Olhar mais pa­ra den­tro

Jornal Economia and Finanças - - OPINIÃO -

Há mais de se­te anos que o te­ma di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia faz par­te das pri­o­ri­da­des do Exe­cu­ti­vo, tan­to pa­ra o au­men­to do PIB co­mo pa­ra dei­xar de ser eter­no im­por­ta­dor até de pro­du­tos pri­má­ri­os que po­dem per­fei­ta­men­te ser pro­du­zi­dos lo­cal­men­te.

O que mais ou­vi­mos des­de as con­ver­sas de bar aos gran­des de­ci­so­res do Exe­cu­ti­vo é que a cri­se só fa­rá par­te da his­tó­ria de An­go­la se apos­tar­mos em atin­gir pe­lo me­nos a au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar.

Fra­ses co­mo “o pre­ço dos pro­du­tos es­tão ca­da vez mais ele­va­dos e o sa­lá­ri­os mais re­du­zi­dos” e “es­tá ca­da vez mais di­fí­cil vi­ver em An­go­la”, con­fir­mam que a in­sa­tis­fa­ção dos an­go­la­nos e a cri­se eco­nó­mi­ca atin­gi­ram o pi­co e uma mu­dan­ça ra­di­cal de men­te e de men­ta­li­da­de é ne­ces­sá­ria pa­ra mu­dar es­te pa­ra­dig­ma.

A des­ci­da do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo nas úl­ti­mas se­ma­nas no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal pa­ra per­to de 22 dó­la­res, pe­lo me­nos até on­tem (quin­ta-fei­ra), mos­tra mais uma vez quão vo­lá­til é a cur­va dos pre­ços des­te “co­mo­di­tie”.

Ago­ra te­mos que re­zar pa­ra que es­se “tal de” Co­vid-19 se­ja con­tro­la­do o mais rá­pi­do pos­sí­vel e a re­cu­pe­ra­ção do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo ocor­ra o quan­to an­tes, sob pe­na de ver­mos a nos­sa cri­se eco­nó­mi­ca ain­da mais agra­va­da.

Nes­te mo­men­to, as ex­pec­ta­ti­vas são que as pre­vi­sões da nos­sa eco­no­mia se­jam a qual­quer mo­men­to ul­tra­pas­sa­das. O OGE po­de so­frer uma re­vi­são, se es­te for o en­ten­di­men­to e se a si­tu­a­ção ten­de a man­ter-se ou a pi­o­rar. Os si­nais mos­tram que a si­tu­a­ção po­de to­mar pro­por­ções ca­tas­tró­fi­cas, ten­do em con­ta a vul­ne­ra­bi­li­da­de do nos­so mer­ca­do.

Com cer­te­za que te­mos um país com inú­me­ras po­ten­ci­a­li­da­des, pro­va­vel­men­te com re­cur­sos, até mes­mo in­te­lec­tu­ais, e não só, ca­paz de dar a vol­ta por ci­ma e cri­ar um am­bi­en­te que pro­por­cie a ge­ra­ção de es­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca. Aliás, te­mos ter­ra, água e uma pe­cuá­ria que, com uma boa ges­tão e for­ça de von­ta­de, po­dem mui­to bem aju­dar a afas­tar es­ta qua­se cró­ni­ca de­pen­dên­cia do ex­te­ri­or. Por in­crí­vel que pa­re­ça, tem si­do es­ta a nos­sa con­di­ção: ir um pou­co ao sa­bor do ven­to. O pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço, já ad­mi­tiu que “o im­pac­to do Co­vid-19 na nos­sa eco­no­mia já é vi­sí­vel e te­re­mos que re­vi­sar as pre­vi­sões eco­nó­mi­cas, ten­do em con­ta que a pan­de­mia já é um pro­ble­ma de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal”.

No seu re­cen­te dis­cur­so na Reu­nião do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, o Che­fe de Es­ta­do foi ca­te­gó­ri­co ao afir­mar que o país tem de en­con­trar no­vas fon­tes de ge­ra­ção de di­vi­sas e “ho­je, mais do que nun­ca, im­põe-se a ne­ces­si­da­de de olhar­mos pa­ra den­tro, de tra­ba­lhar­mos efec­ti­va­men­te no au­men­to da pro­du­ção in­ter­na de pro­du­tos de ex­por­ta­ção, na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, de­sen­vol­ven­do a agri­cul­tu­ra, as pes­cas e as di­fe­ren­tes in­dús­tri­as de pro­du­ção de bens ex­por­tá­veis”.

Mas, se não exis­te di­ver­gên­ci­as quan­to à ne­ces­si­da­de de di­ver­si­fi­car a eco­no­mia pa­ra dei­xar­mos de es­tar com­ple­ta­men­te de­pen­den­tes do “so­be e des­ce” do pre­ço do pe­tró­leo, en­tão o que é que fal­ta pa­ra que An­go­la se tor­ne efec­ti­va­men­te uma eco­no­mia di­ver­si­fi­ca­da? Em pa­la­vras sim­ples e di­rec­tas, os in­ves­ti­men­tos na agri­cul­tu­ra e na in­dús­tria de trans­for­ma­ção de­vem cres­cer nu­ma pro­por­ção que se­ja ca­paz de ser vi­sí­vel a re­du­ção ou mes­mo a subs­ti­tui­ção da im­por­ta­ção de pro­du­tos es­sen­ci­ais.

Os in­ves­ti­men­tos a ní­vel do tu­ris­mo com­ple­men­tam a ra­zão do nos­so pen­sa­men­to. Pa­ra que ser­ve o tu­ris­mo? Qu­an­tas bo­as opor­tu­ni­da­des per­de­mos pa­ra que a eco­no­mia se pu­des­se ser­vir e ser­vir-se da eco­no­mia. Os lu­ga­res do tu­ris­mo têm de ser al­can­ça­dos. Lo­go, as bo­as es­tra­das tam­bém re­for­çam es­te qua­dro eco­nó­mi­co que se quer bas­tan­te prós­pe­ro. A ques­tão mo­bi­li­da­de é fun­da­men­tal. Daí a con­ju­ga­ção des­tes dois sec­to­res é ine­vi­tá­vel.

E nis­to ga­nha a com­po­nen­te em­pre­go.

Te­mos de pas­sar às re­a­li­za­ções. Tem si­do es­te o ape­lo cons­tan­te. Os mi­la­gres só se­rão pos­sí­veis se se for ca­paz de os trans­for­mar em tra­ba­lho e des­tes pa­ra os re­sul­ta­dos. Não que ne­ces­sa­ri­a­men­te trans­for­me­mos o país nu­ma po­tên­cia pla­ne­tá­ria, mas im­por­ta tra­ba­lhar­mos pa­ra que sin­ta­mos os pro­gra­mas e as nos­sas ac­ções ao ser­vi­ço da eco­no­mia e do cres­ci­men­to. O im­por­tan­te é sa­ber­mos, de fac­to, o que que­re­mos e on­de pre­ten­de­mos che­gar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.