“Um ad­mi­nis­tra­dor de­ve sa­ber da prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta lo­cal”

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - To­más Faria Eco­no­mis­ta

O di­nhei­ro que nos foi atri­buí­do não che­ga, as­sim dis­se a se­nho­ra ad­mi­nis­tra­do­ra mu­ni­ci­pal de Lu­an­da, em en­tre­vis­ta à TPA, no dia 4 de Mar­ço de 2020, da­ta em que o se­nhor se­cre­tá­rio de Es­ta­do do Tesouro re­fe­riu que o Go­ver­no tem cer­ca de 10 mil milhões de dó­la­res pa­ra apoi­ar pro­jec­tos no âmbito do Pla­no In­te­gra­do de In­ter­ven­ção nos Mu­ni­cí­pi­os (PIIM).

To­dos sa­be­mos, que o di­nhei­ro não che­ga. Aliás, es­tu­da-se eco­no­mia, aci­ma de tu­do, por­que as ne­ces­si­da­des são mai­o­res que os re­cur­sos.

En­tre­tan­to, pre­ten­do aqui abor­dar um pou­co do que se de­ve es­pe­rar de um go­ver­nan­te, no ca­so par ti­cu­lar do ad­mi­nis­tra­dor. Pa­re­ce-me ter che­ga­do o mo­men­to de se adop­tar uma pos­tu­ra que se adap­te me­lhor aos ac­tu­ais ven­tos de mu­dan­ça, à luz do ac­tu­al es­ti­lo de go­ver­na­ção que o país vi­ve, por­que, ape­sar de po­lí­ti­cos, enquanto go­ver­nan­tes de­ve-se adop­tar uma pos­tu­ra de ges­to­res.

Nu­ma al­tu­ra em já fo­ram da­dos os pri­mei­ros pas­sos na des­cen­tra­li­za­ção dos mu­ni­cí­pi­os, de mui­tos ac­tos que eram pra­ti­ca­dos a ní­vel do Go­ver­no Central, com a reunião de lan­ça­men­to que te­ve lu­gar em Benguela, sal­vo er­ro, pu­de sen­tir que a go­ver­nan­te con­ti­nua com a cul­tu­ra de um es­ti­lo de go­ver­na­ção on­de o ad­mi­nis­tra­dor ape­nas aguar­da, de mãos es­ten­di­das, por ver­bas pa­ra gas­tar.

En­tre­tan­to, en­ten­do que, no con­tex­to ac­tu­al, no pa­pel de ges­tor mu­ni­ci­pal de­ve-se ter uma pos­tu­ra que apon­ta pa­ra um es­for­ço de se ir atrás da ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas de que ne­ces­si­ta, pa­ra fazer fa­ce aos en­car­gos e in­ves­ti­men­tos pa­ra a lo­ca­li­da­de que di­ri­ge.

As­sim, cen­tran­do-nos no município, o ad­mi­nis­tra­dor de­ve sa­ber qual é a sua prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta e, nes­te as­pec­to, sa­be­mos que a prin­ci­pal é o im­pos­to. En­tão, de­ve ser aí on­de con­cen­trar os es­for­ços. O ad­mi­nis­tra­dor de­ve, pri­mei­ro, pre­o­cu­par-se com o ti­po de im­pos­to que é ca­paz de ar­re­ca­dar. Se a sua lo­ca­li­da­de ti­ver edi­fí­ci­os, só pa­ra ci­tar um exem­plo, en­tão exis­ti­rá aí um po­ten­ci­al mui­to for­te de po­der ar­re­ca­dar re­cei­tas por via do Im­pos­to Pre­di­al Ur­ba­no. Se exis­ti­rem es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, em­pre­sas, etc., des­tes po­de­rá vir a re­cei­ta re­fe­ren­te ao Im­pos­to so­bre o Ren­di­men­to do Tra­ba­lho (IRT), Im­pos­to In­dus­tri­al, Im­pos­to de Se­lo, Im­pos­to so­bre Apli­ca­ção de Ca­pi­tais, etc.

No en­tan­to, é ne­ces­sá­rio que a ad­mi­nis­tra­ção te­nha um in­ven­tá­rio (ca­das­tro) de to­dos os ac­ti­vos que re­pre­sen­tam uma po­ten­ci­al fon­te de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra a sua lo­ca­li­da­de. É o bá­si­co, pa­ra se ter no­ção do quanto es­pe­ra­mos ar­re­ca­dar. Tal­vez, a mai­o­ria dos 164 mu­ni­cí­pi­os não tem o re­gis­to dos ac­ti­vos que são su­as po­ten­ci­ais fon­tes de re­cei­tas, mas, é al­go que de­ve­ria ser nor­mal.

Os ad­mi­nis­tra­do­res, ca­so te­nham o in­ven­tá­rio, irão au­xi­li­ar o sec­tor de finanças (Re­par­ti­ção Fis­cal) da sua área, que tem me­ca­nis­mos pró­pri­os de co­bran­ça de im­pos­tos, por­que se não o fi­ze­rem, pri­mei­ro nun­ca sa­be­rão qual é, de fac­to, a re­cei­ta que o município de­ve ar­re­ca­dar num determinad­o mês.

Se­gun­do, não te­rão ar­gu­men­tos pa­ra exi­gir que a verba ce­di­da pe­lo Mi­nis­té­rio das Finanças se­ja a me­di­da da ar­re­ca­da­ção do seu município. Ter­cei­ro, sa­be­rão se a Re­par­ti­ção Fis­cal têm co­bra­do ou não tu­do o que é de­vi­do pelos con­tri­buin­tes do município, por­que, por nor­ma, as Re­par­ti­ções Fis­cais li­mi­tam-se a fis­ca­li­zar (ins­pec­ci­o­nar) as ins­ti­tui­ções que se têm apre­sen­ta­do nos seus bal­cões e di­fi­cil­men­te vão aos con­tri­buin­tes que não se apre­sen­tam à Re­par­ti­ção.

Tra­ta-se de uma cul­tu­ra a ser cor­ri­gi­da, já que é ne­ces­sá­rio ir ao en­con­tro de to­dos os con­tri­buin­tes, pa­ra que se te­nha mai­or quan­ti­da­de de re­cei­ta pos­sí­vel, pa­ra se­rem re­sol­vi­dos os pro­ble­mas dos ad­mi­nis­tra­dos (munícipes), ten­do em con­ta que na de­mo­cra­cia constituci­onal, o Go­ver­no é do po­vo, é pe­lo po­vo e pa­ra o po­vo.

To­da­via, a mu­dan­ça da cul­tu­ra dos ad­mi­nis­tra­do­res e de ou­tros go­ver­nan­tes, uma vez que na sua mai­o­ria ou qua­se to­dos são po­lí­ti­cos, pas­sa pe­la clas­se po­lí­ti­ca, que de­ve pre­o­cu­par-se com a for­ma­ção dos seus mi­li­tan­tes em ma­té­ri­as de ges­tão e li­de­ran­ça de mu­ni­cí­pi­os e não só, uma vez que as­sis­te-se a en­tra­da de al­gu­ma ju­ven­tu­de nas prin­ci­pais es­tru­tu­ras dos mai­o­res par­ti­dos do país (Co­mi­té Central, Bu­re­au Po­lí­ti­co, Comissão Po­lí­ti­ca, etc.), sen­do que, o sis­te­ma po­lí­ti­co ac­tu­al, tor­na es­sa ju­ven­tu­de em pon­ten­ci­ais fu­tu­ros go­ver­nan­tes.

Por­tan­to, se a clas­se po­lí­ti­ca for­mar os seus mi­li­tan­tes, po­de exe­cu­tar com êxi­to os seus pro­gra­mas, qu­an­do for Go­ver­no, por­que ge­rir pa­ra o bem do po­vo é di­fe­ren­te de ge­rir um co­mi­té de qual­quer par­ti­do, gran­de ou pe­que­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.