As­sal­to aos “quar­tos”

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

O1º de Agos­to re­a­li­za es­ta tar­de, no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro, o pri­mei­ro de dois jo­gos que o po­dem con­du­zir pa­ra as mei­as-fi­nais da 21ª edi­ção da Li­ga de Clu­bes Cam­peões Afri­ca­nos, fren­te Tout-Puis­sant Mazembe do Congo-De­mo­crá­ti­co.

A ac­tu­ar em ca­sa e, con­tan­do ob­vi­a­men­te, com o ca­lor do seu pú­bli­co, a equi­pa mi­li­tar tem con­di­ções pa­ra, a par­tir das 17h00' de ho­je, cons­truir um re­sul­ta­do que lhe pos­sa dar al­gu­ma tran­qui­li­da­de no jo­go da se­gun­da-mão em Lu­bum­bashi, re­du­to do ad­ver­sá­rio. Mas pa­ra tal, não po­de des­car­tar o fac­to de ter pe­la fren­te uma ex­pe­ri­en­te equi­pa do TP Mazembe, que tem vin­do a fa­zer fu­ror a ní­vel da “Cham­pi­ons Le­a­gue”, uma pro­va on­de co­lec­ci­o­na na­da mais, na me­nos de que cin­co tí­tu­los afri­ca­nos.

Este é, pa­ra já, um da­do que ser­ve pa­ra jus­ti­fi­car a ati­tu­de ousada do con­jun­to da vi­zi­nha Re­pú­bli­ca do Congo-De­mo­crá­ti­co, que além dis­so tem si­do um “ha­bi­tué” nas pro­vas da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de Fu­te­bol (CAF). Is­to par­ti­cu­lar­men­te na Li­ga dos Cam­peões, on­de con­quis­tou o seu úl­ti­mo tro­féu em 2015. Na Ta­ça CAF o TP Mazembe so­ma três tí­tu­los. Tem, ain­da du­as pre­sen­ças em Mun­di­ais de Clu­bes em 2010 e 2015. Fru­to des­ses in­di­ca­do­res não se an­te­vê fa­ci­li­da­des pa­ra o em­ble­ma das For­ças Armadas An­go­la­nas (FAA). O d'Agos­to tem de fa­zer por me­re­cê-lo nes­te pri­mei­ro jo­go. Is­so pres­su­põe al­can­çar ho­je um re­sul­ta­do po­si­ti­vo, que pas­sa in­dis­cu­ti­vel­men­te pe­lo triun­fo. Qual­quer ou­tro re­sul­ta­do po­de com­pro­me­ter as su­as as­pi­ra­ções.

Se o con­jun­to do “rio-se­co” lo­grar ho­je um triun­fo por nú­me­ros di­la­ta­dos, por exem­plo 3-0, per­mi­tir-lhe-á en­ca­rar o jo­go de res­pos­ta em Lu­bum­bashi, com mai­or tran­qui­li­da­de.

Por is­so, re­co­men­da-se ati­tu­de ousada à equi­pa. Uma even­tu­al der­ro­ta e até mes­mo o em­pa­te po­dem dei­tar por ter­ras as es­pe­ran­ças de os agos­ti­nos con­se­gui­rem as­se­gu­rar o pas­se pa­ra a ou­tra fa­se, no ca­so con­cre­to as mei­as-fi­nais. Daí a vi­tó­ria as­su­me-se co­mo um im­pe­ra­ti­vo. Se em ca­sa es­pe­ra-se uma mis­são um tan­to quan­to es­pi­nho­sa pa­ra o d'Agos­to, quan­to mais no se­gun­do jo­go em que te­rá ir ao en­con­tro des­te TP Mazembe, em Lu­bum­bashi. E ao que se sa­be os adep­tos congoleses-democratas, re­gra ge­ral, apoiam os clu­bes do país de for­ma in­con­di­ci­o­nal. É um pú­bli­co que em­pur­ra os seus re­pre­sen­tan­tes do prin­cí­pio ao fim. É in­can­sá­vel no apoio a es­tes e quar­ta-fei­ra re­ce­be­ram ca­lo­ro­sa­men­te es­ta no Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal 4 de Fe­ve­rei­ro.

Por is­so, adi­vi­nha-se uma em­prei­ta­da bas­tan­te com­pli­ca­da pa­ra o d’Agos­to quan­do se des­lo­car a RDC, no jo­go da se­gun­da-mão com a equi­pa do TP Mazembe. Mas is­so não ser­ve de pre­tex­to pa­ra in­ti­mi­dar os mi­li­ta­res. An­tes pe­lo con­trá­rio, o con­jun­to às or­dens de Zo­ran Ma­ki tem que sa­ber ul­tra­pas­sar to­das as ad­ver­si­da­des a en­con­trar na trin­chei­ra do ad­ver­sá­rio.

E is­to só se po­de con­su­mar com ati­tu­de ousada. O d'Agos­to tem de pro­var que não atin­giu es­ta fa­se da mai­or pro­va de clu­bes da CAF por me­ro aca­so, mas sim pe­la ati­tu­de ir­re­pre­en­sí­vel que te­ve quer nos jo­gos da fa­se pre­li­mi­nar, quer na fa­se de gru­pos. No Gru­po D da “Cham­pi­ons Le­a­gue”, os mi­li­ta­res com­pe­ti­ram ao la­do do Étoi­le du Sahel da Tu­ní­sia, que tam­bém se qua­li­fi­cou pa­ra os “quar­tos”, bem co­mo do Zes­co United da Zâm­bia e Mba­ba­ne Swal­lows do eSwa­ti­ni (ex-Swa­zi­lân­dia), que não ti­ve­ram a mes­ma sorte. Con­tu­do, por ora o fo­co do con­jun­to es­tá nes­te jo­go com TP Mazembe.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.