ASSUMEM TÍ­TU­LOS EM EXCLUSIVO NA I DI­VI­SÃO

Clu­bes do in­te­ri­or de­mo­ram a in­tro­me­ter-se no que apa­ren­ta ser um di­rei­to re­ser­va­do aos da ca­pi­tal

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEANO FERRÃO

OGi­ra­bo­la Zap te­ve oi­to cam­peões di­fe­ren­tes ao lon­go da sua his­tó­ria de 40 edi­ções, mas com ex­cep­ção de Lu­an­da, mais ne­nhu­ma pro­vín­cia con­se­guiu ter uma equi­pa com pu­jan­ça su­fi­ci­en­te pa­ra con­quis­tar três cam­pe­o­na­tos se­gui­dos.

O tem­po pas­sa e o tri­cam­pe­o­na­to demora a ser pro­nun­ci­a­do no in­te­ri­or, pois o 1º de Agos­to, Pe­tro de Lu­an­da e ASA são to­dos da ca­pi­tal, com ex­cep­ção do triun­vi­ra­to aci­ma ci­ta­do mais ne­nhu­ma equi­pa con­se­guiu es­ta­be­le­cer uma he­ge­mo­nia se­me­lhan­te.

A che­ga­da do mi­lé­nio trou­xe al­gu­ma es­pe­ran­ça pa­ra o in­te­ri­or, o pe­río­do de gló­ria do Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo deu a fal­sa sen­sa­ção de que a in­tro­mis­são ha­ve­ria de acon­te­cer a qual­quer mo­men­to, con­tu­do, os li­bo­len­ses fi­ca­ram pe­las in­ten­ções.

Num cur­to es­pa­ço de 5 anos, nin­guém me­lhor do que o Li­bo­lo sou­be o sig­ni­fi­ca­do de ga­nhar, de 2011 a 2015 os li­bo­len­ses ven­ce­ram qua­tro cam­pe­o­na­tos, mas co­mo no in­ter­va­lo en­tre eles dei­xa­ram o Ka­bus­corp fa­zer his­tó­ria, per­de­ram a me­lhor chan­ce de igua­lar-se aos clu­bes da ca­pi­tal.

O tri não cos­tu­ma ser fre­quen­te no cam­pe­o­na­to an­go­la­no, tan­to é as­sim que só os três sus­pei­tos co­nhe­ci­dos, 1º de Agos­to, Pe­tro de Lu­an­da e ASA con­se­gui­ram co­lo­car-se num pa­ta­mar di­fe­ren­te. Con­tas fei­tas, em 40 edi­ções só em 5 oca­siões o gri­to tri eco­ou no cam­pe­o­na­to, o que dá um in­ter­va­lo de 8 anos pa­ra se al­can­çar a pro­e­za.

Até ago­ra, os ri­vais 1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da são os re­cor­dis­tas no nú­me­ro de tris, plu­ral de tri, os mi­li­ta­res fo­ram os pri­mei­ros a es­ta­be­le­cer a mar­ca, 1979/1981, mas fo­ram os tri­co­lo­res quem fo­ram mais rá­pi­dos a se co­lo­car nu­ma po­si­ção sin­gu­lar até no do­min­go, qu­an­do fo­ram igua­la­dos pe­lo D´Agos­to, o Pe­tro fez o tri no pe­río­do de 1986 /1988 e 1993/1995.Ao es­ta­be­le­cer a sua di­ta­du­ra de 2016/2018, o 1º de Agos­to deu mais um pas­so pa­ra ten­tar igua­lar uma ou­tra mar­ca em pos­se do Pe­tro de Lu­an­da, o te­tra. Os tri­co­lo­res ti­nham imen­sa cha­ma na dé­ca­da de 80 e de ma­nei­ra ines­pe­ra­da con­se­gui­ram es­ta­be­le­cer a mar­ca in­ve­já­vel, o an­go­la­no Car­los Sil­va co­me­çou co­mo téc­ni­co in­te­ri­no em 1986 sur­pre­en­deu com o pas­seio no Gi­ra­bo­la, qu­an­do os ad­ver­sá­ri­os pa­ra­ram pa­ra ver o que es­ta­va a acon­te­cer, em 1989 o re­no­va­do Pe­tro de Car­los Qu­ei­rós so­ma­va a quar­ta con­quis­ta se­gui­da.

Se a temporada 2018/2019 tam­bém for de gló­ria pa­ra o 1º de Agos­to, en­tão o atrac­ti­vo vai ser che­gar igual­men­te ao pen­ta, que as­sim co­mo o te­tra ain­da é um exclusivo dos tri­co­lo­res. A sa­ga ini­ci­a­da em 1986 por Car­los Sil­va foi con­cluí­do em 1990 por Car­los Qu­ei­rós que te­ve o jus­to pré­mio de­pois de jun­tar na mes­ma equi­pa Je­sus e Ndun­gui­di, eter­nos cra­ques do fu­te­bol an­go­la­no.

Con­tas fei­tas, em 40 edi­ções só em 5 oca­siões o gri­to tri eco­ou no cam­pe­o­na­to, o que dá um in­ter­va­lo de 8 anos pa­ra se al­can­çar a pro­e­za

JOAO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

1º de Agos­to fez o se­gun­do tri no do­min­go e vai pro­cu­rar na pró­xi­ma épo­ca igua­lar o te­tra do Pe­tro de Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.