Pen­sar gran­de

Jornal dos Desportos - - ABERTURA -

Es­tar de cor­po e al­ma no desporto não im­pli­ca an­dar, ne­ces­sa­ri­a­men­te, na al­ta-com­pe­ti­ção. Exis­tem ou­tras for­mas de par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va na vi­da des­por­ti­va, lon­ge do pla­no com­pe­ti­ti­vo. Nas so­ci­e­da­des or­ga­ni­za­das, exis­tem es­tru­tu­ras li­ga­das ape­nas à for­ma­ção, e mui­tas ve­zes as mes­mas che­gam a ter mais re­pu­ta­ção em re­la­ção a clu­bes que com­pe­tem, com al­gu­ma re­gu­la­ri­da­de, nos prin­ci­pais cam­pe­o­na­tos. Aliás, não vai pa­ra mui­to tem­po, ti­ve­mos aqui no país es­co­las que fi­ze­ram no­me, tal co­mo é o exem­plo dos Fla­min­gui­nhos da Ter­ra No­va e do Jo­kas­port, que, en­tre­tan­to, aca­ba­ram ex­tin­tas, por ra­zões que nos são alhei­as. Nos di­as que cor­rem, só diz que nun­ca ou­viu fa­lar em AFA - Aca­de­mia de Fu­te­bol de An­go­la ou na Es­co­la Nor­ber­to de Cas­tro, quem an­da no fu­te­bol caí­do de pa­ra­que­da. Acon­te­ce que, nos úl­ti­mos tem­pos, cer­tos di­ri­gen­tes do nos­so desporto caí­ram na ten­ta­ção de su­por, que as su­as ac­ções só po­dem ser re­co­nhe­ci­das, es­tan­do os clu­bes que di­ri­gem a com­pe­tir ao mais al­to ní­vel. Daí, a avi­dez de se qua­li­fi­ca­rem pa­ra o cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol da pri­mei­ra di­vi­são a qual­quer cus­to, on­de mui­tas ve­zes aca­bam mal su­ce­di­dos, co­mo te­mos vin­do a ve­ri­fi­car. En­tre­tan­to, exis­tem clu­bes, cu­jo ob­jec­to so­ci­al é fun­da­men­tal­men­te a for­ma­ção, nun­ca co­gi­tan­do se­quer a pos­si­bi­li­da­de de abra­çar a al­ta-com­pe­ti­ção. A es­tes os nos­sos aplau­sos. Pois, con­se­guem for­mar pa­ra po­ten­ci­ar ou­tras agre­mi­a­ções e as pró­pri­as se­lec­ções na­ci­o­nais, sem se sub­me­te­rem à tor­tu­ra psi­co­ló­gi­ca de que tem de fa­zer ma­te­má­ti­cas fre­quen­tes, a ver co­mo su­por­tar a equi­pa no cam­pe­o­na­to. O JGM do Hu­am­bo, que o ano pas­sa­do de­sis­tiu do Girabola, de­pois de ter aguen­ta­do uma edi­ção com mui­tos aper­tos, te­rá che­ga­do à con­clu­são de que ain­da po­de jo­gar um pa­pel útil no fu­te­bol an­go­la­no, mes­mo es­tan­do fo­ra do seu prin­ci­pal cam­pe­o­na­to, apos­tan­do na for­ma­ção, que de­ve co­me­çar, na­tu­ral­men­te, na son­da­gem e pros­pec­ção de ta­len­tos. O clu­be do Hu­am­bo es­tá em vi­as de ce­le­brar um acor­do de par­ce­ria com uma for­ma­ção bra­si­lei­ra, pa­ra on­de vai pas­sar a en­vi­ar atle­tas seus, com ob­jec­ti­vo de ob­ter re­cur­sos fi­nan­cei­ros, pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção dos pro­jec­tos que tem em car­tei­ra, sen­do que os pri­mei­ros três jo­vens se­guem já no pró­xi­mo mês de De­zem­bro. Na ver­da­de, a ini­ci­a­ti­va é de lou­var, pois, e co­mo dis­se o seu res­pon­sá­vel, Jor­ge Ma­gri­nha, ao Jor­nal de An­go­la, os ga­nhos even­tu­ais a ad­vir des­te con­vé­nio se­rão, não só do clu­be, mas tam­bém do país, já que em ca­so de sair des­te pro­jec­to jo­ga­do­res fei­tos, tam­bém se­rá be­né­fi­co pa­ra as nos­sas se­lec­ções na­ci­o­nais. De­ve­mos con­si­de­rar es­ta uma for­ma adul­ta e in­te­li­gen­te de se es­tar no desporto. Pen­sar an­tes de tu­do na for­ma­ção, ao lu­gar de as­su­mir co­mo pri­o­ri­da­de a al­ta­com­pe­ti­ção. O Girabola dei­xou de ser uma com­pe­ti­ção ba­ra­ta, pa­ra se trans­for­mar nu­ma pro­va mi­li­o­ná­ria. Lo­go, não ao al­can­ce de to­dos, bas­tan­do pa­ra o efei­to, olhar-se pa­ra o vo­lu­me de di­fi­cul­da­des por que pas­sam os seus ac­to­res e pe­las in­su­por­tá­veis ame­a­ças de de­sis­tên­cia a meio da pro­va. Is­to é pen­sar gran­de...

Exis­tem clu­bes cu­jo ob­jec­to so­ci­al é fun­da­men­tal­men­te a for­ma­ção, nun­ca co­gi­tan­do se­quer a pos­si­bi­li­da­de de abra­çar a al­ta-com­pe­ti­ção A es­tes os nos­sos aplau­sos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.