te­za no mer­ca­do pe­tro­lí­fe­ro, com con­tra­tos adi­a­dos ou can­ce­la­dos pe­las ope­ra­do­ras pe­tro­lí­fe­ras e mui­tas po­dem fi­car in­sol­ven­tes, de acor­do com a Rys­tad Energy, uma das prin­ci­pais con­sul­to­ras in­ter­na­ci­o­nais do sec­tor.

Tu­do fi­ca adi­a­do?

Co­mo re­fe­ri an­te­ri­or­men­te, mui­tos pro­jec­tos pe­tro­lí­fe­ros es­tão a ser adi­a­dos ou aban­do­na­dos pe­las em­pre­sas pro­du­to­res de pe­tró­leo por­que nes­te mo­men­to são eco­no­mi­ca­men­te viá­veis. Não por fal­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de ge­o­ló­gi­ca - há re­cur­sos por ex­plo­rar, in­cluin­do em An­go­la -, mas em fun­ção da in­cer­te­za so­bre o pre­ço do pe­tró­leo e a que­da da pro­cu­ra que se avi­zi­nha. A in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra es­tá tam­bém a adop­tar pla­nos de efi­ci­ên­cia, co­mo fez no pe­río­do en­tre 2014-2016 (pe­río­do de pre­ços bai­xos), an­tes do acor­do his­tó­ri­co da OPEP +12, in­cluin­do a Rús­sia, que per­mi­tiu a re­ti­ra­da do “ex­ces­so” de pe­tró­leo no mer­ca­do. Es­tes pla­nos de efi­ci­ên­cia e re­es­tru­tu­ra­ção vão in­cluir, in­fe­liz­men­te ,des­pe­di­men­tos, re­for­mas an­te­ci­pa­das e em­pre­sas com pla­nos me­nos am­bi­ci­o­sos glo­bal­men­te.

Que paí­ses pro­du­to­res já fo­ram afec­ta­dos?

Não há país pro­du­tor que não se­ja afec­ta­do num mer­ca­do on­de o pre­ço do cru­de é de­ter­mi­na­do glo­bal­men­te e é o pre­ço do cru­de que, fun­da­men­tal­men­te, de­ter­mi­na a de­ci­são fi­nal de in­ves­tir num pro­jec­to pe­tro­lí­fe­ro, co­nhe­ci­do co­mo Fi­nal In­vest­ment De­ci­si­on (FID) por par­te de uma pe­tro­lí­fe­ra.

TE­MOS DE ES­TAR PRE­PA­RA­DOS PA­RA O IM­PAC­TO E PA­RA O PI­OR CE­NÁ­RIO, POIS, ES­TE PO­DE­RÁ SER PA­RA AN­GO­LA O PI­OR DOS ÚL­TI­MOS 18 ANOS

Faz sen­ti­do con­ti­nu­a­rem as par­ce­ri­as en­tre os paí­ses?

As par­ce­ri­as no sec­tor pe­tro­lí­fe­ro são mul­ti­di­men­si­o­nais e en­vol­vem ac­to­res pri­va­dos e pú­bli­cos e vão con­ti­nu­ar nos vá­ri­os paí­ses pro­du­to­res. O ris­co, co­mo men­ci­o­na­mos, é o de mui­tos pro­jec­tos pla­ne­a­dos se­rem adi­a­dos e mui­tos pro­jec­tos se­rem aban­do­na­dos, em­bo­ra pa­ra ope­ra­ções em cur­so es­te ris­co ser me­nor.

No ca­so de An­go­la, co­mo acha que o mer­ca­do es­tá a en­fren­tar es­te ce­ná­rio?

No ca­so de An­go­la, te­re­mos uma si­tu­a­ção mui­to se­me­lhan­te a que ocor­reu en­tre 2014-2016 . A in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra em An­go­la se­rá for­ça­da a adi­ar fu­tu­ros pro­jec­tos e vai ser for­ça­da a im­ple­men­tar pla­nos de re­es­tru­tu­ra­ção, o que vai afec­tar o em­pre­go no sec­tor. O adi­a­men­to des­ses pro­jec­tos vai au­men­tar o rá­cio, re­ser­vas pa­ra pro­du­ção (R/P ra­tio) e au­men­tar ain­da o de­clí­nio na­tu­ral da nos­sa pro­du­ção.

Is­to vai ter efei­tos mui­to ne­ga­ti­vos pa­ra o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do que tem co­mo ba­se 55 dó­la­res o bar­ril. Po­de­mos en­trar nu­ma si­tu­a­ção mui­to di­fí­cil e no pi­or ce­ná­rio, po­de­mos ter um “de­fault”. Um no­vo res­ga­te in­ter­na­ci­o­nal não de­ve ser pos­to de par­te por par­te do Exe­cu­ti­vo. São as re­cei­tas de ex­por­ta­ção de pe­tró­leo que tam­bém per­mi­tem An­go­la acu­mu­lar re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das e is­so é es­sen­ci­al pa­ra um país que im­por­ta qua­se tu­do o que con­so­me, in­cluin­do bens de con­su­mo es­sen­ci­al. Por is­so, te­re­mos tam­bém uma ta­xa de câm­bio afec­ta­da e se­re­mos for­ça­dos a des­va­lo­ri­zar.

Is­to sig­ni­fi­ca a re­du­ção da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca?

Há uma cor­re­la­ção mui­to gran­de en­tre o pre­ço do pe­tró­leo e o PIB an­go­la­no, o que sig­ni­fi­ca que uma que­da do pre­ço do cru­de le­va a uma re­du­ção do PIB. An­go­la con­ti­nua uma eco­no­mia “pe­tro­de­pen­den­te” e, co­mo tal, te­re­mos um cres­ci­men­to mui­to in­fe­ri­or ao pre­vis­to. An­tes do im­pac­to do co­ro­na­ví­rus e da guer­ra de re­cu­pe­ra­ção por quo­ta de mer­ca­do en­tre a Ará­bia Sau­di­ta e a Rús­sia, já se apon­ta­va pa­ra um cres­ci­men­to ne­ga­ti­vo an­go­la­no pa­ra 2020 (no quar­to ano con­se­cu­ti­vo). De­pois des­te du­plo im­pac­to, te­re­mos po­ten­ci­al­men­te um cres­ci­men­to mui­to in­fe­ri­or e atre­vo-me a di­zer que es­te po­de­rá ser o pi­or ano pa­ra An­go­la dos úl­ti­mos 18 anos. Te­mos de es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra o im­pac­to e pa­ra o pi­or ce­ná­rio.

Con­sequên­ci­as...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.