BNA pede apoio da ban­ca an­go­la­na

Si­tu­a­ção ac­tu­al obri­ga aos players da so­ci­e­da­de a re­do­bra­rem es­for­ços pa­ra ga­ran­tir o bom fun­ci­o­na­men­to do mer­ca­do

Jornal Economia and Finanças - - DESTAQUE -

OBan­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) re­co­men­dou à ban­ca an­go­la­na que apoie des­de já as en­co­men­das dos im­por­ta­do­res de bens alimentare­s, acon­se­lhan­do mer­ca­dos com mo­e­da des­va­lo­ri­za­da pa­ra evi­tar efeitos cam­bi­ais so­bre o pre­ço dos pro­du­tos.

“Os ban­cos de­vem acon­se­lhar os seus cli­en­tes a pes­qui­sar mer­ca­dos com re­gis­tos re­cen­tes de de­pre­ci­a­ção acen­tu­a­da das su­as mo­e­das, re­du­zin­do-se o efei­to de trans­mis­são da ta­xa de câm­bio so­bre o pre­ço dos pro­du­tos alimentare­s aos con­su­mi­do­res na­ci­o­nais (Áfri­ca do Sul, Amé­ri­ca La­ti­na e Ásia)”, re­co­men­da o BNA num do­cu­men­to que sin­te­ti­za uma reunião com a Associação An­go­la­na de Ban­cos re­a­li­za­da na pas­sa­da sex­ta-fei­ra.

A reunião serviu pa­ra abor­dar o te­ma da pan­de­mia da covid-19 e me­di­das a adop­tar, com o BNA a acon­se­lhar “ali­nha­men­to e co­or­de­na­ção de ac­ções no sec­tor, pa­ra evi­tar a adop­ção de pa­co­tes de me­di­das dís­pa­res pelos ban­cos”.

O do­cu­men­to, a que a Lu­sa te­ve aces­so, re­fe­re igual­men­te que o BNA te­ve “in­te­rac­ção re­cen­te com os gran­des ope­ra­do­res” eco­nó­mi­cos, cu­jos in­di­ca­do­res apon­tam pa­ra um ‘stock’ de ali­men­tos im­por­ta­dos pa­ra dois a três me­ses.

O BNA su­ge­riu o apoio da ban­ca pa­ra ini­ci­ar “pron­ta­men­te o pro­ces­so de encomenda pa­ra os me­ses se­guin­tes” e a ma­nu­ten­ção de apoio aos pro­du­to­res na­ci­o­nais pa­ra re­du­zir a ne­ces­si­da­de de re­cur­so ao mer­ca­do ex­ter­no.

An­go­la tem bens e pro­du­tos pa­ra abas­te­cer o mer­ca­do du­ran­te pe­lo me­nos três me­ses, mas pre­ci­sa de re­for­çar as re­ser­vas pa­ra não ha­ver es­cas­sez, enquanto de­cor­re a pan­de­mia do no­vo coronavíru­s, dis­se­ram as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais na se­ma­na pas­sa­da.

Os ope­ra­do­res do sec­tor do comércio an­go­la­no par­ti­ci­pa­ram em Lu­an­da nu­ma reunião com o mi­nis­tro do Comércio pa­ra ana­li­sar a previsão de ‘stock’ exis­ten­te pa­ra o abas­te­ci­men­to ali­men­tar e ela­bo­rar um pla­no de con­tin­gên­cia ali­men­tar de­vi­do à do­en­ça covid-19.

O pre­si­den­te da Associação de Em­pre­sas de Comércio e Distribuiç­ão Mo­der­na de An­go­la (Eco­di­ma), Raul Ma­teus, dis­se, após o en­con­tro, que a reserva in­ter­na é bas­tan­te sa­tis­fa­tó­ria pa­ra um tri­mes­tre, mas é ne­ces­sá­rio um re­for­ço.

Além do re­for­ço de ‘stock’, Raul Ma­teus de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de se me­lho­rar o sis­te­ma ad­mi­nis­tra­ti­vo, “pa­ra fa­ci­li­tar al­gu­mas aqui­si­ções mais ra­pi­da­men­te” no sen­ti­do de não ha­ver pro­ble­mas den­tro de três me­ses.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre se o país tem as­se­gu­ra­da a cadeia de abas­te­ci­men­to de pro­du­tos im­por­ta­dos, no­me­a­da­men­te da Chi­na e Portugal, que li­de­ram as ex­por­ta­ções pa­ra An­go­la e es­tão afec­ta­dos pe­la pan­de­mia, o em­pre­sá­rio re­fe­riu que o sec­tor ali­men­tar não pa­rou de pro­du­zir.

Por sua vez, o pre­si­den­te da Associação In­dus­tri­al de An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no, de­fen­deu uma co­o­pe­ra­ção re­gi­o­nal mai­or, so­bre­tu­do com a Áfri­ca do Sul, que tem uma ca­pa­ci­da­de de oferta mui­to gran­de, ten­do em con­ta a cri­se do no­vo coronavíru­s.

“Es­ta­mos com a cri­se do no­vo coronavíru­s e os mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais vão-se fe­chan­do e te­mos que nos vi­rar so­bre­ma­nei­ra pa­ra aqui­lo que são as re­la­ções aqui na região, par­ti­cu­lar­men­te Áfri­ca do Sul e Zâm­bia, e tam­bém mui­to pa­ra a nos­sa pro­du­ção in­ter­na”, ad­vo­gou.

An­go­la tem três ca­sos con­fir­ma­dos de in­fec­ção com o no­vo coronavíru­s.

O no­vo coronavíru­s, res­pon­sá­vel pe­la pan­de­mia da co­vid19, já in­fec­tou mais de 360 mil pes­so­as em to­do o mun­do, das quais cer­ca de 17.000 mor­re­ram.

De­pois de sur­gir na Chi­na, em Dezembro, o sur­to es­pa­lhou-se por to­do o mun­do, o que le­vou a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) a de­cla­rar uma si­tu­a­ção de pan­de­mia.

DE­VE-SE ME­LHO­RAR O SIS­TE­MA AD­MI­NIS­TRA­TI­VO PA­RA FA­CI­LI­TAR A AQUISICÃO DE BENS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.