As vi­e­las do nos­so Des­por­to

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - MATIAS ADRIANO

Vi­ve­mos um pe­río­do de for­te re­ces­são eco­nó­mi­ca, dis­so tem do­mí­nio o ci­da­dão co­mum. Do eco­no­mis­ta ao en­ge­nhei­ro, do mé­di­co ao pro­fes­sor, do jor­na­lis­ta ao ar­qui­tec­to, do es­tu­di­o­so ao ile­tra­do. Afi­nal, com ex­cep­ção de quem no tem­po das va­cas gor­das ou­sou bo­tar as mãos nos di­nhei­ros pú­bli­cos, sen­ti­mos to­dos o aper­to da vi­da, com o vil me­tal ca­da vez mais fo­ra­gi­do.

O sec­tor des­por­ti­vo viu-se, por via dis­so, ter­ri­vel­men­te afec­ta­do, não fos­se de for­te exi­gên­cia, fa­ce aos seus mil e um com­pro­mis­sos. Ho­je, qu­a­se to­dos os ges­to­res des­por­ti­vos vi­vem a la­men­tar-se, su­jei­tos que es­tão a fa­zer das tri­pas co­ra­ção, pa­ra fa­zer fa­ce às ac­ções li­ga­das ao seu exer­cí­cio pro­fis­si­o­nal.

É sa­bi­do, tam­bém, que a cri­se eco­nó­mi­ca ini­be o sec­tor em­pre­sa­ri­al de abrir-se à ce­dên­cia de pa­tro­cí­ni­os. Ho­je, mui­tas em­pre­sas que apoi­a­vam al­gu­mas ins­ti­tui­ções des­por­ti­vas, dei­xa­ram de o fa­zer. Se o fa­zem, se­rá, se­gu­ra­men­te, em me­nor es­ca­la. Por­tan­to, os tem­pos não são bo­nan­ço­sos pa­ra a ac­ti­vi­da­de des­por­ti­va.

Qu­an­do são te­ci­das crí­ti­cas fe­li­nas e mor­da­zes a de­ter­mi­na­dos di­ri­gen­tes des­por­ti­vos, de­vem ser le­va­dos em con­ta to­dos es­ses pres­su­pos­tos. Cla­ro es­tá, sa­be­mos que nem tu­do vai bem com o nos­so des­por­to, em que até mo­da­li­da­des que fo­ram num pas­sa­do re­cen­te ver­da­dei­ra fon­te de or­gu­lho pa­trió­ti­co, es­tão à min­gua. To­da­via, olhar pa­ra os seus di­ri­gen­tes co­mo cau­sa­do­res des­te qua­dro ruim, po­de chei­rar a al­gu­ma in­jus­ti­ça.

Fa­la-se à bo­ca pe­que­na, que Ar­tur de Al­mei­da e Sil­va e Hél­der Cruz “Ma­ne­da” as­su­mi­ram os pe­lou­ros do fu­te­bol e do bas­que­te­bol ape­nas pa­ra cau­sar o ca­os. “De­vi­am an­tes, ter pen­sa­do nou­tro de­sa­fio, me­nos no que abra­ça­ram”. Se ca­lhar, não pre­ci­sa­mos che­gar ao ex­tre­mo, so­bre­tu­do, qu­an­do se sa­be o con­tex­to em que es­tes che­gam às Fe­de­ra­ções.

De­ci­di­da­men­te, o mo­men­to ac­tu­al não po­de ser com­pa­ra­do com o pas­sa­do. Mes­mo que eu não es­te­ja por den­tro dos pro­ce­di­men­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos das Fe­de­ra­ções, ar­ris­co em di­zer que a in­jec­ção de di­nhei­ros que co­nhe­ce­ram es­tes ór­gãos fe­de­ra­ti­vos nos man­da­tos an­te­ri­o­res, não se ve­ri­fi­ca ho­je, es­tan­do os seus ges­to­res su­jei­tos a al­gu­ma “gi­nás­ti­ca”su­ple­men­tar pa­ra de­sen­vol­ve­rem ac­ções pro­gra­ma­das.

Qu­an­do a selecção de fu­te­bol fi­ca pri­va­da de jo­ga­do­res pro­fis­si­o­nais, por in­ca­pa­ci­da­de de aqui­si­ção de pas­sa­gens, a cul­pa não po­de nem de­ve ser as­sa­ca­da por in­tei­ro à FAF. Qu­an­do a selecção de bas­que­te­bol abor­ta um es­tá­gio pré-com­pe­ti­ti­vo, por es­cas­sez de ver­bas, a cul­pa não po­de nem de­ve ser as­sa­ca­da por in­tei­ro à FAB. Qu­an­do a São Sil­ves­tre cor­re sem es­tran­gei­ros, tam­bém, não é a FAA que de­ve ser cru­ci­fi­ca­da.

Re­al­men­te, o ac­tu­al es­tá­gio do nos­so des­por­to não é sa­lu­tar. Po­rém, pa­ra se apon­ta­rem cul­pa­dos de­ve ser ava­li­a­do um con­jun­to de fac­to­res. Por mim, Ar­tur de Al­mei­da e Hél­der Cruz pe­cam pe­lo fac­to de par­ti­rem pa­ra o de­sa­fio, sem fa­zer uma per­fei­ta lei­tu­ra de si­nais que já eram vi­sí­veis, em­bo­ra, se­ja ver­da­de que os ho­mens não de­vem fu­gir ao fo­go.

De res­to, o fu­te­bol não go­za­va de saú­de, bas­ta no­tar que não se qua­li­fi­ca pa­ra um CAN, des­de 2013. Por sua vez, o bas­que­te­bol, a nos­sa ga­li­nha de “ovos de ou­ro”, de­pois de um rei­na­do de mais de du­as dé­ca­das, já ti­nha caí­do na vul­ga­ri­da­de. Eles apa­re­ce­ram ape­nas co­mo sal­va­do­res. Quem se pres­ta à sal­va­ção de al­go, tam­bém cor­re ris­cos.

Por­tan­to, bas­ta lem­brar quem eram os di­ri­gen­tes das Fe­de­ra­ções e que li­ga­ções ti­nham com o po­der ins­ti­tuí­do. No nos­so país, o se­gre­do do su­ces­so na ges­tão des­por­ti­va, re­si­de na re­de de in­fluên­ci­as do ges­tor e na ca­pa­ci­da­de de em abrir por­tas, na cap­ta­ção de ver­bas. Fo­ra dis­so, “é ka­tu­ta”...

KINDALA MA­NU­EL |EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.