“Fal­tou-nos ex­pe­ri­ên­cia e ma­trei­ri­ce”

Pre­si­den­te de di­rec­ção do Domant do Ben­go in­di­ca fa­lhas que es­ti­ve­ram na ba­se da des­ci­da de di­vi­são

Jornal dos Desportos - - FUTEBOL - ARÃO MAR­TINS - LU­BAN­GO

Adi­rec­ção do Domant FC do Bu­la Atum­ba, equi­pa que es­te ano, mais uma vez, foi re­le­ga­do à se­gun­da di­vi­são na­ci­o­nal, de­pois do su­ce­di­do em 2015 quan­do fez a es­treia na pri­mei­ra di­vi­são, apren­deu bas­tan­te com as fa­lhas da úl­ti­ma épo­ca e pro­me­te uma for­ma­ção mais for­te com­pe­ti­ti­va­men­te e co­e­sa, para re­gres­sar ao Girabola Zap em 2019/2020, se­gun­do o pre­si­den­te e fun­da­dor do clu­be do Ben­go, Do­min­go António, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal dos Des­por­tos.

De acor­do com o pro­pri­e­tá­rio do clu­be, fal­tou ex­pe­ri­ên­cia e ma­trei­ri­ce no mo­men­to cer­to, quer da par­te dos di­ri­gen­tes co­mo dos jo­ga­do­res, prin­ci­pal­men­te, nos jo­gos na con­di­ção de an­fi­trião.

"Fi­ze­mos o pos­sí­vel de che­gar à me­ta. Acre­di­to, que não nos im­pu­se­mos tal co­mo aconteceu com ou­tras equi­pas, por­que fal­tou ex­pe­ri­ên­cia e no mo­men­to cer­to a ma­trei­ri­ce, até mes­mo dos di­ri­gen­tes e jo­ga­do­res, so­bre­tu­do, nos jo­gos em ca­sa. Em to­do o ca­so, a ava­li­a­ção que fa­ço é po­si­ti­va, da ma­nei­ra co­mo su­pe­ra­mos a eta­pa da pri­mei­ra par­ti­ci­pa­ção. Na nos­sa pri­mei­ra apa­ri­ção, na pri­mei­ra di­vi­são, ti­ve­mos ape­nas 18 pon­tos e nes­ta se­gun­da, su­pe­ra­mos os números", dis­se.

A fal­ta de di­ri­gen­tes ca­pa­zes foi apon­ta­da, igual­men­te, pe­lo pre­si­den­te do Domant FC, co­mo um dos en­tra­ves ao bom an­da­men­to da equi­pa no Girabola Zap, pois, se­gun­do ele, o fac­to da equi­pa ter al­guns jo­ga­do­res ex­pe­ri­en­tes, não ga­ran­tia, à par­ti­da, a ma­nu­ten­ção na eli­te do fu­te­bol na­ci­o­nal.

"Não se tra­ta de jo­ga­do­res ex­pe­ri­en­tes. O fun­ci­o­na­men­to de um clu­be é uma má­qui­na. O fu­te­bol é uma má­qui­na que co­me­ça na di­rec­ção, jo­ga­do­res, equi­pa téc­ni­ca, bal­neá­rio e até ao apa­nha -bo­las. Es­ses por­me­no­res to­dos de­vem ser tra­ba­lha­dos. Pre­ci­sa­mos de ter tam­bém na equi­pa, di­ri­gen­tes ca­pa­zes, ex­pe­ri­men­ta­dos, que ain­da não te­mos. Não há aqui quei­xas de mai­or, por­que os atle­tas ex­pe­ri­en­tes que ti­ve­mos não pas­sam de três. Isso, tam­bém, tem mui­to a ver com o com­por­ta­men­to da equi­pa den­tro do cam­po", su­bli­nhou.

Ques­ti­o­na­do so­bre as áre­as em que se no­tam mais a fra­ca pres­ta­ção de di­ri­gen­tes no clu­be, e que tem con­di­ci­o­na­do um me­lhor tra­ba­lho, para que o Domant FC não se­ja eter­na­men­te um "so­be e des­ce" no Girabola Zap, Do­min­gos António não es­pe­ci­fi­cou, as­se­gu­rou, ape­nas, que a má­qui­na de­ve fun­ci­o­nar na mes­ma me­di­da.

"Qu­an­to me re­fi­ro, da di­rec­ção até ao apa­nha -bo­las, es­tou a falar de uma con­jun­tu­ra, ou se­ja, a má­qui­na que de­ve fun­ci­o­nar pre­ci­sa de ter to­dos os aces­só­ri­os afi­na­dos. Quan­do uma par­te an­da de­va­gar, a outra não con­se­gue pro­du­zir o su­fi­ci­en­te. Em to­do o ca­so, eu par­ti­cu­lar­men­te, na qua­li­da­de de pre­si­den­te de di­rec­ção, fun­da­dor e pro­pri­e­tá­rio do clu­be, es­tou aten­to a isso. Sei, que ao meu ní­vel ori­en­to, mas não é o su­fi­ci­en­te. É pre­ci­so, que as or­dens que se bai­xam aos mais va­ri­a­dos ní­veis, de­vem, tam­bém, obe­de­cer à mes­ma tra­mi­ta­ção, até ao úl­ti­mo ho­mem", sus­ten­tou.

Do­min­gos António as­se­gu­ra, que a des­ci­da de di­vi­são não sig­ni­fi­ca uma der­ro­ca­da para o Domant FC, mas um pro­ces­so de apren­di­za­gem, por isso, pro­me­te cor­ri­gir a fa­lha, acre­di­ta que à ter­cei­ra se­rá de vez, ou se­ja, na épo­ca 2019/2020 vão dis­pu­tar o Girabola Zap e não vão ser re­le­ga­dos para a Se­gun­do­na.

"São as­pec­tos que va­mos cor­ri­gir. Es­sa des­ci­da de di­vi­são do Domant, não sig­ni­fi­ca para uma der­ro­ca­da. Não. É mais um apren­di­za­do, de que a ter­cei­ra já não se­rá igual, à se­me­lhan­ça da en­tra­da na se­gun­da vez no Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal da Pri­mei­ra Di­vi­são, Girabola Zap. Se o jor­na­lis­ta no­tou, já me­lho­ra­mos mui­to na nos­sa ac­tu­a­ção, em re­la­ção a pri­mei­ra par­ti­ci­pa­ção. Isso, é se­me­lhan­te ao fac­to de cons­truir um cas­te­lo so­bre pe­dras. Não po­de­mos ter pres­sa de di­zer que as­sim que a equi­pa foi re­le­ga­da à se­gun­da di­vi­são, es­ta­mos der­ru­ba­dos ou ar­rom­ba­dos. Não. Va­mos me­lho­rar. O tra­ba­lho é con­tí­nuo. De­fi­ni­mos para o Domant do Ben­go um tra­ba­lho de cur­to, mé­dio e lon­go pra­zos. Por isso, pre­o­cu­pa-nos nes­se mo­men­to, por­que o Domant não vai jo­gar ao mais al­to ní­vel em 2019, mas fi­ca a men­sa­gem de que o Domant não vai pa­rar de tra­ba­lhar até que se es­ta­be­le­ça em de­fi­ni­ti­vo, na mais al­ta ro­da do nos­so fu­te­bol", dis­se.

Pre­o­cu­pa-nos nes­se mo­men­to, por­que o Domant não vai jo­gar ao mais al­to ní­vel em 2019

Do­min­gos António pro­me­te equi­pa am­bi­ci­o­sa para re­gres­sar ao Girabola Zap na épo­ca 2019/2020

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.