No bom ca­mi­nho

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Es­ta­tís­ti­cas não ga­nham jo­gos mas a van­ta­gem que os Pa­lan­cas Ne­gras le­vam em re­la­ção às Ze­bras do Botswa­na, nos jo­gos en­tre si, on­tem re­for­ça­da com o triun­fo no Es­tá­dio 11 de No­vem­bro, sem­pre aca­bam por dar alen­to, co­mo se viu, com a gran­de em­pa­tia en­tre o pú­bli­co e os jo­ga­do­res den­tro do rel­va­do, que su­a­ram a ca­mi­so­la pa­ra con­ti­nu­a­rem a ali­men­tar o so­nho de mi­lha­res de an­go­la­nos, que é de ve­rem a sua equi­pa na­ci­o­nal a re­gres­sar à mai­or do fu­te­bol afri­ca­no.

An­go­la­nos e tswa­ne­ses par­ti­am em igual­da­de de cir­cuns­tân­cia ,an­tes des­te con­fron­to, mer­cê dos res­pec­ti­vos de­sai­res das su­as se­lec­ções na aber­tu­ra das hos­ti­li­da­des do gru­po I da cor­ri­da ao CAN dos Ca­ma­rões.

Pa­ra qual­quer uma de­las, uma no­va der­ro­ta iria co­lo­cá-las em si­tu­a­ção mais afli­ti­va. De­pois da der­ro­ta na ron­da inau­gu­ral, por 1-3, em Ou­a­ga­dou­gou, fren­te ao Bur­ki­na Fa­so, em Ju­nho de 2017, os Pa­lan­cas Ne­gras ti­nham de fa­zer pe­la vi­da, ti­rar par­ti­do do fac­tor ca­sa.

Na con­di­ção de vi­si­ta­dos, os Pa­lan­cas Ne­gras ti­nham a obri­ga­ção de não des­per­di­çar pon­tos, pois, es­te de­ve ser um dos gran­des se­gre­dos das equi­pas que even­tu­al­men­te se ve­nham a qua­li­fi­car.

Por exem­plo, a Mau­ri­tâ­nia não con­ce­deu ve­lei­da­des e des­pa­chou no seu re­du­to o Bur­ki­na Fa­so, se­lec­ção à par­ti­da co­no­ta­da co­mo a mais for­te no gru­po, e que na aber­tu­ra da cor­ri­da, re­ce­beu em ven­ceu o con­jun­to an­go­la­no.

Vê-se, pois, que to­dos os in­te­gran­tes do gru­po as­pi­ram mar­car pre­sen­ça na fa­se fi­nal do CAN, no pró­xi­mo ano, nos Ca­ma­rões, e até mes­mo a Se­lec­ção do Botswa­na não de­ve ati­rar a to­a­lha ao chão, em­bo­ra se­ja a que em pe­río­do mais crí­ti­co, com as du­as der­ro­tas con­sen­ti­das nos dois pri­mei­ros con­fron­tos em que es­te­ve en­vol­vi­da.

An­go­la de­sa­nu­vi­ou o seu ho­ri­zon­te. Re­lan­çou as su­as as­pi­ra­ções mas os in­te­gran­tes do con­jun­to na­ci­o­nal de­vem in­te­ri­o­ri­zar que ain­da há mui­to ca­mi­nho por per­cor­rer. Sem triun­fa­lis­mos exa­cer­ba­dos, por­que a hu­mil­da­de e o res­pei­to pe­los ad­ver­sá­ri­os de­ve ser uma das di­vi­sas dos Pa­lan­cas Ne­gras.Mas, tem de acre­di­tar que tem con­di­ção de che­gar a uma po­si­ção mais con­for­tá­vel

An­go­la de­sa­nu­vi­ou o seu ho­ri­zon­te. Re­lan­çou as su­as as­pi­ra­ções mas os in­te­gran­tes do con­jun­to na­ci­o­nal de­vem in­te­ri­o­ri­zar que ain­da há mui­to ca­mi­nho por per­cor­rer. Sem triun­fa­lis­mos exa­cer­ba­dos, por­que a hu­mil­da­de e o res­pei­to pe­lo ad­ver­sá­rio de­ve ser uma das di­vi­sas dos Pa­lan­cas Ne­gras

em ter­mos clas­si­fi­ca­ti­vos, em que com me­nos três pon­tos tem na pró­xi­ma jor­na­da um con­fron­to com o lí­der.

A vi­tó­ria de on­tem não abriu as por­tas pa­ra uma qua­li­fi­ca­ção imi­nen­te. Lon­ge dis­so. Mas con­ve­nha­mos que as pers­pec­ti­vas ho­je são mais re­ais, até por­que adi­vi­nha-se uma se­gun­da vol­ta no gru­po bas­tan­te en­vol­ven­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.