Ope­ra­do­ras po­dem re­a­jus­tar pre­ços das ta­ri­fas

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - An­tó­nio Eu­gé­nio

A evo­lu­ção da fac­tu­ra­ção e co­bran­ça das em­pre­sas pú­bli­cas, quer no ra­mo eléc­tri­co, quer no das águas, não obs­tan­te o au­men­to da ofer­ta, ain­da não tem si­do da mes­ma pro­por­ção, o que co­lo­ca um gran­de de­sa­fio pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de dos dois sub­sec­to­res, is­to por­que hou­ve cor­te de sub­sí­di­os do Es­ta­do, o que tem acar­re­ta­do cus­tos ope­ra­ci­o­nais ele­va­dos às em­pre­sas des­te seg­men­to.

Éma­nhã de sá­ba­do e já pas­sa­vam pou­cos mi­nu­tos das 09 h00. Aos pou­cos, mui­ta gen­te vai afluin­do às ins­ta­la­ções da En­de (Em­pre­sa de Dis­tri­bui­ção de Elec­tri­ci­da­de), na cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, em Lu­an­da. Ape­sar do pou­co mo­vi­men­to, os cli­en­tes que pro­cu­ra­vam os ser­vi­ços, pa­ga­vam uns em “ca­ch” (di­nhei­ro vi­vo), ou­tros com o car­tão de cré­di­to.

À par­ti­da, as re­cla­ma­ções são unâ­ni­mes, pois, to­dos es­ta­vam in­sa­tis­fei­tos com a pres­ta­ção da En­de. Nin­guém per­ce­bia se a di­fi­cul­da­de es­ta­va nos con­ta­do­res, no imposto a pa­gar ou no fac­to de se ter au­men­ta­do o cus­to de ca­da qui­lowatts. O cer­to é que ca­da um di­zia que a “al­gi­bei­ra” es­tá a fi­car va­zia pa­ra o mo­men­to que o país vi­ve. E, tam­bém, pe­lo cur­to tem­po que du­ra a re­car­ga.

Agas­ta­da, uma se­nho­ra, iden­ti­fi­ca­da pe­lo no­me de Do­ro­teia, cai aos pran­tos com os fun­ci­o­ná­ri­os da agên­cia. Aos gri­tos, diz que vi­ve no seu apar­ta­men­to ape­nas com du­as pes­so­as e os gas­tos com energia são mui­to ele­va­dos, se com­pa­ra­do com o que ocor­ria an­tes do ajus­te de pre­ços.

“Com­prei uma re­car­ga de 10 mil kwanzas e só mo­ra­mos du­as pes­so­as em ca­sa. An­tes po­dia du­rar qua­tro me­ses. Co­mo é que ho­je aca­ba em du­as se­ma­nas?”, in­ter­ro­ga-se.

Ao de­ta­lhe, a bal­co­nis­ta es­cla­re­ce co­mo o sis­te­ma fun­ci­o­na ac­tu­al­men­te. Se­gun­do ela, não hou­ve su­bi­da de pre­ço da re­car­ga. O que acon­te­ceu foi re­du­zir a uni­da­de do qui­lowatts (Kw).

Se­gun­do con­ta, uma re­car­ga de qua­tro mil kwanzas, que an­te­ri­or­men­te car­re­ga­va 50 Kw, ago­ra ser­ve pa­ra ape­nas me­ta­de. Is­to im­pli­ca que pa­ra ter os 50 Kw o cli­en­te tem ago­ra de pa­gar oi­to mil kwanzas, com IVA in­cluí­do.

Ou­tro cli­en­te ao la­do, iden­ti­fi­ca­do por Jor­ge, com­pra uma re­car­ga de se­te mil kwanzas, pa­ra aguen­tar as ne­ces­si­da­des da ca­sa. In­sis­ten­te­men­te, re­cla­ma que “is­to é um as­sal­to ao bol­so do cli­en­te, que já ga­nha pou­co e vo­cês ain­da aca­bam por ti­rar o pou­co que a pes­soa tem. Há di­as, com­prei uma re­car­ga de 5 mil kwanzas e ho­je es­tou aqui pa­ra com­prar no­va­men­te. Que coi­sa...”

Ou­tra jo­vem par­ti­lha a mes­ma opi­nião e põe em dú­vi­da a se­ri­e­da­de do ser­vi­ço pres­ta­do pe­la En­de. A jo­vem re­al­ça que a me­di­da foi ape­nas pa­ra be­ne­fi­ci­ar a saú­de fi­nan­cei­ra da em­pre­sa que, em con­tra­par­ti­da, agra­vou a con­di­ção so­ci­al do ci­da­dão.

Água es­tá mais ca­ra

Os va­lo­res na co­bran­ça dos ser­vi­ços da dis­tri­bui­ção da água são ain­da mais du­vi­do­sos. Os con­su­mi­do­res têm os ner­vos “à flor da pe­le”, sem­pre que se de­pa­ram com uma fac­tu­ra da Epal.

Ape­sar de a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Água (Epal) ale­ga­da­men­te ter anun­ci­a­do que ter­mi­nou com a co­bran­ça por es­ti­ma­ti­va, fac­tos mos­tram que tu­do não pas­sou de um “fal­so alar­me”.

Em to­das as cen­tra­li­da­des, o ce­ná­rio re­pe­te-se. Os téc­ni­cos dei­xa­ram de fa­zer lei­tu­ra dos con­ta­do­res e to­das as fac­tu­ras são for­ne­ci­das por es­ti­ma­ti­va, com o agra­van­te de al­guns pa­ga­rem mais di­nhei­ro nos me­ses em que fi­cam au­sen­tes das re­si­dên­ci­as.

Cli­en­tes con­fir­mam que a Epal man­tém a prá­ti­ca, ain­da que re­ve­lam exis­tir uma li­gei­ra re­du­ção dos va­lo­res apli­ca­dos na fa­se an­te­ri­or.

Al­guns, di­zem que ho­je pa­gam uma mé­dia de 10 mil kwanzas por mês, quan­do an­tes a es­ti­ma­ti­va cus­ta­va 1.800 kwanzas.

Den­tro da lo­ja da Epal, tam­bém na cen­tra­li­da­de o Ki­lam­ba, foi en­con­tra­do um ci­da­dão a re­cla­mar o va­lor in­se­ri­do na sua fac­tu­ra. O mes­mo di­zia que o mon­tan­te es­ti­ma­do pe­la Epal “foi mal fei­to”, ao mes­mo tem­po que ape­la­va pe­la in­tro­du­ção ur­gen­te do sis­te­ma pré-pa­go.

Há re­la­tos que na cen­tra­li­da­de do Se­que­le, em Ca­cu­a­co, as co­bran­ças che­gam a ba­ter uma fas­quia de 15 mil kwanzas, em al­guns ca­sos, por cau­sa da ale­ga­da co­bran­ça por es­ti­ma­ti­va.

A Epal in­tro­du­ziu ino­va­ções no sis­te­ma de pa­ga­men­to. A par­tir da ope­ra­do­ra de te­le­fo­nia mó­vel, é en­ca­mi­nha­da ao cli­en­te, por SMS, o re­ce­bi­do de um de­ter­mi­na­do ser­vi­ço. O “di­le­ma” re­si­de no va­lor que cons­ta no re­ci­bo, qua­se sem­pre re­cla­ma­dos pe­los con­su­mi­do­res.

DR

Nas lo­jas da Epal são vi­sí­veis as en­chen­tes dos cli­en­tes pa­ra pa­gar as con­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.