A VOZ DO CI­DA­DÃO - CO­MO OS BENS ARRESTADOS PE­LA PGR PO­DEM SER­VIR O PAÍS

Jornal Economia and Finanças - - A VOZ DO CIDADÃO - Yo­la do Car­mo

Com o ar­res­to dos bens ad­qui­ri­dos ili­ci­ta­men­te a um gru­po de an­ti­gos pro­pri­e­tá­ri­os, o Es­ta­do de­ve entregar a ges­to­res com ido­nei­da­de re­co­nhe­ci­da e que sir­vam pa­ra o in­te­res­se co­mum que pas­sa pe­lo cres­ci­men­to da eco­no­mia e o bem-es­tar dos ci­da­dãos.

Os imó­veis apre­en­di­dos re­cen­te­men­te pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) no Zan­go Ze­ro, e na Cen­tra­li­da­de do Ki­lam­ba, em Lu­an­da, fo­ram cons­truí­dos com fun­dos pú­bli­cos e es­tão ava­li­a­dos em mais de 500 milhões de dó­la­res. Es­te va­lor foi in­ves­ti­do em mais de mil imó­veis ina­ca­ba­dos, edi­fí­ci­os, es­ta­lei­ros e ter­re­nos.

Se­gun­do um do­cu­men­to da PGR, a apre­en­são des­se pa­tri­mó­nio es­ta­tal é pa­ra­le­lo a de um pro­ces­so-crime em fase de ins­tru­ção pre­pa­ra­tó­ria, do qual os ti­tu­la­res po­dem ser acu­sa­dos de cri­mes de cor­rup­ção, trá­fi­co de influência e ou­tros de ca­rác­ter eco­nó­mi­co.

Cons­tam ain­da trâ­mi­tes pa­ra ave­ri­guar a re­al ti­tu­la­ri­da­de da In­ter­na­ti­o­nal Fund Hong Kong, que de­ve ser res­pon­sa­bi­li­za­da cri­mi­nal­men­te.

A fon­te acres­cen­ta que são pro­jec­tos ha­bi­ta­ci­o­nais cons­truí­dos com fun­dos do Es­ta­do, mas na prá­ti­ca são ge­ri­dos por pri­va­dos. E os re­fe­ri­dos bens po­dem ser en­tre­gues ao Es­ta­do, após julgamento no tri­bu­nal.

A PGR avan­ça que es­tá a ava­li­ar ou­tros pro­jec­tos cons­truí­dos com fun­dos pú­bli­cos. A ta­xa de ocu­pa­ção dos imó­veis nas du­as cen­tra­li­da­des é inferior a 5 por cen­to.

Dos imó­veis apre­en­di­dos a pe­di­do do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Re­cu­pe­ra­ção de ac­ti­vos, cons­tam 24 edi­fí­ci­os, du­as cre­ches, dois clu­bes náu­ti­cos, três es­ta­lei­ros de obras e res­pec­ti­vos ter­re­nos ad­ja­cen­tes, nu­ma área to­tal de 114 hec­ta­res, na ur­ba­ni­za­ção Vi­da Pa­cí­fi­ca, (Zan­go Ze­ro), município de Vi­a­na, Lu­an­da.

Tam­bém, cons­tam mais de 1.108 imó­veis ina­ca­ba­dos, 31 ba­ses pa­ra a cons­tru­ção de vi­ven­das, um es­ta­lei­ro e res­pec­ti­vos ter­re­nos ad­ja­cen­tes, nu­ma área de 266 hec­ta­res lo­ca­li­za­dos no dis­tri­to ur­ba­no do Ki­lam­ba, município de Be­las, em Lu­an­da.

Do con­fis­co de bens pe­la Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, faz tam­bém par­te a CIF Li­mi­ted, uma empresa pri­va­da chi­ne­sa fun­da­da em 2003, com se­de em Hong Kong e com es­cri­tó­ri­os em Pe­quim.

Es­ta tem co­mo ob­jec­ti­vo fi­nan­ci­ar pro­jec­tos de cons­tru­ção na­ci­o­nal e de­sen­vol­vi­men­to de in­fra-es­tru­tu­ras nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, prin­ci­pa­men­te em Áfri­ca.

No Pro­ces­so Civil, o ar­res­to de bens é uma pro­vi­dên­cia cau­te­lar que per­mi­te a apre­en­são ju­di­ci­al, de­cre­ta­da pe­lo juiz, dos bens do de­ve­dor, a de­cre­tar me­di­an­te so­li­ci­ta­ção do cre­dor que te­nha jus­to receio de per­der a ga­ran­tia pa­tri­mo­ni­al do seu cré­di­to.

Tra­ta-se de um pro­ce­di­men­to cau­te­lar (ou pro­vi­dên­cia cau­te­lar) es­pe­ci­fi­ca­do e des­ti­na­do a con­ser­var a ga­ran­tia pa­tri­mo­ni­al.

Ci­da­dãos aplaudem me­di­da

Pa­ra me­dir a pul­sa­ção da po­pu­la­ção, o JE foi à rua pa­ra ou­vir os ci­da­dãos so­bre as van­ta­gens que o ar­res­to aos imó­veis tra­rá pa­ra o país.

Raul So­le­no, jurista, ex­pli­cou que exis­te uma gran­de vantagem ca­so o Es­ta­do con­si­ga re­cu­pe­rar os imó­veis, pois que se a dí­vi­da não for paga, por even­tu­al in­ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra dos vi­sa­dos, a ac­tu­al re­ten­ção tem­po­rá­ria de­ve dar lu­gar a “um pro­ces­so de in­dem­ni­za­ção por da­nos” po­den­do de­sem­bo­car no con­fis­co dos bens.

O es­tu­dan­te de di­rei­to He­ral­do Mpa­xi, fri­sou ser uma si­tu­a­ção vergonhosa, por­que, se­gun­do re­ve­lou há pes­so­as que rou­bam o erá­rio pú­bli­co sem ne­nhum “re­mor­so”, enquanto mi­lha­res de ci­da­dãos pas­sam por gran­des di­fi­cul­da­des.

“Há que se pôr o pé e res­pon­sa­bi­li­zar es­sa gen­te to­da, por­que se na ver­da­de qu­e­re­mos mu­dar a his­tó­ria do país, en­tão é ne­ces­sá­rio o Es­ta­do agir”, re­ve­la.

O nos­so in­ter­lo­cu­tor en­ten­de que os acu­sa­dos con­ti­nu­am donos dos bens arrestados, po­den­do ser res­ti­tuí­dos se os mes­mos ti­ve­rem a ca­pa­ci­da­de de pa­gar as dí­vi­das ao Es­ta­do.

Apre­en­são de bens não bas­ta

Ma­ria So­lan­ge es­tu­dan­te de Psi­co­lo­gia, é de opi­nião que só a apre­en­são de bens não bas­ta, é pre­ci­so responsabi­lizá-los de mo­do a que os pró­xi­mos go­ver­nan­tes se­jam mais cou­te­lo­sos.

Tir­son Filipe dis­se que se­ria uma gran­de vantagem ca­so os bens re­cu­pe­ra­dos servissem pa­ra aju­dar as fa­mí­li­as com con­di­ções mui­to crí­ti­cas. Pa­ra ele, o país tem es­ta­do a pas­sar por si­tu­a­ções mui­to de­li­ca­das uma si­tu­a­ção que pi­o­rou nos dois úl­ti­mos anos. “Fo­ram anos e anos de rou­bo ao bem pú­bli­co, é uma pena mui­to gran­de si­tu­a­ções co­mo es­sas só acon­te­ce­rem em Áfri­ca”.

Ou­tra fun­ci­o­ná­ria, Fer­nan­da Jo­sé é de opi­nião que o Es­ta­do de­ve con­ti­nu­ar a “aper­tar o cer­co” e to­do aque­le ci­da­dão que te­nha em sua pos­se bens que não lhe per­ten­cem, de­ve fazer a de­vo­lu­ção dos mes­mos.

Se­gun­do ela, ne­nhum ci­da­dão tem o di­rei­to de ter em sua pos­se al­go per­ten­cen­te ao Es­ta­do. “Is­so faz par­te de qual­quer Cons­ti­tui­ção sé­ria, o que no ca­so de An­go­la, não é o que tem acon­te­ci­do”.

“Há to­da a ne­ces­si­da­de de o Es­ta­do dar con­ti­nui­da­de com to­do es­se pro­ces­so e dar o me­re­ci­do res­pei­to à po­pu­la­ção, que nes­tes ca­sos aca­ba sem­pre a ser ví­ti­ma de mui­ta má-fé por par­te de pes­so­as com um cer­to ego­cen­tris­mo e que ti­ve­ram imen­sa res­pon­sa­bi­li­da­de”, des­ta­ca.

Tir­son Filipe

Funcionári­o pú­bli­co

SE­RIA BOM

SE OS BENS RE­CU­PE­RA­DOS SERVISSEM PA­RA AJU­DAR AS FA­MÍ­LI­AS

Ma­ria So­lan­ge

Es­tu­dan­te de Psi­co­lo­gia

SÓ A APRE­EN­SÃO DE BENS NÃO BAS­TA, É PRE­CI­SO RESPONSABI­LIZÁ-LOS

Fer­nan­da Jo­sé

Fun­ci­o­ná­ria pú­bli­ca

O ES­TA­DO DE­VE CON­TI­NU­AR A APER­TAR O CER­CO A TO­DO O CI­DA­DÃO QUE ROU­BOU

Raul So­le­no

Jurista

EXIS­TE UMA GRAN­DE VANTAGEM, CA­SO O ES­TA­DO CON­SI­GA RE­CU­PE­RAR OS IMÓ­VEIS

He­ral­do Mpa­xi

Es­tu­dan­te de Di­rei­to

UMA SI­TU­A­ÇÃO VERGONHOSA, ON­DE HÁ PES­SO­AS QUE ROU­BAM O ERÁ­RIO

FO­TOS YO­LA DO CAR­MO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.