Ban­ca é cri­ti­ca­da por man­ter o câm­bio

Al­guns ban­cos co­mer­ci­ais ain­da não com­pre­en­de­ram que a ta­xa de câm­bio de­cor­re da in­te­rac­ção en­tre a pro­cu­ra e a oferta de mo­e­da es­tran­gei­ra e per­sis­tem em man­ter as su­as ta­xas in­de­xa­das à do BNA

Jornal Economia and Finanças - - FINANÇAS -

OBan­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) in­di­cou ter­ça-fei­ra que há ban­cos que in­sis­tem em man­ter a ta­xa de câm­bio do kwan­za fa­ce ao dó­lar in­de­xa­da à pra­ti­ca­da pe­lo re­gu­la­dor, des­vir­tu­an­do o mer­ca­do e pre­ju­di­can­do a eco­no­mia.

“Al­guns ban­cos co­mer­ci­ais ain­da não com­pre­en­de­ram que a ta­xa de câm­bio de­cor­re da in­te­rac­ção en­tre a pro­cu­ra e a oferta de mo­e­da es­tran­gei­ra e per­sis­tem em man­ter as su­as ta­xas in­de­xa­das à do BNA, in­de­pen­den­te­men­te dos seus ní­veis de oferta e pro­cu­ra nos seus ban­cos”, lê-se na ac­ta da reunião que o re­gu­la­dor man­te­ve com a Associação An­go­la­na de Ban­cos (Abanc).

No do­cu­men­to, o ban­co central cri­ti­cou os ban­cos que não va­ri­am a sua ta­xa de câm­bio con­so­an­te a dis­po­ni­bi­li­da­de de mo­e­da ex­ter­na, avi­san­do que “es­se com­por­ta­men­to ge­ra atra­sa­dos cam­bi­ais, an­si­e­da­de, po­ten­cia o in­for­mal, re­ti­ra trans­pa­rên­cia, pre­vi­si­bi­li­da­de e com­pe­ti­ti­vi­da­de ao mer­ca­do, pa­ra pre­juí­zo de qu­em ne­ces­si­ta de mo­e­da es­tran­gei­ra”.

Se­gun­do a ac­ta da reunião, que de­cor­reu há uma se­ma­na, o re­gu­la­dor an­go­la­no lem­bra que “já não há re­gras de co­la­te­rais, lis­tas pri­o­ri­tá­ri­as e es­que­mas per­ver­sos ao nor­mal fun­ci­o­na­men­to do mer­ca­do cam­bi­al” e sa­li­en­tou que o di­fe­ren­ci­al en­tre a ta­xa de câm­bio ofi­ci­al e a prá­ti­ca no mer­ca­do pa­ra­le­lo ron­da os 13%.

Por ou­tro la­do, o BNA in­for

BNA CRI­TI­COU OS BAN­COS QUE NÃO VA­RI­AM A SUA TA­XA DE CÂM­BIO CON­SO­AN­TE A DIS­PO­NI­BI­LI­DA­DE DE MO­E­DA EX­TER­NA

mou que as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais co­brem se­te me­ses de im­por­ta­ções e ga­ran­tiu que “não se­rão al­te­ra­das as re­gras ine­ren­tes à ven­da de cam­bi­ais pe­las com­pa­nhi­as pe­tro­lí­fe­ras, es­pe­ran­do-se o bom sen­so de to­dos os intervenie­ntes do mer­ca­do cam­bi­al”.

Es­te mês, o BNA de­ve lei­lo­ar 400 milhões de dó­la­res e de­ve co­lo­car o mes­mo va­lor em Abril. No do­cu­men­to, fi­ca cla­ro que o re­gu­la­dor pre­ten­de man­ter a li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al adop­ta­da re­cen­te­men­te, ape­sar da previsão de uma for­te des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za, no se­gui­men­to da cri­se económica mun­di­al tra­zi­da pe­la pan­de­mia do no­vo coronavíru­s.

DR

Re­gu­la­dor pre­ten­de man­ter a li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al adop­ta­da ao meio de uma pre­vi­sí­vel des­va­lo­ri­za­ção do Kwan­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.