Mu­lhe­res do­mi­nam co­mér­cio in­for­mal nas ru­as da ci­da­de do Cui­to

Es­cas­sez de em­pre­go no meio ru­ral es­tá na ba­se do ele­va­do nú­me­ro de se­nho­ras que co­mer­ci­a­li­za um con­jun­to va­ri­a­do de bens nas di­ver­sas ar­té­ri­as da ci­da­de

Jornal Economia and Finanças - - EMPRESAS - Del­fi­na Vic­to­ri­no no Cui­to

Oco­mér­cio de rua, vul­gar­men­te co­nhe­ci­do co­mo zun­ga, na pro­vín­cia do Bié, é fei­to na sua mai­o­ria por mu­lhe­res de vá­ri­os ex­trac­tos so­ci­ais e aca­dé­mi­cos que pro­cu­ram ren­di­men­tos pa­ra su­prir as ne­ces­si­da­des das fa­mí­li­as.

Se­gun­do cons­ta­tou o JE, na ci­da­de do Cui­to, a mai­or par­te das mu­lhe­res exerce o du­plo pa­pel de che­fes de fa­mí­li­as e mães.

Lo­go pe­la ma­nhã, é vi­sí­vel o nú­me­ro de mu­lhe­res com ba­ci­as à ca­be­ça, a abri­rem as bou­ti­ques, lo­jas e ou­tras a alu­ga­rem vi­a­tu­ras pa­ra a com­pra e co­mer­ci­a­li­za­ção de pro­du­tos ali­men­ta­res que pro­vêm do in­te­ri­or dos mu­ni­cí­pi­os.

Nos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, ru­as e nos mer­ca­dos, a pre­sen­ça de mu­lhe­res na ac­ti­vi­da­de mer­can­til é de um nú­me­ro ele­va­do em re­la­ção aos ho­mens.

A zun­ga, é exer­ci­da mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por mu­lhe­res pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­as lo­ca­li­da­des, des­de o in­te­ri­or dos mu­ni­cí­pi­os e até de Lu­an­da pa­ra “des­pa­char” o negócio.

Na ven­da de rou­pas, pro­du­tos ali­men­ta­res e de cons­tru­ção, mo­bi­liá­ri­os, agên­ci­as ban­cá­ri­as, ins­ti­tui­ções pú­bli­cas en­tre ou­tras ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais, é no­tó­ria a pre­sen­ça de mu­lhe­res a ge­ri­rem os ne­gó­ci­os.

O JE con­ver­sou com al­gu­mas zungueiras na ci­da­de do Cui­to e to­das fo­ram unâ­ni­mes em afir­mar ser di­fí­cil sus­ten­tar a fa­mí­lia com o negócio da zun­ga.

Por exem­plo, Eu­ni­ce Me­ne­zes de 34 anos, mãe de dois fi­lhos, dis­se es­tar a fa­zer a 11ª clas­se em Ci­ên­ci­as Hu­ma­nas na es­co­la do II Ci­clo da 4ª Di­vi­são, na ci­da­de do Cui­to. E pa­ra não fi­car pa­ra­da pro­cu­ra fa­zer negócio de rou­pas de far­do com­pran­do ba­lões no Hu­am­bo pa­ra ven­der nas ime­di­a­ções do hos­pi­tal mu­ni­ci­pal do Cui­to.

A co­mer­ci­an­te dis­se que exerce es­ta ac­ti­vi­da­de des­de 2005 pa­ra sus­ten­tar os fi­lhos, ir­mãos e so­bri­nhos que tam­bém es­tu­dam.

Ve­ró­ni­ca Vihem­ba, ou­tra mu­lher de 38 anos, mãe de 8 fi­lhos, é ven­de­do­ra de bis­coi­tos e su­mos. Ex­pli­cou que pa­rou de ven­der car­ne se­ca na­tu­ral por fal­ta de di­nhei­ro. “Ago­ra es­tou a zun­gar bo­la­chas e su­mos só pa­ra sus­ten­tar os fi­lhos”, de­cla­rou.

Em re­la­ção às mu­lhe­res que ge­rem es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais ali­men­ta­res e de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, o nú­me­ro tam­bém é ele­va­do em vá­ri­as ar­té­ri­as da ci­da­de do Cui­to.

Pau­la So­a­res, ge­ren­te e bal­co­nis­ta de um es­ta­be­le­ci­men­to co­mer­ci­al de mé­dio por­te, há 14 anos, no Cui­to, dis­se que con­se­gue sus­ten­tar a sua fa­mí­lia com es­ta ocu­pa­ção por­que sem­pre gos­tou de fa­zer negócio.

Dis­se que tem ren­di­men­to su­fi­ci­en­te pa­ra su­por­tar as des­pe­sas dos fi­lhos na es­co­la e na ali­men­ta­ção, ale­gan­do que a zun­ga es­tá li­ga­da à es­cas­sez de em­pre­go.

NA CI­DA­DE DO CUI­TO, A MAI­OR PAR­TE DAS ZUNGUEIRAS EXERCE O DU­PLO PA­PEL DE CHE­FES DE FA­MÍ­LIA E MÃES

EDI­ÇÕES NOVEMBRO

Ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al a céu aber­to, na ci­da­de do Cui­to, é fei­ta mai­o­ri­ta­ri­a­men­te por se­nho­ras de di­fe­ren­tes ex­trac­tos so­ci­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.