Mis­são di­fí­cil mas não im­pos­sí­vel

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

O1º de Agos­to, nos­so re­pre­sen­tan­te na Li­ga dos Cam­peões Afri­ca­nos, tem a so­be­ra­na opor­tu­ni­da­de de fa­zer his­tó­ria a ní­vel do fu­te­bol afri­ca­no, a par­tir de ama­nhã dia 14 de Se­tem­bro, di­an­te dos Con­go­le­ses De­mo­crá­ti­cos do TP Ma­zem­be.

Com cin­co tí­tu­los con­ti­nen­tais, os Con­go­le­ses De­mo­crá­ti­cos, fa­zem par­te do nai­pe das equi­pas mais ti­tu­la­das de Áfri­ca, ao la­do do Al Ahly do Egipto, que co­man­da o ran­king com oi­to tro­féus ar­re­ba­ta­dos.

Por­tan­to, es­ta­mos di­an­te de um gi­gan­te do fu­te­bol afri­ca­no e por is­so, com res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das. O TP Ma­zem­be ga­nhou a sua pri­mei­ra ta­ça afri­ca­na em 1967, vol­tou a fa­zê-lo, no ano se­guin­te. Em 2009 e 2010, o co­bi­ça­do tro­féu vol­tou pa­ra a sua ga­le­ria e a úl­ti­ma vez que er­gueu a ta­ça, foi em 2015.

O Tout Puis­sant ( to­do po­de­ro­so ) Ma­zem­be, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Les Cor­be­aux ( os Cor­vos ), é a pri­mei­ra equi­pa afri­ca­na a dis­pu­tar uma fi­nal do Mun­di­al de Clu­bes da FI­FA, em 2010, ten­do per­di­do pa­ra o In­ter­naz­zi­o­nal, por 3-0.

Com jo­ga­do­res com a mé­dia de 25 anos de ida­de, 1,79 m de al­tu­ra e 74 kgs, o TP Ma­zem­bé é das prin­ci­pais equi­pas da RDC, com gran­de po­der eco­nó­mi­co. Além dis­so, a sua di­rec­ção é mui­to for­te no jo­go ex­tra­cam­po, que faz de­la uma equi­pa mui­to te­mi­da no con­ti­nen­te.

Di­an­te da gran­de­za do TP Ma­zem­be, o que os mi­li­ta­res do 1º de Agos­to de­vem fa­zer, pa­ra con­trapôr? Em mi­nha mo­des­ta opi­nião, se o D’Agos­to qui­ser pas­sar pe­los Cor­vos de Lu­bum­bashi, vai ter de apos­tar na lei do “per­di­do por um, per­di­do por mil”.

Is­so, im­pli­ca di­zer que os mi­li­ta­res de­vem pre­pa­rar com to­do o cui­da­do a prin­ci­pal ar­ma: a men­te. Ao in­vés de se pre­o­cu­pa­rem com a gran­de­za do ad­ver­sá­rio, em ter­mos de ran­king em Áfri­ca, de­vem vê-los co­mo hu­ma­nos co­muns que po­dem mui­to bem ser der­ro­ta­dos e não co­mo su­per-ho­mens.

Ao lon­go do Mun­di­al da Rús­sia, vi­mos co­mo o fac­tor psi­co­ló­gi­co é de­ter­mi­nan­te , pa­ra as cha­ma­das equi­pas pe­que­nas ver­ga­rem as gran­des. Com uma ati­tu­de men­tal for­te, a Coreia “ex­pul­sou” a Ale­ma­nha do mun­di­al, que era, sim­ples­men­te, a cam­peã em tí­tu­lo.

O Ja­pão só não eli­mi­nou a Bél­gi­ca, por­que não acre­di­tou no que es­ta­va a acon­te­cer, per­mi­tiu a re­vi­ra­vol­ta es­pec­ta­cu­lar dos bel­gas. A Nigéria, só não ven­ceu a Ar­gen­ti­na, por­que o Ví­deo -ár­bi­tro não per­mi­tiu.

Em 1980, na sua pri­mei­ra par­ti­ci­pa­ção na Li­ga dos Cam­peões, o 1º de Agos­to com jo­ga­do­res co­mo Ân­ge­lo Sil­va, Lou­ren­ço, Ze­ca, Amân­dio, Ndun­gui­di, Al­ves, Agos­ti­nho, Ma­teus Cé­sar e ou­tros, num es­pí­ri­to com­ba­ti­vo de per­di­do por um, per­di­do por mil, obri­gou o en­tão to­do po­de­ro­so Ca­non de Ya­oun­dé a apli­car-se a fun­do, pa­ra eli­mi­na-los.

Com o mes­mo es­pí­ri­to com­ba­ti­vo, em 1983, o Pe­tro de Lu­an­da só não pas­sou pe­lo Ca­non de Ya­oun­dé, em ple­no Es­tá­dio Ah­ma­dou -Ahd­jo, de­pois de ter em­pa­ta­do em Lu­an­da a ze­ro e es­tar em­pa­ta­do a du­as bo­las nos Ca­ma­rões, por­que o tris­te­men­te cé­le­bre ár­bi­tro da en­tão Re­pú­bli­ca do Zai­re, Fé­lix Mbaya, im­pe­diu, por fa­bri­car um pé­nal­ti que só ele viu.

Em 2001, os Pe­tro­lí­fe­ros, ci­lin­dra­ram o en­tão con­si­de­ra­do to­do po­de­ro­so Al Ahly do Egipto, em ple­no Cai­ro, por 4-2, e che­ga­ram as mei­as fi­nais da Li­ga dos cam­peões. Tu­do só foi pos­sí­vel, por­que a equi­pa pre­pa­rou a sua prin­ci­pal ar­ma: a men­te.

As­sim, po­de­mos di­zer que o 1º de Agos­to de­pen­de úni­ca e ex­clu­si­va­men­te de si, pa­ra fa­zer his­to­ria em Áfri­ca. Não im­por­ta o no­me e o pe­so do ad­ver­sá­rio. Ou­tro por­me­nor que não po­de pas­sar des­per­ce­bi­do, pe­la di­rec­ção dos mi­li­ta­res, é o jo­go ex­tra cam­po ou se­ja os “Lo­o­bi­es”.

Es­ta­mos can­sa­dos de ou­vir as nos­sas equi­pas cho­ra­min­gar, quan­do são eli­mi­na­das, a acu­sar os ad­ver­sá­ri­os de re­cor­re­rem ao jo­go ex­tra-cam­po, quan­do afi­nal de con­tas tal ati­tu­de faz par­te do jo­go. O mais im­por­tan­te, no jo­go ex­tra-cam­po, não é re­cor­rer ao “ga­so­sis­mo” pa­ra ser fa­ci­li­ta­do, mas aten­to ao ad­ver­sá­rio pa­ra não en­ve­re­dar com su­ces­so por es­se ca­mi­nho. Sim, im­pli­ca fi­car aten­to às ma­no­bras ma­qui­a­vé­li­cas do ad­ver­sá­rio.

Ou­tro por­me­nor, que pre­o­cu­pa o 1º de Agos­to, é o fac­to das equi­pas da RDC se sen­ti­rem em ca­sa quan­do jo­gam em Lu­an­da, de­vi­do à gran­de mas­sa de po­pu­la­ção oriun­da da­que­le país ir­mão. Mas is­so, não pre­ci­sa de ser pro­ble­ma, pois, o cam­po é nos­so e quem faz e co­mer­ci­a­li­za os bi­lhe­tes, tam­bém so­mos nós.

Não há, pois, por­que te­mer qu­an­to à gran­de mas­sa de Con­go­le­ses De­mo­crá­ti­cos. Te­mos vis­to, que nos jo­gos en­tre Re­al Ma­drid, Bar­ce­lo­na e vi­ce ver­sa, as di­rec­ções das equi­pas con­se­guem co­lo­car 90 por cen­to dos bi­lhe­tes, nas mãos dos seus adep­tos. Por­que não fa­zer o mes­mo ? Nem que se ofe­re­çam os bi­lhe­tes.

De res­to, fi­ca por con­ta da di­rec­ção do clu­be cri­ar as con­di­ções, que le­van­tem o mo­ral da tro­pa. Is­so, não se­rá pos­sí­vel com lei­te mo­ça, fru­ta em cal­da e ou­tros pro­du­tos sem va­lor. Tem de ha­ver mo­ti­va­ção de ver­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.