CUANZA NOR­TE TRA­VA VEN­DA DE CAR­NE DE CA­ÇA

Jornal Economia and Finanças - - DESTAQUE -

Pe­lo me­nos 320 qui­lo­gra­mas de car­ne se­ca de di­ver­sos ani­mais aba­ti­dos por ca­ça­do­res fur­ti­vos fo­ram apre­en­di­dos, quarta-fei­ra, no Don­do, Cuanza Nor­te, du­ran­te uma ope­ra­ção le­va­da a ca­bo por técnicos do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te e efec­ti­vos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal.

O pro­du­to ti­nha co­mo destino a pro­vín­cia de Lu­an­da e foi apre­en­di­do no posto de fis­ca­li­za­ção do Ki­a­ma­fu­lo,no li­mi­te en­tre as pro­vín­ci­as do Cuanza Sul e Cuanza Nor­te.

De acor­do com o chefe das ope­ra­ções da Di­rec­ção Na­ci­o­nal con­tra os Cri­mes Am­bi­en­tais da­que­le mi­nis­té­rio, An­tó­nio Jo­sé Lopes, a mer­ca­do­ria trans­por­ta­da por um au­to­car­ro da operadora de trans­por­te “Ma­con” é pro­ve­ni­en­te da pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, on­de nos úl­ti­mos di­as se re­gis­tam ín­di­ces pre­o­cu­pan­tes de ca­ça fur­ti­va.

A ac­ção re­sul­tou de uma denúncia de populares que a par­tir da zo­na de em­bar­que co­mu­ni­ca­ram a cir­cu­la­ção da re­fe­ri­da mer­ca­do­ria que se en­con­tra­va em pos­se de du­as mu­lhe­res que ha­bi­tu­al­men­te fa­zi­am es­te ti­po de ne­gó­cio.

Se­gun­do ain­da An­tó­nio Lopes, as du­as mu­lhe­res es­tão já sob cus­tó­dia do Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC), em Cam­bam­be

e, se­rão apre­sen­ta­das nas pró­xi­mas ho­ras ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, a fim de le­ga­li­zar a sua de­ten­ção e con­se­quen­te res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal.

Es­cla­re­ceu que a car­ne apre­en­di­da se­rá in­ci­ne­ra­da, com vis­ta a de­sin­cen­ti­var tal prá­ti­ca.

Su­bli­nhou que, de mo­do ge­ral os ín­di­ces da ca­ça fur­ti­va es­tá a bai­xar no país, mas a pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, pe­la sua ex­ten­são, é a que re­gis­ta mai­or afluên­cia de ca­ça­do­res fur­ti­vos, que nas su­as ac­ti­vi­da­des uti­li­zam ar­mas de guer­ra, ar­ma­di­lhas e pro­du­tos tó­xi­cos pa­ra a cap­tu­ra de ani­mais.

Na pro­vín­cia do Cuanza Nor­te de­vi­do a exis­tên­cia de flo­res­tas den­sas, as po­pu­la­ções da­que­la região de­di­cam-se à ac­ti­vi­da­de de ca­ça co­mo for­ma de con­se­guir ali­men­to de­vi­do à es­cas­sez de pei­xe.

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Po­pu­la­ção de Nda­la­tan­do, ca­pi­tal do Cuanza Nor­te, de­di­ca-se à agri­cul­tu­ra e ca­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.