Se­te ac­ti­vi­da­des la­bo­rais afec­ta­das pe­lo co­ro­na­ví­rus

As ha­bi­tu­ais sau­da­ções e as reu­niões pre­sen­ci­ais ac­tu­ais po­dem vir a mu­dar a cul­tu­ra e afec­tar os ne­gó­ci­os das em­pre­sas

Jornal Economia and Finanças - - GESTÃO -

Oco­ro­na­ví­rus tem mos­tra­do que al­gu­mas tra­di­ções do am­bi­en­te cor­po­ra­ti­vo são re­al­men­te pre­ju­di­ci­ais – tan­to pa­ra os in­di­ví­du­os quan­to pa­ra os ne­gó­ci­os. Por con­ta da imi­nen­te pan­de­mia, as em­pre­sas es­tão a re­pen­sar al­gu­mas ati­tu­des e prá­ti­cas no lo­cal de tra­ba­lho.

So­men­te o tem­po di­rá com que ra­pi­dez es­sas mu­dan­ças cons­ti­tui­rão a nor­ma e se se­rão tem­po­rá­ri­as ou per­ma­nen­tes. Mas, com cer­te­za, o slo­gan dos anún­ci­os da Bell Te­lepho­ne Com­pany nos anos 1960 – “lon­ga dis­tân­cia é a me­lhor coi­sa pa­ra es­tar lá” – aca­ba­rá por se tor­nar o man­tra de lí­de­res que pro­cu­ram man­ter o seu pes­so­al sau­dá­vel e pro­du­ti­vo den­tro das or­ga­ni­za­ções.

Ve­ja as prá­ti­cas tra­di­ci­o­nais que pro­va­vel­men­te se­rão subs­ti­tuí­das, di­mi­nuí­das ou de­sa­pa­re­ce­rão com­ple­ta­men­te:

1. Sau­da­ções - As sau­da­ções co­muns no mun­do dos ne­gó­ci­os, que vão des­de aper­tar as mãos até o bei­jo eu­ro­peu na bo­che­cha, po­dem ser con­si­de­ra­das mui­to ar­ris­ca­das. Elas po­dem ser subs­ti­tuí­das pe­la me­nos pre­cá­ria “ba­ti­da de co­to­ve­lo” ou até mes­mo pe­lo ac­to de se cur­var di­an­te do ou­tro, o que é co­mum em mui­tos paí­ses do Les­te asiá­ti­co.

2. Reu­niões pre­sen­ci­ais - As em­pre­sas já ca­re­cem que o seu pes­so­al tra­ba­lhe em ca­sa. Com o tem­po, is­so po­de se tor­nar o tra­ba­lho re­mo­to a re­gra e, con­se­quen­te­men­te, as reu­niões ocor­re­rão por meio de vi­de­o­con­fe­rên­ci­as. Exis­tem mui­tas fer­ra­men­tas tec­no­ló­gi­cas dis­po­ní­veis, des­de o Zo­om e o Sky­pe até o WebEx e o Te­le­pre­sen­ce. Por se­rem ac­ti­va­dos por ví­deo, per­mi­tem que os par­ti­ci­pan­tes en­tre­guem uma co­mu­ni­ca­ção com­ple­ta e se en­vol­vam em uma pseu­do sa­la de reu­nião;

3. Even­tos de equi­pa - Os even­tos de happy hour po­dem de­sa­pa­re­cer por um tem­po ou pa­ra sem­pre, de­vi­do à pos­sí­vel ex­po­si­ção aos ger­mes. Es­sas ac­ti­vi­da­des em equi­pa es­ti­mu­lam o com­pa­nhei­ris­mo e a co­ne­xão, mas po­dem fi­car em se­gun­do pla­no quan­do a saú­de do gru­po es­tá em ris­co;

4. En­tre­vis­tas de can­di­da­tos - No pro­ces­so de ad­mis­são, é co­mum que mui­tos can­di­da­tos se di­ri­jam ao es­cri­tó­rio pa­ra se­rem en­tre­vis­ta­dos pe­los fun­ci­o­ná­ri­os ac­tu­ais, co­mo o di­rec­tor de re­cur­sos hu­ma­nos ou o ges­tor de con­tra­ta­ção, en­tre ou­tros exe­cu­ti­vos. Quan­do os as­pi­ran­tes às va­gas con­se­guem uma en­tre­vis­ta co­bi­ça­da, é im­pro­vá­vel que re­mar­quem se es­ti­ve­rem do­en­tes; 5. Con­fe­rên­ci­as - Al­guns even­tos e con­fe­rên­ci­as se­rão can­ce­la­dos pa­ra sem­pre ou subs­ti­tuí­dos por ré­pli­cas on­li­ne do mun­do re­al – re­ple­tas de ses­sões de apren­di­za­do, sa­las de ex­po­si­to­res e even­tos de networ­king vir­tu­ais. Com es­se apri­mo­ra­men­to da tec­no­lo­gia, até mes­mo opor­tu­ni­da­des de co­nhe­cer pes­so­al­men­te seus con­tac­tos po­dem even­tu­al­men­te ser subs­ti­tuí­das por uma ex­pe­ri­ên­cia di­gi­tal;

6. Tra­ba­lhar do­en­te - Se tra­ba­lha num es­cri­tó­rio, é pro­vá­vel que um ou mais dos seus co­le­gas es­te­jam com olhos aver­me­lha­dos. Tem si­do es­tra­nha­men­te acei­tá­vel que as pes­so­as tra­ba­lhem do­en­tes. Na ver­da­de, es­sa ati­tu­de é en­ca­ra­da co­mo um sím­bo­lo de le­al­da­de e com­pro­me­ti­men­to com a em­pre­sa, mes­mo que es­te­ja cla­ro que es­sas pes­so­as de­ve­ri­am es­tar na ca­ma.

AS FORMAÇÕES E CONTRACÇÃO DE NO­VOS TA­LEN­TOS PO­DE­RÃO SER TEM­PO­RA­RI­A­MEN­TE SUS­PEN­SOS NUM PE­RÍO­DO DE CUR­TO E LON­GO PRA­ZO

7. Pro­gra­mas de de­sen­vol­vi­men­to de ta­len­tos - Mui­tas em­pre­sas já es­tão a adaptar di­ver­sas ac­ti­vi­da­des de trei­na­men­to, co­mo ofi­ci­nas pre­sen­ci­ais tra­di­ci­o­nais, pa­ra pro­gra­mas on­li­ne que po­dem ser re­a­li­za­dos a qual­quer ho­ra e em qual­quer lu­gar, nos quais o ví­deo é o prin­ci­pal re­cur­so de apren­di­za­do.

Mil­len­ni­als e tra­ba­lha­do­res da Ge­ra­ção Z re­al­men­te pre­fe­rem es­sa ma­nei­ra de apren­der. É pro­vá­vel que, ago­ra, o vo­lu­me des­ses trei­na­men­tos em ví­deo au­men­te. A mai­or per­da é não ter to­dos os par­ti­ci­pan­tes na mes­ma sa­la, tro­can­do co­nhe­ci­men­to uns com os ou­tros, não ape­nas com o ins­tru­tor. Por is­so, os sis­te­mas de apren­di­za­do que per­mi­ti­rem a in­te­rac­ção do alu­no se­rão mais pro­cu­ra­dos.

DR

Or­ga­ni­za­ções em to­do o mun­do já co­me­ça­ram a adop­tar me­di­das de pre­ven­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.