Pe­tró­leo bai­xa e so­be mais três por cen­to

Eco­no­mi­as for­te­men­te de­pen­den­tes do pe­tró­leo, co­mo é o ca­so de An­go­la, po­dem es­tar sob enor­mes di­fi­cul­da­des

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - Vâ­nia Iná­cio

O brent, o pro­du­to de re­fe­rên­cia pa­ra ex­por­ta­ção de An­go­la, es­te­ve a ser ne­go­ci­a­do até às 18 ho­ras de on­tem a 25,08 dó­la­res por bar­ril, quan­do na ma­nhã do mes­mo dia, a ra­ma che­gou a cus­tar 22 dó­la­res.

DE­VE­MOS TER FÉ QUE A RE­CU­PE­RA­ÇÃO DO PRE­ÇO OCOR­RA QUAN­TO AN­TES, ATÉ AO LI­MI­TE ESTABELECI­DO NA PRO­POS­TA DO OGE 2020

O mer­ca­do pe­tro­lí­fe­ro nun­ca mais se­rá o mes­mo se o Co­vid19 per­sis­tir. Os paí­ses pro­du­to­res, co­mo é o ca­so de An­go­la, po­dem es­tar sob enor­mes di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, ali­men­tan­do pres­sões so­ci­ais.

Os fu­tu­ros do pe­tró­leo on­tem (quin­ta-fei­ra) até ao fi­nal do dia eram ne­go­ci­a­dos em al­ta a 25,08 dó­la­res, em com­pa­ra­ção com os 22 co­ta­dos na ma­nhã do do mes­mo dia.

Os ga­nhos são pro­va­vel­men­te ape­nas tem­po­rá­ri­os, en­quan­to me­di­das in­tro­du­zi­das pa­ra com­ba­ter a pan­de­mia de co­ro­na­ví­rus pro­va­vel­men­te te­rão um drás­ti­co im­pac­to na de­man­da glo­bal.

A de­ci­são do Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu em com­prar títulos pa­ra apoi­ar as eco­no­mi­as eu­ro­pei­as, num va­lor de 750 bi­lhões de euros, te­rão de igual mo­do in­flu­en­ci­a­do na su­bi­da.

Di­an­te de tal pers­pec­ti­va, o eco­no­mis­ta Car­los Go­mes afir­mou que a os­ci­la­ção do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal mos­tra, uma vez mais, quão vo­lá­til é a cur­va dos pre­ços des­ta ma­té­ria-pri­ma, por su­jei­tar-se aos ca­pri­chos po­lí­ti­cos e fi­nan­cei­ros das gran­des po­tên­ci­as mun­di­ais, co­mo o de­mons­tra­ram ago­ra a Ará­bia Sau­di­ta e a Rús­sia.

Car­los Go­mes deu con­ta que a im­pren­sa ao ser­vi­ço das po­tên­ci­as a ní­vel pla­ne­tá­rio de­sem­pe­nham um pa­pel tão for­te que aba­lam as bol­sas e ar­ruí­nam os paí­ses mais fra­cos, sem pa­pel ne­nhum de in­fluên­cia nes­se “xa­drez”, co­mo o é o nos­so ca­so.

“A que­bra es­tron­do­sa do pre­ço do pe­tró­leo apa­nhou de sur­pre­sa to­das as pro­jec­ções que, mes­mo num con­tex­to con­ser­va­dor, aca­ba por cair cer­ca de 30 dó­la­res por bar­ril, ou se­ja, de 55 dó­la­res pa­ra 25 dó­la­res.

Re­la­ti­va­men­te a uma even­tu­al re­vi­são do OGE, o eco­no­mis­ta é de opi­nião que se de­ve en­ca­rar is­so co­mo uma pos­si­bi­li­da­de que po­de­rá ou não ocor­rer em fun­ção da ob­ser­va­ção que o fe­nó­me­no me­re­ce nos quin­ze pró­xi­mos di­as.

Se­gun­do Car­los Go­mes, por se tra­tar de uma si­tu­a­ção que es­tá as­so­ci­a­da à pan­de­mia do Co­vid19, é ex­pec­tá­vel que a sua re­cu­pe­ra­ção de­pen­da mais do de­be­lar des­sa pan­de­mia do que do ca­pri­cho que es­te­ve sub­ja­cen­te na sua que­da brus­ca, com o anún­cio da inun­da­ção de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

“De­ve­mos ter fé que a re­cu­pe­ra­ção do pre­ço ocor­ra quan­to an­tes, até ao li­mi­te estabeleci­do na pro­pos­ta do OGE 2020, ou se­ja, 55 dó­la­res por bar­ril, evi­tan­do as­sim a re­vi­são em bai­xa do OGE que teria im­pli­ca­ções nas me­tas e pro­gra­mas con­du­cen­tes à me­lho­ria das con­di­ções de vi­da das fa­mí­li­as an­go­la­nas”, con­cluiu.

Exe­cu­ti­vo de­ve pen­sar na re­vi­são or­ça­men­tal

O eco­no­mis­ta Fer­nan­do Vun­ge ape­la ao Exe­cu­ti­vo a pen­sar já na re­vi­são or­ça­men­tal, ten­do em aten­ção que o pre­ço de 55 dó­la­res o brent, a re­fe­rên­cia do ac­tu­al Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE), co­me­ça a fi­car com­ple­men­tar­men­te de­sa­jus­ta­do à re­a­li­da­de.

In­ter­ro­ga­do so­bre o que o Es­ta­do de­ve fa­zer pa­ra di­mi­nuir o im­pac­to de um pos­sí­vel agra­va­men­to da cri­se, o eco­no­mis­ta dis­se que os ma­nu­ais da te­o­ria eco­nó­mi­ca re­co­men­dam a di­ver­si­fi­ca­ção da es­tru­tu­ra eco­nó­mi­ca co­mo me­di­da mais acer­ta­da, ten­do em con­ta as cons­ta­ta­ções ve­ri­fi­ca­das nos paí­ses mo­no-pro­du­to­res e mo­no-ex­por­ta­do­res que fi­cam re­féns às os­ci­la­ções do pre­ço do pe­tró­leo nos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais.

“Pa­ra o ca­so da eco­no­mia an­go­la­na, é mais que evi­den­te que o país é ex­ces­si­va­men­te de­pen­den­te do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, pe­lo fac­to de con­tri­buir, em mé­dia, com 50 por cen­to do PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to) an­go­la­no, qua­se 70 das re­cei­tas fis­cais e mais de 90 por cen­to das su­as ex­por­ta­ções”, re­fe­riu Fer­nan­do Vun­ge.

O eco­no­mis­ta re­al­çou que as prin­ci­pais me­di­das de po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, pa­ra di­ver­si­fi­car a es­tru­tu­ra eco­nó­mi­ca de An­go­la, têm cons­ta­do em to­dos os pro­gra­mas eco­nó­mi­cos, com mai­or re­al­ce a par­tir de 2004. “No en­tan­to, es­sas po­lí­ti­cas bem gi­za­das, no âm­bi­to teó­ri­co, nun­ca fo­ram de­vi­da­men­te exe­cu­ta­das, co­mo se com­pro­vou em 2014, ten­do pro­vo­ca­do uma pro­fun­da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra”, su­bli­nhou.

Por is­so, acon­se­lhou, “en­co­ra­jo o Exe­cu­ti­vo a acom­pa­nhar, com mui­ta aten­ção, es­te pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção, sob pe­na de es­tar­mos cons­tan­te­men­te a mer­cê das os­ci­la­ções do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal”.

Quan­to à ne­ces­si­da­de de se re­ver o OGE, dis­se que, con­si­de­ran­do que os pre­ços de re­fe­rên­cia do pe­tró­leo são pre­ços fu­tu­ros, em que os seus efei­tos co­me­çam a sen­tir-se a par­tir dos dois me­ses, “creio que nes­te mo­men­to ain­da não há ne­ces­si­da­de de re­ver-se o or­ça­men­to”.

Fer­nan­do Vun­ge Eco­no­mis­ta

Car­los Go­mes Eco­no­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.