Ins­ti­tui­ções e te­sou­ra­ria

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - Por: To­más Fa­ria

É prá­ti­ca qua­se ge­ne­ra­li­za­da de ges­to­res que têm um pen­dor ele­va­do de con­tro­lar as ins­ti­tui­ções que di­ri­gem por via da Te­sou­ra­ria, is­to é, pe­los re­ce­bi­men­tos e pa­ga­men­tos. Por ou­tras pa­la­vras, pa­ra eles, ge­rir a ins­ti­tui­ção é con­tro­lar o di­nhei­ro que en­tra e o que sai, pois, acham que se is­to es­ti­ver con­tro­la­do, a or­ga­ni­za­ção es­tá sob seu con­tro­lo e por con­se­guin­te es­tá tu­do bem. Ge­ral­men­te, eles in­di­cam pa­ra os seus sec­to­res de fi­nan­ças pes­so­as da sua con­fi­an­ça, co­mo for­ma de con­tro­lar me­lhor prin­ci­pal­men­te ca­da uni­da­de mo­ne­tá­ria que sai dos co­fres da ins­ti­tui­ção.

Ora ve­ja­mos, por que se­rá que uma uni­da­de mo­ne­tá­ria sai dos co­fres da nos­sa ins­ti­tui­ção? Em bom ri­gor, sai por­que pre­ci­sa­mos fa­zer fa­ce às ac­ti­vi­da­des dos pro­ces­sos bá­si­cos de um negócio que são com­prar e ven­der. Ou se­ja, por­que com­pra­mos ou ven­de­mos al­go, sen­do que des­tas ac­ti­vi­da­des re­sul­ta o pa­ga­men­to a um ele­men­to que aca­ba por ser só­cio de to­das as ins­ti­tui­ções (o Es­ta­do), já que qua­se to­das as tran­sac­ções dão lu­gar a um imposto.

En­tão, po­de­mos per­ce­ber que o di­nhei­ro só sai dos co­fres por­que ne­ces­si­ta­mos fa­zer fa­ce a um com­pro­mis­so, in­de­pen­den­te­men­te do que com­pra­mos. Quer se­ja ser­vi­ço de se­gu­ran­ça pa­ra a ins­ti­tui­ção, quer mer­ca­do­ri­as a se­rem (re)ven­di­das, ou ain­da for­ça de tra­ba­lho pa­ra fa­zer fun­ci­o­nar a or­ga­ni­za­ção, co­mo tam­bém de­vi­do ao que é imposto pe­lo Es­ta­do pe­lo fac­to de es­tar­mos a fa­zer negócio. Por is­so,fi­ca cla­ro que, em con­di­ções nor­mais, uma vez as­su­mi­do um com­pro­mis­so, te­re­mos de o pa­gar tar­de ou ce­do. Lo­go, por mais se­lec­ti­va que a ins­ti­tui­ção se­ja no que con­cer­ne ao que vai ou não pa­gar, o que é de­vi­do se­rá pa­go. Re­pi­to, em con­di­ções nor­mais.

En­tre­tan­to, bem vis­tas as coi­sas, não é por via da Te­sou­ra­ria que de­ve­mos con­tro­lar as ins­ti­tui­ções. Pois, pa­ra a Te­sou­ra­ria ape­nas vão fac­tos con­su­ma­dos (com­pro­mis­sos as­su­mi­dos). O meu con­se­lho é que se de­ve con­tro­lar a ins­ti­tui­ção por via da com­pra. Is­to é, no mo­men­to em que se pen­sa as­su­mir o com­pro­mis­so, an­tes da con­tra­ta­ção, pa­ra que na Te­sou­ra­ria vá so­men­te o que foi de­vi­da­men­te as­su­mi­do.

Mas, pa­ra que is­so acon­te­ça, é im­pe­ri­o­so que a ins­ti­tui­ção te­nha um ri­gor na pre­pa­ra­ção do seu pla­no de ac­ti­vi­da­des, tam­bém cha­ma­do vul­gar­men­te de pla­no de ne­gó­ci­os. É es­te ins­tru­men­to que ser­vi­rá de guião pa­ra a ins­ti­tui­ção mo­ni­to­rar tu­do o que de­ve­rá fa­zer e com ba­se no mes­mo se­rá ela­bo­ra­do o res­pec­ti­vo or­ça­men­to. Cha­mo aqui aten­ção de­vi­do a um er­ro fre­quen­te que te­nho as­sis­ti­do em as­sem­blei­as ge­rais de di­ver­sas ins­ti­tui­ções quer pú­bli­ca co­mo pri­va­da. É que al­gu­mas apre­sen­tam pla­nos de ac­ti­vi­da­de que não se re­flec­tem no or­ça­men­to, as­sim co­mo há ca­sos de or­ça­men­tos sem que ha­ja um pla­no de ac­ti­vi­da­des. É im­por­tan­te que se sai­ba que o or­ça­men­to é tão so­men­te a va­lo­ri­za­ção do pla­no. Sim­pli­fi­can­do a lin­gua­gem, se não te­mos ne­nhu­ma ac­ti­vi­da­de a re­a­li­zar, na prá­ti­ca não pre­ci­sa­mos de ela­bo­rar um or­ça­men­to. Ou­tros ca­sos são de or­ça­men­tos ela­bo­ra­dos com ba­se no his­tó­ri­co de anos an­te­ri­o­res, em que de­pois adi­ci­o­nam ou sub­tra­em uma de­ter­mi­na­da per­cen­ta­gem, is­to não se­gue a ló­gi­ca.

A pro­pó­si­to do or­ça­men­to, exis­tem ins­ti­tui­ções que quan­do têm ne­ces­si­da­de de equi­li­brar o or­ça­men­to, de mo­do que a re­cei­ta pre­vis­ta cu­bra a des­pe­sa, ge­ral­men­te, vão pa­ra as ru­bri­cas do or­ça­men­to e é ali on­de efec­tu­am o cor­te, o que não é cor­rec­to. Sen­do o or­ça­men­to ape­nas a va­lo­ri­za­ção do pla­no, em vez de cor­tar no or­ça­men­to, o que de­ve ser fei­to é iden­ti­fi­car no pla­no a ac­ti­vi­da­de que não se­rá pri­o­ri­da­de e re­ti­rar e com is­so tam­bém o va­lor no or­ça­men­to. E is­to só é pos­sí­vel nos ca­sos em que o or­ça­men­to é ela­bo­ra­do com ba­se no pla­no. Em ter­mos prá­ti­cos, sig­ni­fi­ca que se ti­ver­mos no pla­no uma vi­a­gem pa­ra ir vi­si­tar um cli­en­te, no or­ça­men­to te­re­mos o va­lor do trans­por­te, alo­ja­men­to e ali­men­ta­ção se for o ca­so. Lo­go, se a vi­a­gem não for pri­o­ri­da­de, é re­ti­ra­da do pla­no e a sua va­lo­ri­za­ção é re­ti­ra­da do or­ça­men­to. É is­to que é o nor­mal.

Por­tan­to, con­tro­las­se as ins­ti­tui­ções pe­la com­pra (com­pro­mis­so). Não se per­mi­ta que qual­quer um com­pro­me­ta a ins­ti­tui­ção. E is­to de­ve fi­car es­cri­to nos es­ta­tu­tos da or­ga­ni­za­ção, prin­ci­pal­men­te em ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Co­nhe­ço ges­to­res de fe­de­ra­ções des­por­ti­vas que re­a­li­zam ac­ti­vi­da­des não apro­va­das pe­las su­as as­sem­blei­as e na fal­ta de di­nhei­ro na ins­ti­tui­ção, uti­li­zam o seu di­nhei­ro pa­ra de­pois co­lo­ca­rem a Fe­de­ra­ção co­mo sua de­ve­do­ra. Is­to não de­ve­ria ser con­si­de­ra­do co­mo dí­vi­da mas sim uma do­a­ção que fi­ze­ram ao or­ga­nis­mo que di­ri­gem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.