Con­su­mi­do­res re­sis­tem a pa­gar água

O PCA da Epasln de­cla­rou que dos mais de seis mil cli­en­tes que têm con­tra­to pa­ra o con­su­mo de água, ape­nas um ter­ço pa­ga com re­gu­la­ri­da­de as fac­tu­ras

Jornal Economia and Finanças - - DESTAQUE - Vic­to­ri­no Ma­ti­as no Dun­do

Cer­ca 200 mi­lhões de kwanzas é o va­lor da dí­vi­da con­traí­da pe­los con­su­mi­do­res de água po­tá­vel da ci­da­de do Dun­do. Se­gun­do o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Em­pre­sa Pú­bli­ca de Água e Sa­ne­a­men­to da Lun­da Nor­te (EPASLN), An­dré Ca­mi­lo, a dí­vi­da re­mon­ta des­de o ano 2016, al­tu­ra em que os cli­en­tes co­me­ça­ram a pro­ce­der a ce­le­bra­ção dos res­pec­ti­vos con­tra­tos.

En­tre os prin­ci­pais con­su­mi­do­res, que se fur­tam a cum­prir com as su­as obri­ga­ções con­tra­tu­ais pe­lo con­su­mo de água, por via das li­ga­ções do­mi­ci­liá­ri­as, cons­tam os mo­ra­do­res da cen­tra­li­da­de do Dis­tri­to Ur­ba­no do Mus­sun­gue, on­de nos 5.004 apar­ta­men­tos es­tão tam­bém ins­ta­la­dos igual nú­me­ro de con­ta­do­res.

An­dré Ca­mi­lo afir­mou que mui­tas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das fi­gu­ram tam­bém da lis­ta dos con­su­mi­do­res, que não pa­gam as fac­tu­ras de água po­tá­vel.

O PCA da Epasln de­cla­rou, que dos mais de seis mil cli­en­tes que têm con­tra­to pa­ra o con­su­mo de água, ape­nas um ter­ço pa­ga com re­gu­la­ri­da­de as fac­tu­ras.

“In­fe­liz­men­te um ter­ço dos cli­en­tes é que faz o pa­ga­men­to das fac­tu­ras”, dis­se,

Di­fi­cul­da­des

Por ou­tro la­do, aler­tou que em con­sequên­cia dos in­cum­pri­men­tos das obri­ga­ções con­tra­tu­ais, a em­pre­sa não con­se­gue re­sol­ver os cus­tos ope­ra­ci­o­nais, des­de a ma­nu­ten­ção dos equi­pa­men­tos, aqui­si­ção de pro­du­tos quí­mi­cos pa­ra o tra­ta­men­to da água até aos pa­ga­men­tos dos sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res.

An­dré Ca­mi­lo dis­se que, não obs­tan­te ser pú­bli­ca, a em­pre­sa de Água e Sa­ne­a­men­to da Lun­da Nor­te não é or­ça­men­ta­da, daí a im­por­tân­cia dos seus cli­en­tes se­rem cha­ma­dos a hon­ra­rem os com­pro­mis­sos, pois tais re­cei­tas pos­si­bi­li­ta­ri­am o nor­mal fun­ci­o­na­men­to da ins­ti­tui­ção.

Re­cor­dou que a cons­tru­ção da es­ta­ção de tra­ta­men­to de água de 20 mil me­tros cú­bi­cos dia, per­mi­tiu me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas no abas­te­ci­men­to.

An­dré Ca­mi­lo apon­tou que, a cap­ta­ção do rio Lu­a­chi­mo, com ca­pa­ci­da­de de bom­be­ar 20 mil me­tros cú­bi­cos por dia, tem si­do cru­ci­al no abas­te­ci­men­to de água aos ha­bi­tan­tes da ci­da­de do Dun­do.

Li­ga­ções do­mi­ci­liá­ri­as

A pro­vín­cia da Lun­da Nor­te pro­jec­ta fa­zer mais de 10 mil li­ga­ções do­mi­ci­liá­ri­as, mon­ta­gem de 60 cha­fa­ri­zes e a co­lo­ca­ção de tu­bos pa­ra o trans­por­te de água po­tá­vel até aos bair­ros do Ae­ro­por­to, Sa­ma­ca­ca, Ka­ma­ken­zo 1 e 2, Tu­li­ve­no, Es­tu­fa, Ca­xin­de e Sat­xin­don­go.

Cons­ta dos pro­jec­tos, um no­vo sis­te­ma de cap­ta­ção e tra­ta­men­to de água po­tá­vel pa­ra o mu­ni­cí­pio do Cam­bu­lo, que já es­tá em fa­se de en­sai­os.

Es­tá tam­bém pre­vis­to, o iní­cio das obras de re­a­bi­li­ta­ção das re­des de dis­tri­bui­ção.

Pre­vê-se igual­men­te, a ins­ta­la­ção de equi­pa­men­tos a ní­vel de ou­tros mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia on­de os sis­te­mas, ain­da não fun­ci­o­nam e cons­ti­tu­em pri­o­ri­da­de pa­ra o pre­sen­te exer­cí­cio eco­nó­mi­co.

O res­pon­sá­vel deu a co­nhe­cer que, a par da ci­da­de do Dun­do, ca­pi­tal da Lun­da Nor­te, a em­pre­sa pres­ta ser­vi­ços nos mu­ni­cí­pi­os do Cui­lo, Lu­ba­lo, Xá-Mu­te­ba e Lu­ca­pa, on­de fo­ram cons­truí­dos, no âm­bi­to do pro­gra­ma “Água pa­ra To­dos”, no­vos sis­te­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.