“Es­que­mas” nas gi­ra­fas de água pre­o­cu­pam os ca­mi­o­nis­tas

Jornal Economia and Finanças - - DESTAQUE - An­dré Si­bi

As ne­go­ci­a­tas ou “es­que­mas” es­tão a dei­xar in­qui­e­tos os ca­mi­o­nis­tas que fre­quen­tam as gi­ra­fas, prin­ci­pal­men­te as ins­ta­la­das na Via Ex­pres­sa, na zo­na do Ben­fi­ca.

Os ho­mens que têm nas cis­ter­nas de água o seu “ga­nha pão”, mos­tram-se agas­ta­dos com o trá­fi­co de in­fluên­cia du­ran­te o pro­ces­so de abas­te­ci­men­to dos ca­miões.

Al­guns mo­to­ris­tas ex­pli­ca­ram ao JE que exis­tem per­to de 10 ca­miões que abas­te­cem no lo­cal e que cons­tam nu­ma lis­ta de vi­a­tu­ras pri­vi­le­gi­a­das e não aguar­dam fi­la. “Os pri­vi­le­gi­a­dos che­gam a car­re­gar três a qua­tro vi­a­gens por dia, o que nos dei­xa pre­o­cu­pa­dos, nós que não te­mos es­ta chan­ce”, avan­ça An­tó­nio Go­mes, mo­to­ris­ta de um ca­mião cis­ter­na.

Água tur­va

Um ou­tro pro­ble­ma que apo­quen­ta os ca­mi­o­nis­tas, pren­de-se com a qua­li­da­de que apre­sen­ta a água nas gi­ra­fas, prin­ci­pal­men­te nos úl­ti­mos di­as.

Pa­ra An­tó­nio Go­mes, o pro­du­to que a Epal tem vin­do a co­mer­ci­a­li­zar pa­ra os ca­miões cis­ter­nas não é de boa qua­li­da­de, pe­ri­gan­do mes­mo a saú­de pú­bli­ca e que tem dei­xa­do os ope­ra­do­res sem cli­en­te­la.

Se­gun­do o ca­mi­o­nis­ta, os dis­tri­bui­do­res che­gam no lo­cal com a pro­mes­sa de que vai me­lho­rar a qua­li­da­de. No en­tan­to, há vá­ri­as se­ma­nas que con­ti­nu­am a co­mer­ci­a­li­zar “água tur­va”.

O nos­so in­ter­lo­cu­tor dis­se que exis­tem cli­en­tes que não que­rem pa­gar os ca­mi­o­nis­tas de­pois de abas­te­cer, ale­gan­do “pés­si­ma qua­li­da­de” do pro­du­to.

“Há mais de du­as se­ma­nas que não con­si­go fa­zer a en­tre­ga re­gu­lar da água por cau­sa da pés­si­ma qua­li­da­de do pro­du­to que es­ta­mos a car­re­gar das gi­ra­fas”, con­ta.

Pro­cu­ra su­pe­ra ofer­ta

Por ou­tro la­do, al­guns ca­mi­o­nis­tas que abas­te­cem água po­tá­vel nas prin­ci­pais gi­ra­fas em Lu­an­da afir­ma­ram que os ser­vi­ços que Em­pre­sa de Abas­te­ci­men­to de Água de Lu­an­da (Epal) tem dis­po­ní­vel, não su­por­tam o flu­xo das cis­ter­na.

Du­ran­te a ron­da re­a­li­za­da pe­lo JE, No­vais Quin­tas, ca­mi­o­nis­ta ex­pli­cou que a Epal não tem ca­pa­ci­da­de pa­ra abas­te­cer, ra­zão pe­la qual as gi­ra­fas tra­ba­lham em re­gi­me de tur­no.

“Abas­te­cem num dia e no ou­tro fe­cham”, con­ta, de­pois de acres­cen­tar que es­ta mo­da­li­da­de es­tá a cri­ar di­fi­cul­da­des enor­mes aos ope­ra­do­res, pa­ra hon­rar os com­pro­mis­sos jun­to dos cli­en­tes.

Por exem­plo, na gi­ra­fa do Ben­fi­ca foi pos­sí­vel cons­ta­tar que a mes­ma tem a ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da pa­ra qua­tro vi­a­tu­ras por ca­da car­re­ga­men­to. Por dia, o lo­cal abas­te­ce en­tre 100 a 120 vi­a­tu­ras.

No­vais Quin­tas, ca­mi­o­nis­ta há 20 anos, dis­se que a sua jor­na­da co­me­ça mui­to ce­do. Se­gun­do con­tou, pa­ra ocu­par o pri­mei­ro lu­gar na fi­la dos ca­mi­o­nis­tas e abas­te­cer a cis­ter­na é pre­ci­so sair de ca­sa às 03h00 da ma­nhã. “Há qu­em che­ga a pas­sar a noi­te no lo­cal, pa­ra abas­te­cer mais ce­do”.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre o pre­ço ofi­ci­al do pro­du­to, No­vais Quin­tas dis­se que o me­tro cú­bi­co de água po­tá­vel é co­mer­ci­a­li­za­do a kz294,12, in­cluin­do o va­lor do IVA.

O ca­mi­o­nis­ta dis­se que pa­ra abas­te­cer a sua vi­a­tu­ra, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 20 mil me­tros cú­bi­cos, in­ves­te apro­xi­ma­da­men­te seis mil kwanzas.

Por seu tur­no Mi­guel Edu­ar­do re­ve­la que a água po­tá­vel é co­mer­ci­a­li­za­da so­bre­tu­do na zo­na dos bair­ros Mun­di­al, Ben­fi­ca, Bi­ta, Sa­pú e ar­re­do­res de Vi­a­na.

Pa­ra com­pen­sar os cus­tos de ma­nu­ten­ção da vi­a­tu­ra, da­do o mau es­ta­do das vi­as de aces­so, Mi­guel Edu­ar­do, ven­de a sis­ter­na por kz 20 ou 25 mil, o que lhe per­mi­te lu­crar até 14 mil por ca­da car­re­ga­men­to, o que con­si­de­rou in­fe­ri­or com os cus­tos de ma­nu­ten­ção.

Es­ti­ma que os ní­veis de pro­cu­ra de água na ca­pi­tal an­go­la­na pos­sam atin­gir 90 por cen­to, so­bre­tu­do nas zo­nas su­bur­ba­nas, on­de, diz por iro­nia, “a ca­na­li­za­ção vai pre­ci­sar de 50 anos pa­ra lá che­gar”.

Pa­ra abas­te­cer um ca­mião com ca­pa­ci­da­de de 20 mil me­tros cú­bi­cos de água são pre­ci­sos em Lu­an­da kz 6.000

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.