An­dré Mi­guel, um jo­vem à pro­cu­ra da pros­pe­ri­da­de

An­dré Ma­ti­as é dos pou­cos jo­vens que con­se­guiu mon­tar um negócio com mui­to es­for­ço e de­ter­mi­na­ção, ti­ra ren­di­men­tos e em­pre­ga ou­tros con­tri­buin­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co da so­ci­e­da­de

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - An­tó­nio Eu­gé­nio

Per­sis­tir, ga­nhar e ven­cer é o tri­nó­mio de pen­sa­men­to do jo­vem An­dré Mi­guel. Pre­ten­de atin­gir uma in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra. De­pen­der de ter­cei­ros, nem pen­sar!

Con­ta que te­ve uma ex­pe­ri­ên­cia amar­ga no pas­sa­do. Foi hu­mi­lha­do e des­pre­za­do de­pois de es­tar de­sem­pre­ga­do. Daí em di­an­te, o so­nho era mar­char pa­ra con­quis­tar no­vas vi­tó­ri­as por con­ta pró­pria.

Tra­ba­lhou co­mo aju­dan­te de obras e com os pou­cos re­cur­sos pou­pa­dos ar­re­ga­çou as man­gas pa­ra no­vas ba­ta­lhas.

Os va­lo­res ar­re­gi­men­ta­dos ser­vi­ram pa­ra com­prar uma ve­lha mo­to de três ro­das, a fa­mo­sa “Avô veio”, que ser­viu de pon­to de par­ti­da. Ao to­do, in­ves­tiu 150 mil kwanzas.

Foi as­sim, que mon­tou o seu negócio. No iní­cio, a fac­tu­ra era ali­ci­an­te pa­ra mar­car os pri­mei­ros pas­sos na no­va aven­tu­ra. A fac­tu­ra mé­dia diá­ria che­ga­va aos 12 mil kwanzas. A fas­quia se­ma­nal es­tá fi­xa­da em 60 mil, en­quan­to a men­sal é de 240 mil.

Em­pol­ga­do e fru­to das pou­pan­ças ad­qui­ri­das, com­prou uma ou­tra mo­to, mas em mau es­ta­do téc­ni­cos.

Pa­ra man­ter de pé a no­va aqui­si­ção, era ne­ces­sá­rio um no­vo mo­tor que ha­via com­pra­do no mer­ca­do do km 30.

Di­a­ri­a­men­te, en­cai­xa a mes­ma 12 mil kwanzas e aos pou­cos co­me­ça a dar uma cer­ta “fol­ga” fi­nan­cei­ra à fa­mí­lia.

Pas­sa­dos seis me­ses, as con­di­ções fi­nan­cei­ras es­ta­vam to­tal­men­te cri­a­das pa­ra ob­ter um ou­tro meio. O em­pre­en­de­dor es­tá im­pa­rá­vel. Os ven­tos do su­ces­so so­pram a seu fa­vor.

Res­pon­sa­bi­li­da­de

Apa­ren­te­men­te a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo bom tra­ba­lho e ges­tor exi­gen­te, se­gun­do os co­le­gas de tra­ba­lho, es­tão na ba­se de as­cen­são do jo­vem em­pre­en­de­dor.

De­pois de um ano de tra­ba­lho e boa ges­tão, An­dré Mi­guel con­se­guiu jun­tar uma fro­ta de qua­tro mo­to­ri­za­das de três ro­das, que

RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE, GES­TÃO RI­GO­RO­SA E DE­DI­CA­ÇÃO ES­TÃO NA BA­SE DO SEU SU­CES­SO

men­sal­men­te lhe per­mi­te en­cai­xar 720 mil kwanzas.

Co­mo qu­em so­nha al­can­ça, com o di­nhei­ro ga­nho, com­prou um ter­re­no on­de co­me­çou há já al­gum tem­po a er­guer a sua ha­bi­ta­ção.

Ex­pan­são

Com um su­ces­so ga­ran­ti­do, o jo­vem em­pre­en­de­dor já pen­sa alar­gar o negócio pa­ra ou­tros pon­tos de Lu­an­da. A in­ten­são é fac­tu­rar mais, ade­rir a ou­tros ni­chos e pro­por­ci­o­nar em­pre­gos.

Den­tro de pou­co tem­po, pre­ten­de ad­qui­rir dois tu­ris­mos pa­ra pres­tar ser­vi­ço de ta­xi nas cen­tra­li­da­des do Ki­lam­ba e KK 5000. A in­ten­ção é aju­dar o go­ver­no na re­du­ção do de­sem­pre­go.

“So­mos jo­vens com mui­ta vi­da pa­ra fren­te. É im­por­tan­te que to­dos nós con­tri­bu­a­mos pa­ra o cres­ci­men­to do país, so­bre­tu­do na re­du­ção do de­sem­pre­go. Não va­le pen­sar que al­gu­ma coi­sa caia do céu ”, dis­se.

A pas­te­la­ria é ou­tra área que o em­pre­en­de­dor pre­ten­de in­ves­tir. Pa­ra o efei­to es­tá a cons­truir um pe­que­no es­ta­be­le­ci­men­to, nas pro­xi­mi­da­des da sua re­si­dên­cia.

Pa­ra dar con­sis­tên­cia ao pro­jec­to, dois mem­bros da fa­mí­lia es­tão nes­te mo­men­to a fre­quen­tar uma ac­ção for­ma­ti­va no ra­mo, nu­ma es­co­la.

An­dré Mi­guel con­si­de­ra que, os bancos co­mer­ci­ais de­vem in­cre­men­tar a as­sis­tên­cia de cré­di­tos ban­cá­ri­os aos pe­que­nos in­ves­ti­do­res.

Três mo­to­ri­za­das ao ser­vi­ço de um pe­que­no em­pren­de­dor na zo­na do Ben­fi­ca

An­dré Mi­guel Em­pre­en­de­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.