Na­vio de per­fu­ra­ção es­te­ve en­vol­vi­do em um in­ci­den­te

Va­la­ris DS-8 foi con­tra­ta­do pa­ra ope­rar pa­ra a To­tal até Novembro a uma ta­xa de 620 mil dó­la­res/dia

Jornal Economia and Finanças - - FINANÇAS - Re­gi­na Han­da

A em­prei­tei­ra de per­fu­ra­ção “offsho­re” Va­la­ris, an­te­ri­or­men­te co­nhe­ci­da co­mo Ens­co DS-8, in­for­mou que um dos seus na­vi­os de per­fu­ra­ção, o Va­la­ris DS-8, es­te­ve en­vol­vi­do em um in­ci­den­te que in­cluiu a que­da aci­den­tal de uma Blowout Pre­ven­ter Stack (BOP-Stack) no fun­do do mar de An­go­la.

De acor­do com a em­pre­sa de per­fu­ra­ção, a pi­lha de BOP caiu no fun­do do mar, li­vre de es­tru­tu­ras sub­ma­ri­nas. A 7 de Mar­ço pas­sa­do, o Va­la­ris DS-8 (na­vio de per­fu­ra­ção) so­freu um in­ci­den­te de não per­fu­ra­ção du­ran­te a ope­ra­ção no ex­te­ri­or de An­go­la, re­sul­tan­do na des­co­ne­xão da pi­lha do pre­ven­tor de ex­plo­sões (BOP) do “ri­ser”, en­quan­to a pla­ta­for­ma se mo­via en­tre lo­cais bem pró­xi­mos.

A em­pre­sa Va­la­ris lo­ca­li­zou a pi­lha de BOP e já tra­ba­lha ac­ti­va­men­te pa­ra re­cu­pe­rar ou subs­ti­tuir a pi­lha de BOP, pa­ra que as ope­ra­ções pos­sam ser re­to­ma­das. Ne­nhum fe­ri­men­to, po­lui­ção am­bi­en­tal ou da­no de ter­cei­ros re­sul­tou da pi­lha de BOP, ain­da que a com­pa­nhia con­ti­nua a in­ves­ti­gar a cau­sa do in­ci­den­te.

A VA­LA­RIS DIS­SE QUE A EM­PRE­SA POS­SUI SE­GU­RO CON­TRA PER­DA DE CON­TRA­TO PA­RA O NA­VIO DE PER­FU­RA­ÇÃO VA­LA­RIS DS-8 E PROCURARÁ RE­CU­PE­RAR AS PER­DAS INCORRIDAS

Cus­tos do in­ci­den­te

O in­ci­den­te po­de cus­tar à em­pre­sa o con­tra­to de per­fu­ra­ção. O na­vio de per­fu­ra­ção foi con­tra­ta­do pa­ra ope­rar pa­ra a To­tal até Novembro des­te ano, a uma ta­xa ope­ra­ci­o­nal de apro­xi­ma­da­men­te 620 mil dó­la­res por dia. A son­da de per­fu­ra­ção, pro­jec­ta­da pe­la Sam­sung GF12000, es­tá a tra­ba­lhar pa­ra a To­tal des­de 2015. Po­rém, se­gun­do a em­pre­sa, is­to po­de fa­zer com que o ter­mo da son­da se­ja en­cur­ta­do, ca­so a To­tal de­ci­da fa­zê-lo.

A ope­ra­do­ra po­de­ria ten­tar res­cin­dir o con­tra­to de per­fu­ra­ção da Va­la­ris DS-8, co­mo re­sul­ta­do des­se in­ci­den­te. Se es­se con­tra­to de per­fu­ra­ção fos­se res­cin­di­do, di­mi­nui­ria a car­tei­ra de re­cei­tas con­tra­ta­das da com­pa­nhia em 2,5 mil mi­lhões de dó­la­res, a 31 de De­zem­bro de 2019, em apro­xi­ma­da­men­te 150 mi­lhões de dó­la­res e im­pac­tar, ne­ga­ti­va­men­te, a ori­en­ta­ção EBITDA da em­pre­sa pa­ra 2020, de 210 a 240 mi­lhões de dó­la­res, em apro­xi­ma­da­men­te 150 mi­lhões, in­cluin­do os cus­tos es­ti­ma­dos de re­pa­ro da BP.

A Va­la­ris dis­se que a em­pre­sa pos­sui se­gu­ro con­tra per­da de con­tra­to pa­ra o na­vio de per­fu­ra­ção Va­la­ris DS-8 e procurará re­cu­pe­rar as per­das incorridas. Se­gun­do da­dos da Ma­ri­neT­raf­fic, o na­vio-son­da es­tá lo­ca­li­za­do no Blo­co 32, na cos­ta an­go­la­na, per­to do FPSO Ka­om­bo Sul. O blo­co é ope­ra­do pe­la em­pre­sa fran­ce­sa de pe­tró­leo To­tal.

DR

Um dos na­vi­os da em­pre­sa de per­fu­ra­ção Va­la­ris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.