“A cor­rup­ção apri­si­o­nou o país no sub­de­sen­vol­vi­men­to”

Jornal Economia and Finanças - - ENTREVISTA - Xa­vi­er An­tó­nio

Em en­tre­vis­ta ao JE, a consultora as­se­gu­ra que as mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas são as lo­co­mo­ti­vas do de­sen­vol­vi­men­to e o ga­ran­te ime­di­a­to do sus­ten­to das fa­mí­li­as. De­fen­de que de­ve ha­ver mais po­lí­ti­cas pú­bli­cas de apoio à mu­lher no do­mí­nio da in­dús­tria atra­vés de co­o­pe­ra­ti­vas

Que ava­li­a­ção faz dos dois anos de go­ver­na­ção do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço?

O Pre­si­den­te João Lou­ren­ço traz uma pos­tu­ra fir­me, ou­sa­da, uma vi­são de pro­gres­so, aber­tu­ra na for­ma co­mo o país se po­si­ci­o­na di­an­te das na­ções e pro­põe-se a cor­rer mais ris­cos. O seu de­sa­fio pri­mor­di­al são as ques­tões eco­nó­mi­cas e con­se­quen­te­men­te so­ci­ais. Quan­do o Pre­si­den­te fez os pri­mei­ros pro­nun­ci­a­men­tos ain­da co­mo can­di­da­to às elei­ções pre­si­den­ci­ais es­ta­va ci­en­te dos de­sa­fi­os, so­bre­tu­do, quan­do fa­lou dos “ge­ne­rais do de­sen­vol­vi­men­to”. Ul­tra­pas­sa­do o de­sa­fio da guer­ra on­de os ge­ne­rais eram os gran­des players do país, era che­ga­da a ho­ra de alar­gar o es­pa­ço a ou­tros fa­ze­do­res da eco­no­mia co­mo em­pre­en­de­do­res, em­pre­sá­ri­os e ges­to­res pa­ra en­tão ge­rar o de­sen­vol­vi­men­to tão es­pe­ra­do. Um país for­te ne­ces­si­ta de uma eco­no­mia di­nâ­mi­ca.

En­tão acre­di­ta que se es­tá no bom ca­mi­nho?

Os dis­cur­sos do Che­fe de Es­ta­do des­de a in­ves­ti­du­ra são um ver­da­dei­ro ma­pe­a­men­to dos prin­ci­pais pro­ble­mas do país, evi­den­ci­am uma cla­ra vi­são de go­ver­na­ção. Não es­tou é mui­to con­for­tá­vel com os re­sul­ta­dos no tem­po dos di­fe­ren­tes pro­gra­mas de­sen­vol­vi­dos e apre­sen­ta­dos. Cla­ra­men­te ob­ser­va­mos al­guns per­cal­ços no de­sem­pe­nho dos prin­ci­pais pro­gra­mas de go­ver­na­ção. Es­tes pro­gra­mas ho­je, ca­re­cem de ac­tu­a­li­za­ção por­que as cir­cuns­tân­ci­as al­te­ram mui­tas ve­zes por fac­to­res ex­ter­nos que nem sem­pre con­se­gui­mos con­tro­lar. Há du­as ques­tões que não po­dem ser ig­no­ra­das, no­me­a­men­te, o pen­sa­men­to do Pre­si­den­te que tem a ver com a ca­pi­ta­li­za­ção de re­cur­sos do ex­te­ri­or e a ou­tra li­ga­da ao com­ba­te à cor­rup­ção. Em re­la­ção ao com­ba­te à cor­rup­ção, João Lou­ren­ço en­con­trou um país dé­bil eco­no­mi­ca­men­te a ní­vel das con­tas pú­bli­cas e não hou­ve ou­tra saí­da se­não a ca­pi­ta­li­za­ção de re­cur­sos ao ex­te­ri­or.

Acha que o re­cur­so aos fi­nan­ci­a­men­tos ex­ter­nos foi uma boa op­ção?

Bem, pen­so que ha­via ne­ces­si­da­de de dar-se a co­nhe­cer a vi­são da no­va ad­mi­nis­tra­ção po­lí­ti­ca no ex­te­ri­or. A ní­vel do in­ves­ti­men­to pri­va­do es­tran­gei­ro e da di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca, te­nho a vi­são de den­tro pa­ra fo­ra. Pri­o­ri­za­ria sem dú­vi­da no pla­no in­ter­no. Na re­a­li­da­de os in­ves­ti­do­res e as gran­des cor­po­ra­ções, es­tão sem­pre a pro­cu­ra de no­vos mer­ca­dos, quer pa­ra ex­ten­são das su­as ac­ti­vi­da­da­des, quer pa­ra no­vos in­ves­ti­men­tos, quer mes­mo pa­ra des­ti­nos al­ter­na­ti­vos dos seus in­ves­ti­men­tos. Por con­se­guin­te, te­mos de cri­ar con­di­ções pa­ra a sua atrac­ti­vi­da­de. Pen­so que daí tam­bém o com­pro­mis­so te­naz no com­ba­te à cor­rup­ção. É ne­ces­sá­rio pro­mo­ver a com­pe­ti­ti­vi­da­de do mer­ca­do e tor­nar pos­sí­vel a ca­deia de va­lor.

Acre­di­ta no su­ces­so do com­ba­te à cor­rup­ção?

A fir­me­za e o com­pro­mis­so ina­ba­lá­vel vá­ri­as ve­zes rei­te­ra­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, é por si só um ga­nho e di­an­te dos de­sa­fi­os man­tém-se fir­me. Pen­so que o Pre­si­den­te as­su­miu uma po­si­ção mui­to co­ra­jo­sa em pre­fe­rir com­ba­ter a cor­rup­ção uti­li­zan­do e obe­de­cen­do os pa­râ­me­tros da de­mo­cra­cia e tra­zen­do ao de ci­ma os va­lo­res re­pu­bli­ca­nos. As vir­tu­des re­pu­bli­ca­nas são es­sen­ci­ais no com­ba­te à cor­rup­ção, po­rém elas ten­dem a cri­ar ine­fi­cá­cia por­que a cor­rup­ção é con­sequên­cia da fra­gi­li­da­de e ge­ra-se por ins­ti­tui­ções. A PGR tem a gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de de as­se­gu­rar bons re­sul­ta­dos em tem­pos de paz. Pa­ra o efei­to, de­ve con­ti­nu­ar a apos­tar na mo­der­ni­za­ção e for­ma­ção dos qua­dros e dos pro­ces­sos pa­ra ge­rar efi­cá­cia e re­sul­ta­do, por­que a gran­de cor­rup­ção é um cri­me so­fis­ti­ca­do e ne­ces­si­ta de me­ca­nis­mos de in­ves­ti­ga­ção que de­man­dam es­pe­ci­a­li­za­ção e mi­nú­cia. Se ti­ver­mos téc­ni­cos que não per­ce­bam de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo e ou­tros me­an­dros da en­ge­nha­ria fi­nan­cei­ra o com­ba­te não se­rá efi­ci­en­te. E acon­te­ce aqui­lo que nós te­me­mos em que as pes­so­as são pre­sas e de­pois sol­tas, por­que as vir­tu­des re­pu­bli­ca­nas e os ins­tru­men­tos da de­mo­cra­cia as­sim o obri­gam.

É de opi­nião que o com­ba­te à cor­rup­ção es­tá a ser se­lec­ti­vo co­mo di­zem al­gu­mas vo­zes?

Se o be­ne­fí­cio foi se­lec­ti­vo na­tu­ral­men­te que o com­ba­te com­pre­en­der-se-á co­mo es­tan­do a ser se­lec­ti­vo. Se me dis­se­rem que al­guém es­tá a ser ar­ro­la­do no com­ba­te à cor­rup­ção e não tem na­da a ver é di­fe­ren­te, mas é no âm­bi­to das be­nes­ses e da dis­tri­bui­ção do bo­lo que es­tá a ser fei­to o com­ba­te. No­te que o cri­me é in­di­vi­du­al e foi as­sim que apren­de­mos em ca­sa quan­do os nos­sos pais nos di­zi­am

OS PRO­GRA­MAS CO­MO O PAC E OU­TROS SÃO BONS MAS NÃO CRI­AM UM IM­PAC­TO IME­DI­A­TO E AS PES­SO­AS TÊM RECEIO DE DIS­CU­TIR AS COI­SAS

“Acho in­te­res­san­te que o Go­ver­no se re­ti­re da­qui­lo que é se­cun­dá­rio”

pa­ra não se­guir­mos o ami­go com maus com­por­ta­men­tos pa­ra não ser­mos ar­ro­la­dos quan­do ha­ver al­gum pro­ble­ma. Por tan­to, dei­xe­mos que a jus­ti­ça fa­ça a sua par­te por­que ca­da cri­me é um cri­me.

A in­ves­ti­ga­ção “Lu­an­da Le­aks” trou­xe à to­na as “en­ge­nha­ri­as” fi­nan­cei­ras da em­pre­sá­ria, Isa­bel do San­tos, con­si­de­ra­da a mu­lher mais ri­ca de Áfri­ca. Quer co­men­tar?

Te­mos de pro­cu­rar olhar com ob­jec­ti­vi­da­de as si­tu­a­ções, so­bre­tu­do, por­que so­mos um Es­ta­do de­mo­crá­ti­co e de Di­rei­to. Is­so sig­ni­fi­ca que mu­lhe­res ou ho­mens são ci­da­dãos. Fa­ço mui­to gos­to que te­nha­mos pes­so­as de re­fe­rên­ci­as na so­ci­e­da­de, mas es­sas re­fe­rên­ci­as de­vem ser er­gui­das nu­ma ba­se de vir­tu­des e da me­ri­to­cra­cia. Não obs­tan­te, um an­go­la­no em con­fli­to com a lei é um an­go­la­no. E de­ve­mos sem­pre pro­cu­rar pro­te­gê-lo no pla­no in­ter­na­ci­o­nal e é em ca­sa que re­sol­ve­mos os nos­sos pro­ble­mas. Em ca­sa, os nos­sos pais po­dem ba­ter-nos, mas ja­mais per­mi­tem que es­tra­nhos o fa­çam, in­de­pen­den­te do er­ro que co­me­te­mos. A san­ção é fei­ta em ca­sa. Não é fá­cil mas de­ve­mos pro­cu­rar não per­mi­tir que ques­tões sub­jec­ti­vas in­ter­fi­ram nos pro­ces­sos. Por ou­tro la­do, o fac­to de a re­fe­ri­da em­pre­sá­ria cri­ar pos­tos de em­pre­gos não po­de po­si­ci­o­ná-la aci­ma da lei e dos pro­ce­di­men­tos. A ver­da­de ir­re­fu­tá­vel é que a cor­rup­ção apri­si­o­nou o país no sub­de­sen­vol­vi­men­to e quan­do al­guém rou­ba o de­sen­vol­vi­men­to de ge­ra­ções de­ve ser res­pon­sa­bi­li­za­do.

Acha que is­so man­cha to­da uma re­pu­ta­ção das mu­lhe­res com al­gum mé­ri­to no país?

De for­ma al­gu­ma. Te­mos ou­tras mu­lhe­res que ac­tu­am no pla­no in­ter­na­ci­o­nal, com mé­ri­to co­mo é o ca­so da en­ge­nha­ria, Jo­se­fa Sak­co, que pro­mo­ve um per­fil di­fe­ren­ci­a­do da mu­lher an­go­la­na. A mu­lher po­de ou­sar mais e efec­ti­va­men­te ele­var a sua par­ti­ci­par­ção nas pla­ta­for­mas de in­ter­câm­bio in­ter­na­ci­o­nal. É am­bi­ci­o­so ter an­go­la­nas a li­de­rar em­pre­sas nos prin­ci­pais ran­kings, co­mo já acon­te­ce com ou­tros qua­dros a ní­vel de Áfri­ca.

Na sua opi­nião as mu­lhe­res con­ti­nu­am a ser es­que­ci­das pa­ra ocu­par car­gos de go­ver­na­ção no país ou o qua­dro al­te­rou?

É no­tó­rio que ho­je te­mos mais mu­lhe­res quer em quan­ti­da­de e qua­li­da­de nos car­gos exe­cu­ti­vos, a ní­vel dos par­ti­dos po­lí­ti­cos e na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. O MPLA li­de­rou a ini­ci­a­ti­va ao tra­zer na sua li­de­ran­ça co­mo vi­ce-pre­si­den­te uma mu­lher e a UNITA lo­go em se­gui­da. E mes­mo a ní­vel das star­tups há mais se­nho­ras a des­pon­ta­rem. Mas pre­o­cu­pa-me tam­bém a ba­se por­que as mu­lhe­res a ní­vel das co­mu­ni­da­des têm uma con­di­ção so­ci­al pe­no­sa. Nun­ca an­tes vi tal­vez nem mes­mo no tem­po da guer­ra o nú­me­ro de mu­lhe­res vul­ne­rá­veis com qua­tro a cin­co fi­lhos na rua co­mo ho­je. Já era tem­po de se cri­a­rem par­ce­ri­as com a co­mu­ni­da­de ci­vil atra­vés de cre­ches co­mu­ni­tá­ri­as a fim de aco­lher os fi­lhos da mu­lher zun­guei­ra. As mu­lhe­res que com­põem os ór­gãos de de­ci­são não de­vem es­que­cer que es­tão lá por quo­tas e re­pre­sen­tam um de­ter­mi­na­do gru­po da so­ci­e­da­de e de­vem tra­zer o pro­ble­ma da mu­lher na agen­da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal.

E que su­ges­tão avan­ça pa­ra mi­ni­mi­zar­mos o im­pac­to dos pro­ble­mas da mu­lher?

De­ve ha­ver mais po­lí­ti­cas de apoio à mu­lher de mo­do a in­se­rí-las nas mi­cro e pe­que­nas in­dús­tri­as atra­vés de co­o­pe­ra­ti­vas for­tes e só­li­das. De­ve-se fo­men­tar mais pro­gra­mas não só a ní­vel da agri­cul­tu­ra, mas tam­bém da in­dús­tria. Fa­lar de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca sem ter­mos em con­ta o sec­tor in­dus­tri­al é igual a na­da. Não po­de­mos con­ti­nu­ar a cul­ti­var, por exem­plo, a ba­na­na e o al­go­dão sem trans­for­má-los. En­quan­to uns ex­por­tam o aca­ba­do, que é ca­ro, ou­tros, im­por­tam ou ex­por­tam a ma­té­ria-pri­ma, cu­jo pre­ço é bai­xo. O Bra­sil ex­por­ta­va pa­ra An­go­la tem­pe­ro de co­zi­nha (sal e alho) fe­liz­men­te ho­je, já há ini­ci­a­ti­va lo­cal des­te pro­du­to, que são in­ci­ta­ti­vas de mi­cro in­dús­tri­as agre­ga­das em co­o­pe­ra­ti­vas.

Mas te­mos ain­da o pro­ble­ma do aces­so ao cré­di­to pa­ra fi­nan­ci­ar es­sas in­ci­ta­ti­vas...

É um fac­to.Pa­ra um pe­que­no em­pre­en­de­dor pro­du­zir e trans­for­mar po­de ser um pou­co exi­gen­te em ter­mos de in­ves­ti­men­to. To­da­via, a res­pon­sa­bi­li­da­de, com­pe­tên­ci­as e ro­bus­tez de ga­ran­ti­as ge­rais pa­ra o aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio de­ve ser mais con­for­tá­vel re­a­li­zá-lo a ní­vel de co­o­pe­ra­ti­vas, cu­ja es­tru­tu­ra e fun­ci­o­na­li­da­de nor­mal­men­te ofe­re­ce mais con­fi­an­ça ao fi­nan­ci­a­dor e con­gre­ga mais es­for­ços pa­ra o al­can­ce das me­tas. Nor­mal­men­te, o gran­de in­ves­ti­dor co­nhe­ce o ca­mi­nho, não ca­re­ce de po­lí­ti­cas pú­bli­cas es­pe­cí­fi­cas, se não a ob­ser­vân­cia do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.As po­lí­ti­cas pú­bli­cas de­vem cin­gir-se, so­bre­tu­do, nas mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas e en­vol­ver as mu­lhe­res que são as que mais fo­men­tam o mer­ca­do in­for­mal.

Du­ran­te uma en­tre­vis­ta dis­se que os paí­ses co­mo a Chi­na, Ín­dia, Is­ra­el atin­gi­ram ní­veis de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co em fun­ção das su­as po­lí­ti­cas na­ci­o­nais vol­ta­das pa­ra as mé­di­as e pe­que­nas em­pre­sas. No ca­so de An­go­la, on­de es­tá a fa­lha?

As mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas são a lo­co­mo­ti­vas do de­sen­vol­vi­men­to e o ga­ran­te ime­di­a­to do sus­ten­to das fa­mí­li­as. Não há país no mun­do que se de­sen­vol­veu sem as mi­cro e pe­que­nas em­pre­sas, até os EUA são fru­to dis­so. E o Exe­cu­ti­vo tem cons­ci­ên­cia dis­so ilus­tra­das nos pro­gra­mas de go­ver­na­ção atra­vés de in­ci­ta­ti­vas pro­mo­vi­das pe­lo INAPEM, mas os cri­té­ri­os ope­ra­ci­o­nais e o aces­so aos fi­nan­ci­a­men­tos de­vem ser trans­pa­ren­tes e ob­jec­ti­vos. Os pro­gra­mas co­mo o PAC e ou­tros são bons mas não cri­am um im­pac­to ime­di­a­to e as pes­so­as têm receio de dis­cu­tir as coi­sas com cla­re­za. Por exem­plo, o pro­ces­so de re­vi­ta­li­za­ção do te­ci­do em­pre­sa­ri­al no pós-guer­ra foi com ba­se no ami­guis­mo e da se­lec­ti­vi­da­de. Cons­truí­mos ele­fan­tes de pés de bar­ros e a mai­o­ria de nós es­tá di­rec­ta ou in­di­rec­ta­men­te in­cluí­do nis­to. De­fen­do que pa­ra pro­ble­mas dra­má­ti­cos de­ve ha­ver so­lu­ções drás­ti­cas. É ne­ces­sá­rio ca­pi­ta­li­zar a eco­no­mia. Sem di­nhei­ro não se faz eco­no­mia.

Te­mos de con­ti­nu­ar a ga­ran­tir for­ma­ção e fi­nan­ci­a­men­tos às mi­cro em­pre­sas, por­que o Go­ver­no não tem al­ter­na­ti­va de efi­ci­en­te em­pre­ga­bi­li­da­de, sem di­nâ­mi­ca em­pre­sa­ri­al, e ar­re­ca­da me­nos re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes de im­pos­tos.

Es­tá em cur­so o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ções de em­pre­sas pú­bli­cas, on­de se in­clu­em al­gu­mas de re­fe­rên­cia. Qual é o seu co­men­tá­rio?

Acho in­te­res­san­te que o Go­ver­no se re­ti­re da­qui­lo que é se­cun­dá­rio por­que man­tê-las a fun­ci­o­nar na le­tar­gia em que se en­con­tram agu­di­za no mé­dio e lon­go pra­zo a si­tu­a­ção do país. De­ve­mos ser re­a­lis­tas e as­su­mir que as pri­va­ti­za­ções da­rão lu­gar a de­sem­pre­gos e não po­de­mos “ta­par o sol com a pe­nei­ra”. Qu­em ad­qui­rir as em­pre­sas tem de ter o di­rei­to de re­de­fi­nir os qua­dros, so­bre­tu­do, aque­les que já não têm per­fis pa­ra de­ter­mi­na­dos de­sa­fi­os, em­bo­ra se pos­sa ne­go­ci­ar a con­ser­va­ção de al­guns, for­ma­ção e

re­con­du­ção, o fac­to é que te­mos o de­sa­fio adi­a­do da apo­sen­ta­ção. Al­guns qua­dros das em­pre­sas cons­tan­tes no pro­gra­ma de pri­va­ti­za­ções já re­cla­mam sua apo­sen­ta­ção. É ver­da­de que as em­pre­sas pú­bli­cas fo­ram du­ran­te mui­to tem­po uma es­pé­cie de ar­ma­ze­na­men­to de fa­mi­li­a­res e com­pa­dri­os. Te­mos de ter em con­ta que as pri­va­ti­za­ções acon­te­cem nu­ma ba­se de com­pe­ti­ti­vi­da­de em que quei­mar gor­du­ras e ge­rar lu­cros são pri­o­ri­da­des.

E de que for­ma va­mos com­ba­ter o de­sem­pre­go?

O qua­dro ge­ral ac­tu­al é mui­to de­sa­fi­a­dor. O PIIM é uma boa ini­ci­a­ti­va mas fi­ca fra­gi­li­za­do se não for den­tro de um co­lé­gio de ac­ções. As em­pre­sas an­go­la­nas ne­ces­si­tam de oxi­gé­nio e de­vem ser au­xi­li­a­das pa­ra per­mi­tir ge­rar em­pre­gos e ri­que­za. Com­pre­en­do que mui­tas em­pre­sas lo­cais não têm a me­lhor ar­ru­ma­ção, com­po­nen­te téc­ni­ca ou fi­nan­cei­ra mas, even­tu­al­men­te, po­dem bus­car par­cei­ras es­tra­té­gi­as pa­ra que pos­sam ser elas as pri­vi­le­gi­a­das no âm­bi­to da con­tra­ta­ção pú­bli­ca, pois, a pos­si­bi­li­da­de des­tas ge­ra­rem va­lor ao ní­vel lo­cal com rein­ves­ti­men­to das re­cei­tas ob­ti­das é mai­or. Ao pas­so que as em­pre­sas de es­tran­gei­ros nor­mal­men­te pro­cu­ram ex­por­tar os seus be­ne­fí­ci­os, que não sen­do er­ra­do, não nos con­vém. É uma vi­são dis­cri­mi­na­tó­ria, mas que po­de ser po­si­ti­va. Se não de­fi­nir­mos um “Pla­no Marshall” e o fun­do de apoio às PME com con­di­ções de aces­so mais sim­pli­fi­ca­das com­pa­ra­ti­va­men­te às ri­go­ro­sas pre­mis­sas dos bancos, co­mer­ci­ais, jul­go que ire­mos re­tar­dar a re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca e te­re­mos di­fi­cul­da­des em re­du­zir no mé­dio pra­zo o pro­ble­ma do de­sem­pre­go.

Co­mo é que ava­lia a nos­sa di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca?

Nes­te as­pec­to é pre­ci­so dar o de­vi­do re­co­nhe­ci­men­to ao Pre­si­den­te, João Lou­ren­ço, des­de lo­go pe­la in­tro­du­ção da abor­da­gem e da ter­mi­no­lo­gia que jul­go ser no­va em An­go­la. Até en­tão, eu não ou­vi fa­lar em di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca na agen­da po­lí­ti­ca. Es­te fac­to des­per­tou cu­ri­o­si­da­de e ex­pec­ta­ti­vas e pen­so que fi­cou-se pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Ain­da não per­ce­bi que di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca pre­ten­de­mos, com que ins­tru­men­tos, qua­dros e me­tas. A di­plo­ma­cia eco­nó­mi­ca não po­de ser con­fi­na­da ape­nas ao Che­fe de Es­ta­do, mas em to­dos os or­ga­nis­mos co­ne­xos. Nes­ta al­tu­ra de cri­se e a me­di­da que me­lho­ra­mos o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, te­mos de aper­fei­ço­ar a nos­sa ca­pa­ci­da­de de ne­go­ci­ar com o fo­co nas nos­sas po­ten­ci­a­li­da­des e cri­ar uma mar­ca ca­da vez mais for­te.

A pan­de­mia Co­vid-19 já es­tá a cau­sar al­guns es­tra­gos vi­sí­veis à nos­sa eco­no­mia. Qual de­ve ser a nos­sa es­tra­té­gia?

O Co­vid-19 é ho­je um ini­mi­go glo­bal cu­jas re­per­cus­sões na eco­no­mia ra­pi­da­men­te se tor­nou mui­to pre­o­cu­pan­te, prin­ci­pal­men­te, em paí­ses co­mo o nos­so que tem co­mo prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta o pe­tró­leo. Mais do que fa­zer prog­nós­ti­cos eco­nó­mi­cos, o de­sa­fio é evi­tar a pro­pa­ga­ção com me­di­das ra­di­cais, pois, es­tá em cau­sa a saú­de pú­bli­ca e se­gu­ran­ça na­ci­o­nal. O no­vo co­ro­na­ví­rus co­lo­cou os Es­ta­dos nu­ma con­di­ção de guer­ra. Quan­to mais ce­do as me­di­das res­tri­ti­vas e pre­ven­ti­vas são im­ple­men­ta­das, me­lhor po­de­mos en­fren­tar o pro­ble­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.