DJO­KO­VIC VEN­CE E ES­TÁ NAS MEIAS-FINAIS DO TOR­NEIO DE WIM­BLE­DON

Croata deu on­tem mais um pas­so de­ci­si­vo na re­con­quis­ta da sua ex­pres­são

Jornal dos Desportos - - PORTADA -

No­vak Djo­ko­vic deu on­tem mais um pas­so, pa­ra vol­tar a ser o atle­ta que en­can­tou e do­mi­nou o té­nis mun­di­al por al­guns anos. O ex-nú­me­ro um do mun­do ga­nhou ao ja­po­nês Kei Nishi­ko­ri por 3 sets a 1, com as par­ci­ais 6/3, 3/6, 6/2 e 6/2, avan­çan­do pa­ra as meias-finais de Wim­ble­don, tor­neio que já con­quis­tou em três opor­tu­ni­da­des: 2011, 2014 e 2015. Ago­ra, o sér­vio es­pe­ra quem ven­cer o duelo en­tre o ar­gen­ti­no Ju­an Martin Del Po­tro e o es­pa­nhol Ra­fa­el Na­dal.

An­te­ri­or­men­te, os dois te­nis­tas já ti­nham se de­fron­ta­do em 15 opor­tu­ni­da­des, com 13 vi­tó­ri­as pa­ra No­le con­tra 2 de Nishi­ko­ri. No en­tan­to,um dos pou­cos triun­fos do ja­po­nês foi um dos mais sur­pre­en­den­tes dos úl­ti­mos anos, ao ven­cer Djo­ko­vic na meia-fi­nal do Open dos Es­ta­dos Uni­dos por 3 sets a 0, na tem­po­ra­da de 2014. Na gran­de fi­nal, Kei não con­se­guiu re­pe­tir o de­sem­pe­nho e per­deu, pe­lo mes­mo pla­car, pa­ra o croata Ma­rin Ci­lic.

O pri­mei­ro set foi mar­ca­do por du­as es­tra­té­gi­as de jo­go bas­tan­te se­me­lhan­tes, já que am­bos os te­nis­tas pos­su­em as mes­mas qua­li­da­des: óp­ti­ma mo­vi­men­ta­ção de per­nas, um backhand me­lhor que o fo­rehand, óp­ti­ma ca­pa­ci­da­de de de­vo­lu­ção e mui­ta fa­ci­li­da­de pa­ra mu­dar a di­rec­ção da bo­la.

No en­tan­to, mes­mo com um po­ten­ci­al mui­to se­me­lhan­te, Djo­ko­vic mos­trou mais so­li­dez nos mo­men­tos im­por­tan­tes do set, jo­gan­do com mui­ta pre­ci­são e di­fi­cul­tan­do o jo­go pa­ra Nishi­ko­ri. Es­sa pos­tu­ra foi su­fi­ci­en­te pa­ra ven­cer a pri­mei­ra par­ci­al por 6/3 e abrir van­ta­gem na par­ti­da.

O se­gun­do set co­me­çou com um Djo­ko­vic ex­tre­ma­men­te agres­si­vo, fa­zen­do com que o ja­po­nês jo­gas­se o má­xi­mo pos­sí­vel pa­ra não ce­der mais uma que­bra no jo­go. No pri­mei­ro ga­me, fo­ram 15 pon­tos jo­ga­dos, sen­do que no ter­cei­ro (o se­gun­do ga­me de sa­que de Nishi­ko­ri na par­ci­al), o te­nis­tas asiá­ti­co pre­ci­sou sair de um 0/40 pa­ra con­fir­mar o ser­vi­ço.

De­pois do sus­to, Nishi­ko­ri me­lho­rou o seu jo­go e que­brou o sa­que de Djo­ko­vic pe­la se­gun­da vez no jo­go, con­se­guin­do abrir uma boa van­ta­gem di­an­te do sér­vio. O ja­po­nês man­te­ve o de­sem­pe­nho ex­tre­ma­men­te re­gu­lar e ga­nhou o se­gun­do set por 6/3, igua­lan­do o pla­car da par­ti­da e mos­tran­do ao sér­vio que ti­nha con­di­ções de eli­mi­nar o ex-nú­me­ro um do mun­do.

O ter­cei­ro set con­ti­nu­ou ex­tre­ma­men­te equi­li­bra­do, com o quin­to ga­me sen­do o mais emo­ci­o­nan­te, com Djo­ko­vic sain­do de um 0/40 pa­ra con­fir­mar o sa­que e man­ter a par­ci­al sem ne­nhu­ma que­bra. Se o ja­po­nês não te­ve “sor­te”, o sér­vio mos­trou efi­ci­ên­cia quan­do te­ve uma úni­ca chan­ce de que­bra na sequên­cia, e não ape­nas ven­ceu o ga­me no ser­vi­ço de Nishi­ko­ri, co­mo con­fir­mou o ga­me se­guin­te sem per­der ne­nhum pon­to. Em al­ta, No­le ain­da que­brou no­va­men­te o sa­que do ad­ver­sá­rio e fe­chou a par­ci­al em 6/2.

O quar­to set te­ve um Djo­ko­vic ain­da mais in­ten­so, já que mes­mo sen­do que­bra­do no pri­mei­ro ga­me, de­vol­veu a que­bra, con­fir­mou em se­gui­da o ser­vi­ço e ga­nhou no­va­men­te no sa­que de Nishi­ko­ri, sain­do de uma des­van­ta­gem pa­ra fi­car três ga­mes da se­mi­fi­nal. O ex­nú­me­ro um do mun­do man­te­ve o al­to ní­vel e fe­chou o set em 6/2, ga­ran­tin­do sua va­ga pa­ra a pró­xi­ma fa­se da com­pe­ti­ção.

GREG WOOD; | AFP

Com um po­ten­ci­al mui­to se­me­lhan­te Djo­ko­vic mos­trou mais so­li­dez nos mo­men­tos im­por­tan­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.