Pers­pec­ti­vas re­gu­la­tó­ri­as glo­bais e ris­cos na ban­ca

Jornal Economia and Finanças - - OPINIÃO -

Os re­gu­la­do­res glo­bais vão ca­da vez mais im­ple­men­tan­do no­vos con­jun­tos de re­for­mas, adop­tan­do ris­cos e pri­o­ri­da­des emer­gen­tes. Pe­lo fac­to, têm sur­gi­do al­gu­mas per­gun­tas so­bre o uso e pro­pri­e­da­de dos da­dos, a re­gu­la­men­ta­ção ju­rí­di­ca e os seus li­mi­tes, tais co­mo ques­tões ge­o­po­lí­ti­cas que afec­tam di­rec­ta­men­te o mer­ca­do, o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, bem co­mo a pos­si­bi­li­da­de de in­ver­si­o­nis­tas.

As em­pre­sas co­me­çam a res­pon­der pe­la in­tro­du­ção de no­vos pro­ces­sos tec­no­ló­gi­cos, ta­len­tos que for­ta­le­cem ca­da vez mais a ges­tão de ris­cos e de cum­pri­men­to e ao mes­mo tem­po me­lho­rar a ex­pe­ri­ên­cia do cli­en­te. Ou­tro cam­po em trans­for­ma­ção são as re­gu­la­ções na me­di­da em que as em­pre­sas e os re­gu­la­do­res in­te­gram no­vas tec­no­lo­gi­as e um mai­or uso de da­dos nos pro­ce­sos e mo­de­los de ne­gó­ci­os na apre­sen­ta­ção dos in­for­mes e su­per­vi­são.

Es­te di­ag­nós­ti­co nos per­mi­te apor­tar um en­fo­que em qua­tro áre­as aon­de os bancos e os re­gu­la­do­res são cha­ma­dos so­bre o ris­co e cum­pri­men­to di­gi­ta­li­za­do e ade­qua­do pa­ra o seu pro­pó­si­to.

Os mai­o­res bancos do mun­do ti­ve­ram que se adaptar às no­vas re­a­li­da­des e de­sa­fi­os e, pa­ra is­so, investiram significat­ivamente nas su­as posições de ca­pi­tal liquidez de­pois da cri­se fi­nan­cei­ra de 2008/09. De­pois da fi­na­li­za­ção de ba­si­leia III, ago­ra se con­cen­tram mais nos efei­tos ao in­vés de se fo­ca­rem-se na in­tro­du­ção de no­vas re­for­mas so­bre ca­pi­tal e liquidez. Exis­tem ques­tões de ris­cos sis­té­mi­cos, tais co­mo a trans­pa­rên­cia e a re­so­lu­ção dos mer­ca­dos de­ri­va­dos, a apli­ca­ção de no­vas agen­das de ris­cos. A ideia é ter uma ac­ção de equi­lí­brio, quer pa­ra os bancos, quer pa­ra os re­gu­la­do­res e pa­ra os pró­pri­os Go­ver­nos.

OS MAI­O­RES BANCOS DO MUN­DO TI­VE­RAM QUE SE ADAPTAR ÀS NO­VAS RE­A­LI­DA­DES E DE­SA­FI­OS E, PA­RA IS­SO, INVESTIRAM SIGNIFICAT­IVAMENTE NAS SU­AS POSIÇÕES DE CA­PI­TAL LIQUIDEZ DE­POIS DA CRI­SE FI­NAN­CEI­RA DE 2008/09

Apon­to qua­tro áre­as de en­fo­que pa­ra os bancos:

1. Re­for­ma de Es­tru­tu­ras e de­sen­vol­ver no­vos pro­ces­sos.

Re­for­mar as es­tru­tu­ras e de­sen­vol­ver no­vos pro­ces­sos: As me­di­das fun­da­men­tais da re­for­ma es­tru­tu­ral es­tão em vi­gor. O de­sa­fio ac­tu­al é fa­zer com que a re­cu­pe­ra­ção e a re­so­lu­ção fun­ci­o­nem na prá­ti­ca e ga­ran­tem que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras aten­dam às ex­pec­ta­ti­vas de con­ti­nui­da­de ope­ra­ci­o­nal. Os pro­ble­mas her­da­dos que fo­ram le­va­dos pa­ra o no­vo ce­ná­rio con­ti­nu­am a ser o fo­co. Mui­tos de­les es­tão li­ga­dos à re­sis­tên­cia ope­ra­ci­o­nal e à con­ti­nui­da­de das ac­ti­vi­da­des.

2- Me­lho­rar a go­ver­nan­ça e a re­si­li­ên­cia ope­ra­ci­o­nal:

A era da trans­for­ma­ção di­gi­tal de­tec­tou mui­tos pro­ble­mas, co­mo a cres­cen­te ame­a­ça de ata­ques ci­ber­né­ti­cos, pro­ble­mas in­ter­nos cau­sa­dos pe­la subs­ti­tui­ção de sis­te­mas le­ga­dos de com­pu­ta­do­res e equi­pa de su­por­te, a in­con­sis­tên­cia de me­di­das de ris­co e a in­ca­pa­ci­da­de de adi­ci­o­nar da­dos. As no­vas tec­no­lo­gi­as e pro­du­tos es­tão a ser tes­ta­dos com a efi­cá­cia dos pro­ces­sos exis­ten­tes. As em­pre­sas de­vem con­cen­trar a sua aten­ção no for­ta­le­ci­men­to da re­si­li­ên­cia ope­ra­ci­o­nal, apri­mo­ran­do os pa­drões de tes­te de stress, re­vi­san­do as to­le­rân­ci­as de im­pac­to (es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção aos cli­en­tes) e re­fi­nan­do as mé­tri­cas de de­sem­pe­nho. É mais es­sen­ci­al do que nun­ca ter uma es­tru­tu­ra só­li­da de ge­ren­ci­a­men­to de ris­cos de ter­cei­ros pa­ra ser­vi­ços de ter­cei­ri­za­ção e pro­ve­do­res.

A Re­si­li­ên­cia é o no­vo tes­te de stres­s­pa­ra pla­no de re­so­lu­ção. Os re­gu­la­do­res es­pe­ram que as em­pre­sas po­si­ci­o­nem a re­si­li­ên­cia ope­ra­ci­o­nal co­mo uma pri­o­ri­da­de da di­rec­ção, jun­ta­men­te com a re­si­li­ên­cia fi­nan­cei­ra. Os con­se­lhos te­rão que mu­dar pa­ra uma men­ta­li­da­de de: “é pro­vá­vel que is­so acon­te­ça, en­tão va­mos es­tar pre­pa­ra­dos”.

3. Ge­ren­ci­ar e pro­te­ger da­dos:

O sec­tor ban­cá­rio é um fac­tor emi­nen­te­men­te de­pen­den­te de da­dos. Os bancos exi­gem da­dos opor­tu­nos, pre­ci­sos e sig­ni­fi­ca­ti­vos, e os cli­en­tes es­pe­ram fer­ra­men­tas de co­mu­ni­ca­ção fá­ceis de usar. Os in­ves­ti­do­res e o mer­ca­do em ge­ral exi­gem mai­or aces­so e trans­pa­rên­cia. No fu­tu­ro, os bancos te­rão que ge­ren­ci­ar me­lhor os da­dos e tam­bém aten­der a re­qui­si­tos de pro­tec­ção de da­dos ca­da vez mais ri­go­ro­sos em fun­ção da es­ca­la­da tec­no­ló­gi­ca. Po­rém, fo­ram fei­tos in­ves­ti­men­tos sig­ni­fi­ca­ti­vos em ar­ma­ze­na­men­to e aces­si­bi­li­da­de, mas os bancos de­vem con­cen­trar-se mais na ar­qui­tec­tu­ra de da­dos, re­cur­sos ana­lí­ti­cos e no de­sen­vol­vi­men­to de uma es­tru­tu­ra in­te­gra­da de pro­tec­ção de da­dos com to­das as dis­ci­pli­nas de ge­ren­ci­a­men­to de ris­cos.

4. Abor­dar a má con­du­ta:

As ini­ci­a­ti­vas pa­ra me­lho­rar a cul­tu­ra e a éti­ca da in­dús­tria po­dem che­gar aqui, mas te­rão im­pac­to li­mi­ta­do sem ne­nhu­ma es­tru­tu­ra pa­ra a ava­li­a­ção de con­tas. O de­sa­fio da agen­da de con­du­ta é dei­xar de de­fi­nir o “tom de ci­ma” pa­ra en­rai­zar uma cul­tu­ra e um com­por­ta­men­to po­si­ti­vo em to­da a or­ga­ni­za­ção.

No en­tan­to, qual é o ca­mi­nho pa­ra uma me­lhor con­for­mi­da­de? Os bancos de­vem ge­ren­ci­ar e an­te­ci­par os ris­cos emer­gen­tes, pois, a trans­for­ma­ção di­gi­tal aju­da­rá, mas, co­mo des­ta­co nes­te ar­ti­go, os ge­ren­tes de ris­cos pre­ci­sam de ace­le­rar o rit­mo pa­ra adop­ção e im­ple­men­ta­ção das no­vas tec­no­lo­gi­as. Se­rá que a de­man­da por res­pon­sa­bi­li­da­de es­tá a ter o al­can­ce ne­ces­sá­rio? Ques­tões am­bi­en­tais, so­ci­ais e de go­ver­nan­ça, e em par­ti­cu­lar, o pro­gra­ma fi­nan­cei­ro sus­ten­tá­vel de­vem tor­nar-se ele­men­tos-cha­ve do pla­ne­a­men­to es­tra­té­gi­co e da cri­a­ção de per­fis de ris­co. A mu­dan­ça é es­sen­ci­al, mas po­de e de­ve ser con­du­zi­da de ci­ma.

CEDIDA

Jo­seph dos San­tos Mes­tran­do em Ges­tão Eco­nó­mi­ca e Fi­nan­cei­ra de Ris­cos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.