Co­ro­na­ví­rus ge­ra in­cer­te­zas em Hollywo­od

Jornal Economia and Finanças - - LAZER -

Os im­pac­tos da pan­de­mia de Co­ro­na­ví­rus já che­ga­ram à in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to e os seus efei­tos de­vem ser sen­ti­dos por al­gum tem­po. Sé­ri­es e fil­mes ti­ve­ram as su­as fil­ma­gens can­ce­la­das por tem­po in­de­ter­mi­na­do, as­sim co­mo as pro­du­ções que de­ve­ri­am che­gar aos ci­ne­mas nos pró­xi­mos me­ses, fo­ram adi­a­das.

As sé­ri­es de­vem so­frer as con­sequên­ci­as mais pe­sa­das. Exe­cu­ti­vos que tra­ba­lham no sec­tor acre­di­tam que as tem­po­ra­das que es­tão a ser pro­du­zi­das po­dem en­cer­rar com até qua­tro epi­só­di­os a me­nos do pre­vis­to.

“Sen­do re­a­lis­ta, to­da sé­rie que can­ce­la as gra­va­ções é uma sé­rie fi­na­li­za­da”, dis­se um exe­cu­ti­vo. E mes­mo com a si­tu­a­ção nor­ma­li­za­da, é pou­co pro­vá­vel que al­gum es­tú­dio op­te por re­tor­nar às gra­va­ções. “Não faz sen­ti­do vol­tar num mês pa­ra gra­var um epi­só­dio ou dois”, ex­pli­cou ou­tra fon­te. Com tan­tos can­ce­la­men­tos, os pro­fis­si­o­nais do sec­tor já co­me­çam a sen­tir o im­pac­to di­rec­to. Por de­pen­de­rem das pro­du­ções pa­ra re­ce­ber, pes­so­as que fa­zem par­te de equi­pas téc­ni­cas de fil­mes e sé­ri­es não sa­bem co­mo irão fa­zer pa­ra li­dar com a pau­sa das gra­va­ções.

É o ca­so de Lia Towers, as­sis­ten­te de ge­ren­te de lo­ca­ção que já tra­ba­lhou em fil­mes co­mo Baywat­ch: S.O.S.

Ma­li­bu. Com o can­ce­la­men­to das gra­va­ções da sé­rie que ela es­ta­va a tra­ba­lhar, o seu fu­tu­ro é in­cer­to. “To­do mun­do es­tá em es­ta­do de cho­que”, dis­se Towers. “Não te­mos ideia de quan­do as coi­sas vão co­me­çar de no­vo”. Pro­du­to­res in­de­pen­den­tes tam­bém já es­tão sen­tin­do os efei­tos da pan­de­mia de Co­ro­na­ví­rus.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.