Mi­li­ta­res sal­vam a pá­tria, Pa­lan­cas dão-nos ale­gria!

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AN­TÓ­NIO FÉ­LIX

Oque o 1º de Agos­to fez ao lon­go des­te ano, me­lhor di­to, o que o D´Agos­to pro­ta­go­ni­zou nes­ta épo­ca, quer nas fren­tes na­ci­o­nais - aqui, so­bre­tu­do no Gi­ra­bo­la - e nas in­ter­na­ci­o­nais, ale­grou não ape­nas os seus afi­ci­o­na­dos, os tais adep­tos, só­ci­os e di­ri­gen­tes, es­tes to­dos fer­re­nhos que a es­ta ho­ra ain­da fes­te­jam até a rou­qui­dão o tí­tu­lo "ar­re­ba­ta­do" lin­da­men­te on­tem, são fei­tos que, tam­bém, de um mo­do ge­ral ele­vam a nos­sa Pá­tria!

Di­to de ou­tro mo­do, mes­mo que, em ter­mos de em­ble­ma, não se­ja­mos da mal­ta do D´Agos­to, te­mos sim se­nhor, de ti­rar o cha­péu pe­lo o que a equi­pa fez aos ad­ver­sá­ri­os in­ter­nos e de fo­ra de por­tas. O in­ves­ti­men­to da di­rec­ção so­bre a equi­pa va­leu a pe­na!

E en­tão se a fes­ta do tí­tu­lo ain­da vai sa­tis­fa­to­ri­a­men­te a ro­dos, oxa­lá es­ta con­quis­ta ve­nha oxi­ge­nar a mis­são di­fí­cil ( mas não im­pos­sí­vel) que pa­ra o 1º de Agos­to ain­da so­bra pe­la fren­te. Es­ta mis­são cha­ma-se...Afro­ta­ças!

Di­ga­mos que, nes­te par­ti­cu­lar, a lu­ta con­ti­nua pa­ra os mi­li­ta­res. E oxa­lá tam­bém no fi­nal ve­nha a ser cer­ta di­an­te de to­dos os ad­ver­sá­ri­os e em to­dos os jo­gos. De­ve­mos to­dos, ao me­nos, por uma ques­tão de pa­tri­o­tis­mo e ci­da­da­nia, pu­xar pe­lo 1º de Agos­to que vol­tou a co­lo­car An­go­la no Top 12 do fu­te­bol con­ti­nen­tal.

Em boa ver­da­de, o 1º de Agos­to pres­tou aqui um ser­vi­ço útil à Nação: pe­la sua obra fi­gu­ra­mos na fa­se de gru­pos e po­de fa­zer com que o País es­te­ja no le­que dos 12 paí­ses do con­ti­nen­te ber­ço com di­rei­to a du­as equi­pas pa­ra ca­da com­pe­ti­ção, no­me­a­da­men­te Li­ga dos Clu­bes Cam­peões e a Ta­ça da Con­fe­de­ra­ção.

Vou mu­dar ago­ra de as­sun­to e é o se­guin­te: on­tem os Pa­lan­cas Ne­gras de­ram gos­to de vê-las em cam­po a lu­tar pe­la vi­tó­ria que nos faz sor­rir, par­ti­cu­lar­men­te o Gel­son Da­la com to­da aque­la ar­te de bem jo­gar à bo­la.

Na mi­nha opi­nião a boa vi­tó­ria de on­tem cor­ri­giu o fac­to de, no ano pas­sa­do (2017), os Pa­lan­cas Ne­gras não te­rem ini­ci­a­do com o "pé di­rei­to" a cor­ri­da pa­ra a fa­se fi­nal da Ta­ça de Áfri­ca das Na­ções.

Di­go is­to por­que, na pri­mei­ra jor­na­da do Gru­po I re­fe­ren­te às eli­mi­na­tó­ri­as, a se­lec­ção, en­tão, ori­en­ta­da pe­lo téc­ni­co bra­si­lei­ro, Beto Bi­an­chi, per­deu, por pe­sa­dos 3-1, em Ou­a­ga­do­gou, com os Ca­va­los do Bur­ki­na Fa­so.

A vi­tó­ria de on­tem gal­va­ni­za, mo­ti­va, re­vi­ta­li­za, por­que, co­mo se sa­be, de­pois da fa­se das eli­mi­na­tó­ri­as ( são 144 jo­gos que co­me­ça­ram em Mar­ço e ter­mi­no pre­vis­to pa­ra No­vem­bro de 2018), ape­nas se qua­li­fi­ca­rão à fa­se fi­nal os pri­mei­ros clas­si­fi­ca­dos dos do­ze gru­pos, pe­lo que os Pa­lan­cas Ne­gras se não ar­ran­ca­ram bem em 2017, ago­ra cor­ri­gi­ram o ti­ro e que­rem acer­tar, pa­ra de­pois não de­pen­de­rem de ter­cei­ros.

A se­lec­ção an­go­la­na já se re­ve­lou efi­caz. Só es­tá nes­te ní­vel por­que es­ta­va , des­de o ano pas­sa­do, nu­ma si­tu­a­ção que a obri­gou, ago­ra, a tra­ba­lhar e a en­ca­rar com se­ri­e­da­de o jo­go de on­tem e os que se se­gui­rão.

To­dos quan­tos tra­ba­lhar na e pa­ra a se­lec­ção de­vem apro­vei­tar o bom mo­men­to da se­lec­ção, a boa dis­po­si­ção dos jo­ga­do­res. No ano pas­sa­do, es­tou re­cor­da­do, hou­ve vá­ri­os ou­tros fac­to­res, an­tes e du­ran­te o jo­go, que re­sul­ta­ram na der­ro­ta dos Pa­lan­cas Ne­gras, so­bre­tu­do os de ca­riz "de­sor­ga­ni­za­ti­vo", co­mo a fal­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra pa­ra a re­a­li­za­ção de um es­tá­gio on­de de­fron­ta­ri­am equi­pas ou se­lec­ções for­tes. Só pa­ra re­cor­dar, du­ran­te a pre­pa­ra­ção em Por­tu­gal, o pre­si­den­te do Con­se­lho Ju­ris­di­ci­o­nal da FAF, Sér­gio Rai­mun­do, che­gou a di­zer que a se­lec­ção en­fren­tou con­di­ções de­plo­rá­veis que, mes­mo cri­ti­ca­das pe­los jo­ga­do­res, equi­pa téc­ni­ca e di­ri­gen­tes, não mo­bi­li­za­ram a al­ta es­tru­tu­ra que su­pe­rin­ten­de o des­por­to no País, no­me­a­da­men­te o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos, a acu­dir a si­tu­a­ção afli­ti­va.

É cla­ro que a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra ac­tu­al não é boa ain­da. Por­que o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol Pe­dro Ne­to, an­tes do jo­go de on­tem, is­to é me­ses e di­as an­tes, che­gou a de­sa­ba­fa­ra nos ter­mos em que, mais pa­la­vras me­nos pa­la­vras... a se­lec­ção não é da fe­de­ra­ção, é do País e es­tá pa­ra uma com­pe­ti­ção em re­pre­sen­ta­ção da Nação.

Acho que tem ra­zão o di­ri­gen­te. É pre­ci­so que se apoie mui­to mais es­te gru­po que on­tem deu ale­gria, que se lhe dê o su­por­te ne­ces­sá­rio, por­que é o no­me e a ima­gem do País que es­tá em jo­go.

Se­rá que o Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos, de­pois da vi­tó­ria de on­tem, pres­ta­rá apoio pri­vi­le­gi­a­do à FAF, pa­ra ser­vir a se­lec­ção? Dei­xo no ar es­ta ques­tão por­que, es­tou re­cor­da­do que, no ano pas­sa­do, o en­tão mi­nis­tro da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos, Al­bi­no da Con­cei­ção, em re­ac­ção ati­rou às re­cla­ma­ções da fe­de­ra­ção, jus­ti­fi­cou, fun­da­men­tou, ati­ran­do a "bo­la" pa­ra o la­do da di­rec­ção, no sen­ti­do des­ta reu­nir mei­os ma­te­ri­ais e ver­bas pos­sí­veis pa­ra su­por­tar a cam­pa­nha dos Pa­lan­cas Ne­gras, quer nos es­tá­gio, quer nos jo­gos das eli­mi­na­tó­ri­as à fa­se fi­nal.

Fi­quei ale­gre on­tem ao ou­vir já a ac­tu­al mi­nis­tra, Ana Paula Sa­cra­men­to, a di­zer ho­nes­ta­men­te que "con­se­gui­mos a pri­mei­ra vi­tó­ria, ti­ve­mos uma ca­sa com pú­bli­co que con­se­guiu pu­xar pe­la se­lec­ção e va­mos fa­zer mais pa­ra que os nos­so jo­ga­do­res se sen­tam gal­va­ni­za­dos den­tro do or­ça­men­to que exis­te".

Pa­ra mim, não fa­zia sen­ti­do a mi­nis­tra di­zer ou­tra coi­sa. Por­que, re­pi­to, os re­cur­sos são pou­cos e tem de se atri­buir o que é pos­sí­vel. Te­mos uma Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol e es­ta de­ve­rá fa­zer, de fac­to, ou­tros es­for­ços jun­to de pa­tro­ci­na­do­res pa­ra apoi­ar a se­lec­ção na­ci­o­nal, mas Estado, o Go­ver­no, tem gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de tam­bém..

| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.