Mer­ca­do re­gis­ta far­tu­ra

Em fun­ção da de­man­da que se re­gis­ta nos úl­ti­mos di­as de­vi­do a certas restrições, os pre­ços dos prin­ci­pais bens de con­su­mo re­gis­ta­ram uma su­bi­da li­gei­ra na pri­mei­ra se­ma­na

Jornal Economia and Finanças - - PRIMEIRA PÁGINA - An­tó­nio Eu­gé­nio

Ape­sar da pro­cu­ra, de­vi­do ao im­pac­to da pan­de­mia Covid-19 no país, os mer­ca­dos abas­te­ce­do­res de Lu­an­da con­ti­nu­am a re­gis­tar flu­xo de bens pro­ve­ni­en­tes do cam­po, mas os pre­ços dos prin­ci­pais pro­du­tos de con­su­mo re­gis­tam uma li­gei­ra su­bi­da.

Ti­mi­da­men­te, dezena de camiões car­re­ga­dos de ali­men­tos pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os pon­tos do país, fa­zem o par­que­a­men­to no mer­ca­do do km 30, no município de Ico­lo e Ben­go, prin­ci­pal pon­to de abas­te­ci­men­to da ci­da­de de Lu­an­da.

É uma ver­da­dei­ra “gin­ca­na” não há or­dem no es­ta­ci­o­na­men­to, ca­da um sa­fa-se co­mo po­de pa­ra es­ta­ci­o­nar. To­dos que­rem fazê-lo ao mes­mo tempo. Es­tá ins­ta­la­da a agi­ta­ção.

Na sua mai­o­ria es­tão car­re­ga­dos de ba­ta­ta-re­na, ba­ta­ta-do­ce, man­di­o­ca, bom­bó, fu­ba, ar­roz e feijão. Aliás, se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra e Flo­res­tas, An­go­la apre­sen­ta já uma au­to-su­fi­ci­ên­cia in­ter­na em tu­bér­cu­los.

Ou­tros trans­por­tam ca­bri­tos, ove­lhas, hor­tí­co­las e aves di­ver­sas, tam­bém pa­ra ca­na­li­zar num dos mai­o­res mer­ca­dos ali­men­tar da ca­pi­tal an­go­la­na.

De re­pen­te um ca­mião com apro­xi­ma­da­men­te 40 to­ne­la­das de ba­ta­ta-re­na pro­ve­ni­en­te da pro­vín­cia do Bié é cer­ca­da pelos cli­en­tes, ca­da um quer ob­ter uma quan­ti­da­de pa­ra o con­su­mo ou ven­da.

“O mo­men­to pa­re­ce obri­gar ca­da um ter um pou­co de tu­do­pa­ra aguen­tar a fa­mí­lia em ca­sa. É tempo da qua­ren­ta do covid-19 e o con­su­mo ali­men­tar aumenta”, dis­se al­guém ao la­do.

An­tó­nio Can­ga­la é um dos cli­en­tes, rom­pe a bar­rei­ra e con­se­gue a quan­ti­da­de que ne­ces­si­ta, na mes­ma con­di­ção es­tá Ma­ria

Con­de que pre­ten­de a to­do cus­to ob­ter al­guns qui­los.

O flu­xo de vi­a­tu­ras não é o mes­mo se com­pa­ra­do com o pe­río­do an­te coronavíru­s, há um li­gei­ro abran­da­men­to por cau­sa das me­di­das cau­te­la­res de­vi­do à pan­de­mia.

João Ca­va­le­ca é o mo­to­ris­ta do ca­mião e pe­que­no pro­du­tor da ba­ta­ta re­na no cen­tro de An­go­la. Re­ve­la que tem mais de 10 hec­ta­res de pro­du­ros cul­ti­va­dos.A pers­pec­ti­va da co­lhei­ta es­tá cal­cu­la­da aci­ma de 2 mil to­ne­la­das, po­rém, há um dé­fi­ce acen­tu­a­do de com­pra­do­res.

A afer­ta é mai­or que o con­su­mo da­da a ex­plo­são pro­du­ti­va de ba­ta­ta-re­na nes­te ano agrícola.

“Há mui­ta ba­ta­ta cul­ti­va­da pa­ra o con­su­mo. O mai­or pro­ble­ma con­ti­nua ser o es­co­a­memn­to e ven­da. Nes­te mo­men­to te­nho dois camiões car­re­ga­dos, mas por cau­sa da qua­ren­te­na vou pre­fe­rir agua­ra­dar pa­ra mais al­guns di­as”, ex­pli­cou.

Ven­der no Con­go

Al­feu Vi­ne­va­la é o mai­or pro­du­tor da ba­ta­ta-re­na em An­go­la, em con­tac­to te­le­fó­ni­co, dis­se ha­ver des­va­lo­ri­za­ção da pro­du­ção in­ter­na. Ex­pli­ca que mui­tos pro­du­to­res são obri­ga­dos a es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as com com­pra­do­res do Con­go De­mo­crá­ti­co pa­ra ven­der as quan­ti­da­des pro­du­zi­das.

Por es­sa ra­zão, mostra o seu pro­fun­do de­sa­pon­ta­men­to, com o ce­ná­rio que se ob­ser­va com a ex­por­ta­ção diá­ria de ele­va­das quan­ti­da­des des­te ali­men­to pa­ra o ex­te­ri­or do país.

Con­ta que mui­tos pro­du­to­res ob­ser­vam im­pá­vi­dos a de­te­ri­o­ra­ção da ba­ta­ta co­lhi­da e so­li­ci­tam às au­to­ri­da­des a tra­çar po­lí­ti­cas co­mer­ci­ais que be­ne­fi­ci­em o pro­du­tor an­go­la­no.

Com 200 hec­ta­res de ter­ras pre­pa­ra­das, o em­pre­sá­rio pre­vê uma co­lhei­ta de oi­to mil to­ne­la­das de ba­ta­ta, pa­ra sa­tis­fa­zer o mer­ca­do in­ter­no.

Mas aler­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de de o Go­ver­no ga­ran­tir mais apoi­os com meios de trans­por­te, con­ser­va­ção e cri­ar ca­nais de distribuiç­ão e co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos e in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra di­na­mi­zar a agri­cul­tu­ra.

A fa­ri­nha de mi­lho é ou­tro pro­du­to em gran­de es­ca­la no mer­ca­do, tu­do por­que os pro­du­to­res de mi­lho re­do­bra­ram os es­for­ços pa­ra ha­ver mais co­lhei­ta de mi­lho.

Há de tu­do no mer­ca­do

É sá­ba­do de ma­nhã. O mer­ca­do re­gis­ta um mo­vi­men­to fre­né­ti­co. Há de tu­do um pou­co. Des­de legumes, fru­tas e ali­men­tos sil­ves­tres. Ca­da um de acor­do com as su­as ne­ces­si­da­des e o seu bol­so, faz as com­pras ne­ces­sá­ri­as.

O ca­sal Ca­ma­ti es­tá no mer­ca­do pa­ra abas­te­cer a ca­sa. Pa­ra am­bos, o mer­ca­do tem tu­do. “É tu­do de boa qu­a­li­da­de e sem con­ser­van­tes”, fri­sou.

“Aqui há comida pa­ra to­dos, acho ape­nas que os co­mer­ci­an­tes quei­xam-se de es­co­a­men­to. O Go­ver­no tem de tra­çar po­lí­ti­ca pa­ra me­lho­rar as es­tra­das”, dis­se.

Nes­ta fase, os pre­ços dos pro­du­tos re­gis­ta­ram uma su­bi­da li­gei­ra de­vi­do ao au­men­to da de­man­da dos bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.