Ni­gé­ria des­va­lo­ri­za mo­e­da pa­ra man­ter as re­ser­vas ex­ter­nas

Jornal Economia and Finanças - - ÁFRICA -

A consultora Ca­pi­tal Eco­no­mics con­si­de­rou que o ban­co cen­tral da Ni­gé­ria, mai­or pro­du­tor de pe­tró­leo da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na e de ou­tras na­ções, vão ser obri­ga­dos a des­va­lo­ri­zar as mo­e­das pa­ra man­te­rem as re­ser­vas ex­ter­nas.

“Es­pe­ra­mos que os de­ci­so­res po­lí­ti­cos na Ni­gé­ria vão ser for­ça­dos a des­va­lo­ri­zar a sua mo­e­da na­ci­o­nal num es­for­ço pa­ra con­ser­var as re­ser­vas em mo­e­da ex­ter­nas”, es­cre­vem os ana­lis­tas nu­ma no­ta so­bre co­mo as prin­ci­pais eco­no­mi­as afri­ca­nas vão en­fren­tar es­ta se­ma­na, que de­ve­rá ser mar­ca­da pe­lo im­pac­to do no­vo co­ro­na­ví­rus no ter­ri­tó­rio afri­ca­no.

“O nú­me­ro de ca­sos con­fir­ma­dos na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na é ain­da es­cas­so, mas já du­pli­cou fa­ce à se­ma­na pas­sa­da, ha­ven­do, ain­da as­sim, me­nos ca­sos con­fir­ma­dos en­tre os mil mi­lhões de afri­ca­nos do que no es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no do Mas­sa­chus­sets”, con­tex­tu­a­li­zam os ana­lis­tas.

Nu­ma no­ta de aná­li­se en­vi­a­da dos cli­en­tes, e a que a Lu­sa te­ve aces­so, a Ca­pi­tal Eco­no­mics es­cre­ve que “um sur­to sus­ten­ta­do na Áfri­ca Aub­sa­a­ri­a­na po­de ser di­fí­cil de con­ter” e lem­bra que “a mai­o­ria dos paí­ses afri­ca­nos tem 3 a 10 ca­mas de hos­pi­tais pa­ra ca­da 10 mil re­si­den­tes, com­pa­ra­do com as 30 a 60 na Eu­ro­pa”.

No co­men­tá­rio, os ana­lis­tas aler­tam que “mes­mo que es­ta re­gião con­si­ga evi­tar um sur­to em gran­de es­ca­la, a re­gião não vai evi­tar o im­pac­to eco­nó­mi­co do ví­rus”, que se jun­ta ao efei­to da re­du­ção dos pre­ços do pe­tró­leo nos paí­ses ex­por­ta­do­res des­ta ma­té­ria-pri­ma, co­mo Ni­gé­ria e An­go­la.

“Na Ni­gé­ria, o au­men­to dos volumes de pro­du­ção e o gran­de sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro vai aju­dar a aco­mo­dar o im­pac­to, mas em An­go­la, pe­lo con­trá­rio, pen­sa­mos que as re­cei­tas de ex­por­ta­ção vão cair qua­se 2,5% do PIB

O AU­MEN­TO DOS VOLUMES DE PRO­DU­ÇÃO

E O GRAN­DE SEC­TOR

NÃO PE­TRO­LÍ­FE­RO VAI ATE­NU­AR O IM­PAC­TO

só no I tri­mes­tre”, tor­nan­do An­go­la o país mais afec­ta­do por es­te con­tex­to e “em­pur­ran­do a eco­no­mia pa­ra uma re­ces­são ain­da mai­or, es­te ano”.

No ano pas­sa­do, a mo­e­da an­go­la­na já re­gis­tou uma que­bra de cer­ca de 30% fa­ce ao dó­lar, o que mo­ti­vou, em par­te, a su­bi­da da dí­vi­da pú­bli­ca pa­ra ní­veis a ron­dar os 100% do PIB.

A Ni­gé­ria é clas­si­fi­ca­da co­mo uma eco­no­mia mis­ta e um mer­ca­do emer­gen­te. O país já atin­giu o ní­vel de ren­da mé­dia-bai­xa de acor­do com o Ban­co Mun­di­al, com a sua ofer­ta abun­dan­te de re­cur­sos na­tu­rais e com sec­to­res fi­nan­cei­ros im­por­tan­tes, co­mo de te­le­co­mu­ni­ca­ções, trans­por­tes e o mer­ca­do de ac­ções da Bol­sa de Va­lo­res Ni­ge­ri­a­na, que é a se­gun­do mai­or da Áfri­ca

É o 12º mai­or pro­du­tor e o oi­ta­vo mai­or ex­por­ta­dor de pe­tró­leo do mun­do, além de ter as 10 mai­o­res re­ser­vas pro­va­das des­te re­cur­so. En­trou pa­ra a OPEP em 1971 e o pro­du­to de­sem­pe­nha um gran­de pa­pel na eco­no­mia lo­cal, res­pon­den­do por 40% do PIB e por 80% do or­ça­men­to do go­ver­no ni­ge­ri­a­no. A agi­ta­ção por um me­lhor con­tro­lo dos re­cur­sos no Del­ta do Ní­ger, le­vou a in­ter­rup­ções na pro­du­ção e im­pe­de o país de ex­por­tar com 100% da ca­pa­ci­da­de.

DR

La­gos, ca­pi­tal eco­nó­mi­ca da Ni­gé­ria, tem re­gis­ta­do for­te cres­ci­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.