Go­ver­no de­ve cri­ar pla­no de emer­gên­cia ali­men­tar

O ob­jec­ti­vo vi­sa su­prir even­tu­al ca­rên­cia de ali­men­tos que têm si­do im­por­ta­dos do ex­te­ri­or em paí­ses afec­ta­dos pe­lo co­ro­na­ví­rus, mas não há ain­da qual­quer si­nal de ori­en­ta­ções que ve­nham a acon­te­cer por par­te das au­to­ri­da­des an­go­la­nas

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - Ma­teus Ca­vum­bo

Es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos ou­vi­dos pe­lo JE ape­la­ram ao Go­ver­no a cri­ar pla­nos de emer­gên­cia pa­ra que pos­sa acu­dir a ca­rên­ci­as, em ca­so de não en­tra­da de bens de paí­ses afec­ta­dos pe­lo co­vid-19.

O GO­VER­NO DE­VE RE­VER AS PO­LÍ­TI­CAS DE PRO­DU­ÇÃO NA­CI­O­NAL E CRI­AR NO­VAS CA­DEI­AS DE LO­GÍS­TI­CA

SE­RÁ NE­CES­SÁ­RIO FA­ZER UMA RE­VI­SÃO AO PLA­NO PREVISIONA­L DE RE­CEI­TAS E DES­PE­SAS DO GO­VER­NO

O ES­TA­DO JÁ TERIA QUE CRI­AR INFRAESTRU­TURAS QUE PERMITISSE­M O ESCOAMENTO DE BENS E SER­VI­ÇOS

O PRO­BLE­MA

É QUE NÃO TE­MOS PO­LÍ­TI­CAS FOR­TES E CA­PA­ZES DE RES­POS­TA A SI­TU­A­ÇÕES EMERGENCIA­IS

Vá­ri­o­ses­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos, con­tac­ta­dos pe­lo Jor­nal de Eco­no­mia &

Fi­nan­ças, ape­la­ram ao Go­ver­no a cri­ar pla­nos de emer­gên­cia ali­men­tar, em ca­so de sus­pen­são da en­tra­da e saí­da de mer­ca­do­ri­as de­vi­do ao Co­vid-19. Ca­so a do­en­ça se pro­lon­gue por mais tem­po, o Exe­cu­ti­vo se­rá for­ça­do a fa­zer res­tri­ções na im­por­ta­ção de bens, mas é um ce­ná­rio que ain­da não cons­ta das pre­ten­sões go­ver­na­ti­vas, a tes­tar pe­lo co­mu­ni­ca­do tor­na­do pú­bli­co na quar­ta-fei­ra pe­los Ser­vi­ços de Apoio à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. O De­cre­to Le­gis­la­ti­vo Pre­si­den­ci­al Pro­vi­só­rio de­ter­mi­na a sus­pen­são a par­tir das ze­ro ho­ras do dia 20 de Mar­ço de 2020, dos vo­os co­mer­ci­ais e pri­va­dos de pas­sa­gei­ros de An­go­la pa­ra o ex­te­ri­or e vi­ce-ver­sa por 15 di­as, pror­ro­gá­veis por igual pe­río­do de tem­po, em fun­ção do com­por­ta­men­to glo­bal da pan­de­mia do CO­VID-19. A me­di­da é ex­ten­si­va pa­ra os por­tos na­ci­o­nais, ten­do si­do in­ter­di­ta­da a atra­ca­gem e o de­sem­bar­que de na­vi­os de pas­sa­gei­ros e res­pec­ti­vas tri­pu­la­ções, pro­ve­ni­en­tes do ex­te­ri­or do país. Quer a ní­vel ae­ro­por­tuá­rio, quer a ní­vel por­tuá­rio, não hou­ve res­tri­ções na mo­vi­men­ta­ção de car­gas, nem aque­les que se­jam in­dis­pen­sá­veis por ra­zões hu­ma­ni­tá­ri­as ou que es­te­jam ao ser­vi­ço da exe­cu­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na de An­go­la.

Re­a­ções

Re­a­gin­do a es­sas me­di­das pro­vi­só­ri­as, o do­cen­te uni­ver­si­tá­rio, Ma­nu­el João Quin­dai, dis­se que o país pre­ci­sa de es­tra­té­gi­as de lo­gís­ti­cas em vá­ri­as ver­ten­tes, in­cluin­do a do cam­po em­pre­sa­ri­al da saú­de.

Lo­go, com a pro­du­ção na­ci­o­nal em gran­de es­ca­la, fa­ci­li­ta­ria o Go­ver­no e não fa­ria mais re­cu­ros a im­por­ta­ção de bens.

O tam­bém pro­fes­sor pe­la Uni­ver­si­da­de Je­an Pi­a­get de An­go­la, do De­par­ta­men­to de Eco­no­mia e Ges­tão, su­ge­re ao Go­ver­no a re­ver as po­lí­ti­cas de pro­du­ção na­ci­o­nal e cri­ar ca­dei­as de lo­gís­ti­ca (En­tre­pos­to Co­mer­ci­al) e não in­sis­tir em en­tre­pos­tos adu­a­nei­ros. O mo­de­lo fun­ci­o­na em paí­ses do Mer­co­sul, on­de os em­pre­sá­ri­os no sec­tor agrí­co­la e das pes­cas, for­ne­cem os pro­du­tos vin­dos do cam­po aos re­fe­ri­dos en­tre­pos­tos de ca­da lo­ca­li­da­de e ca­be às gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais ou mer­ca­dos co­mer­ci­ais fa­ze­rem a aqui­si­ção de bens nes­ses lo­cais.

O pla­no emer­gen­ci­al ali­men­tar é cru­ci­al pa­ra o país, nu­ma al­tu­ra em que o mun­do fe­cha-se de­vi­do ao im­pac­to do Co­vid-19, adi­ci­o­na­do ao fac­to de o país im­por­tar qua­se de tu­do, se­gun­do po­si­ção de Hi­lá­rio Gau­dên­cio Jo­sé, for­ma­do em Con­ta­bi­li­da­de e Ad­mi­nis­tra­ção em An­go­la.

Pa­ra ele, o Es­ta­do de­ve ve­lar cri­ar in­fra-es­tru­tu­ras que permitisse­m o escoamento de bens e ser­vi­ços. Hi­lá­rio Jo­sé é de opi­nião a cri­a­ção de um fun­do es­pe­ci­al de fo­men­to pa­ra con­ce­der cré­di­to aos pe­que­nos in­ves­ti­do­res das in­dús­tri­as ali­men­ta­res, de mo­do a que es­ses pos­sam ti­rar os pro­du­tos do cen­tro de de­pó­si­tos ali­men­tar pa­ra a trans­for­ma­ção in­dus­tri­al.

Já Is­ra­el Abi­as, pro­fes­sor de Fis­ca­li­da­de, o Go­ver­no pre­ci­sa de acau­te­lar a si­tu­a­ção do Co­vid19, pois um pla­no emer­gen­ci­al ali­men­tar le­va­ria o Es­ta­do a pro­ver os ali­men­tos bá­si­cos, co­la­bo­ran­do com o sec­tor em­pre­sa­ri­al pa­ra dar res­pos­ta ao mo­men­to opor­tu­no. Com a si­tu­a­ção do Co­vid-19, as tran­sac­ções co­mer­ci­ais a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal es­tão com­pro­me­ti­das, pe­lo que se de­ve olhar se­ri­a­men­te pa­ra a eco­no­mia lo­cal com olhos op­ti­mis­tas.

“O nos­so gran­de pro­ble­ma é que não te­mos po­lí­ti­cas for­tes e ca­pa­zes de res­pos­ta a si­tu­a­ções emergencia­is. Es­ta­mos a lu­tar pa­ra sair de uma cri­se in­fe­liz­men­te sur­ge ou­tra”. Por úl­ti­mo, o eco­no­mis­ta Au­gus­to Fer­nan­des con­si­de­ra ine­xis­ten­te um pla­no de emer­gên­cia eco­nó­mi­co, e a me­lhor for­ma de des­pis­tar a pan­de­mia, é li­mi­tar a li­vre cir­cu­la­ção in­ter­na­ci­o­nal de pes­so­as e bens em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. O úni­co si­nal de ela­bo­ra­ção de re­vi­são do OGE es­tá re­la­ci­o­na­do com o dis­cur­so da se­ma­na pas­sa­da do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, quan­do fa­la­va na aber­tu­ra do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, na ne­ces­si­da­de da re­vi­são da pro­jec­ção eco­nó­mi­ca de 2020.

MOTA AMBRÓSIO | EDI­ÇÕES NOVEMBRO

João Lou­ren­ço de­ter­mi­nou a in­ter­di­ção da en­tra­da de pes­so­as a An­go­la

Hi­lá­rio Gau­dên­cio Jo­sé For­ma­do em Con­ta­bi­li­da­de e Ad­mi­nis­tra­ção

Is­ra­el Cas­so­ma Abi­as Pro­fes­sor de Fis­ca­li­da­de

Ma­nu­el João Quin­dai Pro­fes­sor de Con­ta­bi­li­da­de e Au­di­to­ria

Au­gus­to Fer­nan­des Eco­no­mis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.