O im­pac­to das re­for­mas fis­cais

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - Por: Fé­lix Iná­cio

Os no­vos ven­tos que so­pram so­bre a so­ci­e­da­de an­go­la­na, vêm des­per­tan­do um in­te­res­se mar­gi­nal dos ci­da­dãos,nos prin­ci­pais te­mas da ac­tu­a­li­da­de eco­nó­mi­ca, abor­da­dos pe­ri­o­di­ca­men­te nos areó­pa­gos de re­al­ce da im­pren­sa na­ci­o­nal. As­sim sen­do, as­sun­tos re­la­ci­o­na­dos ao en­di­vi­da­men­to pú­bli­co, saú­de das fi­nan­ças pú­bli­cas, ou pre­pa­ra­ção e apro­va­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, tem ca­pi­ta­li­za­do a aten­ção dos mais afic­ci­o­na­dos, com a in­ter­pre­ta­ção dos pos­sí­veis ce­ná­ri­os fa­vo­rá­veis ou des­fa­vo­rá­veis que pos­sam ad­vir da pro­gra­ma­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca do Es­ta­do.

Con­si­de­ran­do, o pe­so mas­si­vo do Es­ta­do na eco­no­mia, as pri­o­ri­da­des de­fi­ni­das no OGE, aca­bam por ter um im­pac­to trans­ver­sal em to­dos os sec­to­res da vi­da eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país, ra­zão pe­la qual, o re­fe­ri­do do­cu­men­to sus­ci­ta um in­te­res­se pú­bli­co ca­da vez mais abran­gen­te na nos­sa so­ci­e­da­de.

To­da­via, o OGE 2020 apro­va­do e em exe­cu­ção, apre­sen­ta for­tes si­nais de aus­te­ri­da­de a jul­gar pe­las pri­o­ri­da­des de­fi­ni­das. Por con­se­guin­te, cha­ma aten­ção a ru­bri­ca re­fe­ren­te à alo­ca­ção de 60 por cen­to dos fun­dos a se­rem ar­re­ca­da­dos das re­cei­tas pa­ra o pa­ga­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca. Não obs­tan­te, o es­ta­do de hi­ber­na­ção do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro, com pou­cos in­ves­ti­men­tos no sec­tor e a de­sa­ce­le­ra­ção con­tí­nua dos ní­veis de pro­du­ção e, ten­do o pre­ço de ven­da a re­bo­que da vo­la­ti­li­da­de dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais, o equi­lí­brio das fi­nan­ças pú­bli­cas de­pen­de­rá subs­tan­ci­al­men­te da arrecadaçã­o de re­cei­tas fis­cais pro­ve­ni­en­te do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro. En­tre­tan­to, es­ta si­tu­a­ção si­na­li­za um pre­lú­dio di­fí­cil pa­ra os con­tri­buin­tes, que con­ti­nu­a­ram a su­por­tar a já as­fi­xi­an­te po­lí­ti­ca fis­cal, con­subs­tan­ci­a­da no pro­gres­si­vo alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria, na ac­tu­a­li­za­ção de ta­xas e na ex­ten­são da in­ci­dên­cia ob­jec­ti­va de al­guns im­pos­tos directos e,na subs­ti­tui­ção de al­guns im­pos­tos in­di­rec­tos que não ga­ran­tem efi­ci­ên­cia tri­bu­tá­ria pa­ra o Es­ta­do.

Po­rém, a re­vi­são de im­pos­tos directos co­mo Imposto so­bre Ren­di­men­to de Tra­ba­lho (IRT), traduzir-se-á nu­ma mai­or arrecadaçã­o de re­cei­tas fis­cais pa­ra o Es­ta­do e, por ou­tro la­do, pa­ra os con­tri­buin­tes, so­bre­tu­do a clas­se tra­ba­lha­do­ra, te­rá um sa­bor amar­go, ob­ser­var-se-á a re­du­ção da mas­sa mo­ne­tá­ria au­fe­ri­da nos seus or­de­na­dos.Não obs­tan­te, a que­da do po­der de com­pra de­vi­do o po­der cor­ro­si­vo da in­fla­ção so­bre os pre­ços, a re­du­ção da mas­sa sa­la­ri­al por ine­rên­cia do au­men­to da car­ga fis­cal, vai cri­ar um gap na ges­tão das fi­nan­ças pes­so­ais. En­tre­tan­to, a ma­nu­ten­ção da qua­li­da­de de vi­da das fa­mí­li­as pas­sa­rá a cons­ti­tuir uma ta­re­fa her­cu­la­na, nal­gu­mas ve­zes se­rá ne­ces­sá­rio o en­saio de es­tra­té­gi­as de so­bre­vi­vên­cia que não fe­rem os prin­cí­pi­os da va­lo­ra­ção éti­ca e mo­ral da so­ci­e­da­de.Em ou­tras si­tu­a­ções o equi­lí­brio das fi­nan­ças pes­so­ais no cum­pri­men­to das obri­ga­ções cor­ren­tes, exi­gi­rão a in­tro­du­ção de prin­cí­pi­os de edu­ca­ção fi­nan­cei­ra co­mo fa­rol prin­ci­pal na ori­en­ta­ção das de­ci­sões quan­to ao con­su­mo, de mo­do, a cons­ti­tuir re­ser­vas que per­mi­tem mi­ti­gar even­tu­ais si­tu­a­ções de ris­co e ga­ran­tir o au­men­to da ca­pa­ci­da­de de re­si­li­ên­cia das fa­mí­li­as fa­ce aos cho­ques ex­ter­nos no mer­ca­do de bens de con­su­mo.

Por­tan­to, a re­a­li­za­ção de re­for­mas fis­cais de­ve ser pre­ce­di­da da in­tro­du­ção de au­to­ma­tis­mos ou me­ca­nis­mos com­pen­sa­tó­ri­os que per­mi­tem mi­ti­gar os efei­tos per­ni­ci­o­sos pro­du­zi­dos pe­lo agra­va­men­to da car­ga fis­cal. A pros­se­cu­ção des­ta me­di­da, pa­ra além de con­tri­buir pa­ra mai­or equi­da­de na re­dis­tri­bui­ção do ren­di­men­to na­ci­o­nal, tam­bém ele­va a mo­ral tri­bu­tá­ria da po­pu­la­ção, por re­ver-se nos be­ne­fí­ci­os so­ci­ais ad­vin­dos do pa­ga­men­to dos seus tri­bu­tos ao Es­ta­do. Po­rém a inob­ser­vân­cia des­ta me­di­da na re­a­li­za­ção das re­for­mas fis­cais, ape­nas con­tri­bui pa­ra a de­ses­tru­tu­ra­ção da ges­tão das fi­nan­ças pes­so­ais, cri­an­do uma cri­se no con­su­mo das fa­mí­li­as, e, ge­ran­do um efei­to con­ta­gi­o­so so­bre as em­pre­sas, de­vi­do à re­du­ção da liquidez, as­fi­xi­an­do o de­sen­vol­vi­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al sub­sis­ten­te do mau am­bi­en­te de negócio e cri­se eco­nó­mi­ca.

A RE­VI­SÃO DE IM­POS­TOS DIRECTOS CO­MO IMPOSTO SO­BRE REN­DI­MEN­TO DE TRA­BA­LHO (IRT), TRADUZIR-SE-Á NU­MA MAI­OR ARRECADAÇíO DE RE­CEI­TAS FIS­CAIS PA­RA O ES­TA­DO

EDI­ÇÕES NOVEMBRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.