CAN' 2019 con­ti­nua tre­mi­do

Jornal dos Desportos - - OPINIÃO - AU­GUS­TO FER­NAN­DES

Avi­tó­ria dos Pa­lan­cas Ne­gras so­bre o Bur­ki­na Fa­so, no pas­sa­do do­min­go, mar­cou o início do res­ga­te da iden­ti­da­de do fu­te­bol an­go­la­no, que ha­vía­mos per­di­do lo­go após a nos­sa pri­mei­ra pre­sen­ça num Cam­pe­o­na­to do Mun­do da mo­da­li­da­de, dis­pu­ta­do na Ale­ma­nha, em 2006.

Em mi­nha mo­des­ta opi­nião, ape­sar de o "On­ze" an­go­la­no es­tar a fa­zer bons re­sul­ta­dos, des­de que o Sér­vio Serd­jan Va­sel­je­vic as­su­miu o co­man­do téc­ni­co, por al­tu­ra do Chan 2018, foi so­men­te de­pois da vi­tó­ria di­an­te dos bur­ki­na­bes, que os Pa­lan­cas Ne­gras, mos­tra­ram que, de fac­to, en­tra­mos pa­ra uma no­va era.

É in­te­res­san­te fri­sar, que a es­pi­nha dor­sal da se­lec­ção na­ci­o­nal con­ti­nua pra­ti­ca­men­te a mes­ma dos úl­ti­mos dez anos, com jo­ga­do­res co­mo Lan­du, Bas­tos, Mas­sun­gu­na, Pai­zo, Djal­ma, Freddy e Ma­teus Ga­li­a­no, sen­do es­te úl­ti­mo o úni­co so­bre­vi­ven­te da­que­la se­lec­ção de Ou­ro, que es­te­ve no Mun­di­al da Ale­ma­nha.

A es­tes jo­ga­do­res, fo­ram in­cluí­dos ou­tros da no­va ge­ra­ção co­mo He­re­nil­son, Show, Gel­son, Bu­a­tu, Ma­caia e ou­tros que têm da­do con­ta do re­ca­do e vão jus­ti­fi­can­do a con­fi­an­ça que o téc­ni­co lhes tem de­po­si­ta­do.

Por­tan­to, is­to im­pli­ca di­zer que o mau mo­men­to que o nos­so fu­te­bol atra­ves­sou, du­ran­te os úl­ti­mos 12 anos, não era fal­ta de jo­ga­do­res a al­tu­ra, mas sim de um ver­da­dei­ro ins­tru­tor do abc do fu­te­bol, bem co­ad­ju­va­do por di­ri­gen­tes sé­ri­os.

É ver­da­de que os tem­pos são ou­tros e a for­ma de pen­sar tam­bém. Mas, te­mos de ser re­a­lis­tas e dar mé­ri­to a quem me­re­ce, mas sem con­de­nar nem vi­li­pen­di­ar nin­guém, por­que não é is­to que nos in­te­res­sa.

Vol­tan­do à va­ca fria, co­mo diz o ko­ta Nan­do Jor­dão, de­pois da sa­bo­ro­sa vi­tó­ria so­bre o Bur­ki­na Fa­so, a con­tar pa­ra a 5ª jor­na­da do gru­po I, os Pa­lan­cas Ne­gras so­mam no­ve pon­tos con­tra 12 da Mau­ri­tâ­nia, que já es­tá apu­ra­da pa­ra os Camarões em 2019. Nes­te mo­men­to, An­go­la só de­pen­de de si mes­ma, pa­ra se fa­zer pre­sen­te na pro­va o pró­xi­mo ano, o que im­pli­ca di­zer que tem de ven­cer o úl­ti­mo jo­go con­tra o Botswa­na, em Ga­be­ro­ne, em Mar­ço do pró­xi­mo ano.

Re­a­lis­ti­ca­men­te fa­lan­do, e sem ser pes­si­mis­ta, em fun­ção do que vi­mos no jo­go da pri­mei­ra vol­ta, efec­tu­a­do no Es­tá­dio 11 de Novembro, com vi­tó­ria an­go­la­na por uma bo­la a ze­ro, em­bo­ra os nos­sos jo­ga­do­res po­de­ri­am ter fei­to mais dois ou três go­los, di­fi­cil­men­te An­go­la ven­ce­rá o jo­go em Ga­be­ro­ne.

Co­mo as­sim? Em pri­mei­ro lu­gar, te­mos de acre­di­tar que os bur­ki­na­bes, que até fo­ram vi­ce­cam­peões afri­ca­nos em 2013, tu­do fa­rão pa­ra es­ta­rem pre­sen­tes nos Camarões. Pri­mei­ro, fa­rão de tu­do pa­ra ven­cer a Mau­ri­tâ­nia, em sua casa, e de­pois, de cer­te­za ab­so­lu­ta, irão or­ga­ni­zar al­gu­mas “vi­ta­mi­nas”, pa­ra o Botswa­na ga­nhar em casa a se­lec­ção an­go­la­na.

Os tswa­ne­ses não têm na­da a per­der. Por is­so, umas “vi­ta­mi­nas” vin­das de quem quer que se­ja, são sem­pre bem-vin­das. Um exem­plo dis­so, foi o que vi­mos por al­tu­ra do apu­ra­men­to ao Mun­di­al de 2006, no cé­le­bre jo­go con­tra o Ru­an­da, em Ki­ga­li em 2005.

Os ru­an­de­ses, não ti­nham qual­quer hi­pó­te­se de qu­a­li­fi­ca­ção, as­sim co­mo o Botswa­na não tem. An­go­la ti­nha de ven­cer aque­le jo­go, pa­ra es­tar pre­sen­te no Mun­di­al. A ver­da­de é que no dia 8 de Ou­tu­bro de 2005, o Ru­an­da de­ve ter fei­to o seu me­lhor jo­go até aque­la al­tu­ra, pa­ra im­pe­dir que An­go­la ven­ces­se o jo­go.

Tu­do acon­te­ceu, por­que a Ni­gé­ria jo­ga­va em casa con­tra o Zim­babwe, e na­tu­ral­men­te era a se­lec­ção mais in­te­res­sa­da na der­ro­ta de An­go­la, pa­ra con­su­mar o seu ob­jec­ti­vo de es­tar pre­sen­te na fa­se fi­nal do Mun­di­al da Ale­ma­nha.

É ver­da­de que os tem­pos são ou­tros e a for­ma de pen­sar tam­bém. Mas, te­mos de ser re­a­lis­tas e dar mé­ri­to a quem me­re­ce, mas sem con­de­nar nem vi­li­pen­di­ar nin­guém, por­que não é is­to que nos in­te­res­sa.

Por­tan­to, não há du­vi­das de que a Ni­gé­ria es­te­ve por trás da­que­la va­len­tia dos jo­ga­do­res ru­an­de­ses, que, de­pois do api­to fi­nal, não con­se­gui­ram es­con­der que ha­vi­am per­di­do não só o jo­go, co­mo tam­bém a “vi­ta­mi­na”, por ati­ra­rem-se ao chão com lá­gri­mas nos olhos e não só, co­mo se ti­ves­sem si­do eli­mi­na­dos.

Por is­so, e em fun­ção dos re­sul­ta­dos dos jo­gos en­tre An­go­la e o Bur­ki­na Fa­so, no qual os bur­ki­na­bes es­tão em van­ta­gem, pois triun­fa­ram em sua casa por três bo­las a uma e per­de­ram em Lu­an­da, por du­as bo­las a uma, o que per­faz um to­tal de qua­tro bo­las a três nas du­as mãos, mes­mo que An­go­la em­pa­te em Ga­bo­ro­ne, não se apu­ra.

Por­que não? Por­que ao ter­mi­na­rem em­pa­ta­das com 10 pon­tos, o Bur­ki­na Fa­so, te­rá van­ta­gem so­bre An­go­la nos jo­gos en­tre si. Quer di­zer que o go­lo de­les mar­ca­dos em Lu­an­da va­le­rá ou­ro. As­sim é im­pe­ri­o­so pre­pa­rar a se­lec­ção e os ac­ti­vos que fo­rem ne­ces­sá­rio, pa­ra es­tar­mos pre­sen­tes no cam­pe­o­na­to.

Não nos es­que­ça­mos do que acon­te­ceu ao 1º de Agos­to, ain­da mui­to re­cen­te­men­te na Li­ga dos Cam­peões. Já é al­tu­ra de in­ver­ter­mos o qua­dro. É im­por­tan­tís­si­mo que a Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF), es­te­ja pre­pa­ra­da pa­ra de­mo­lir to­dos os obs­tá­cu­los que sur­gi­rem no ca­mi­nho.

Sim, es­pe­ci­al­men­te em Áfri­ca, o fu­te­bol é pa­ra os for­tes, não só fu­te­bo­lis­ti­ca­men­te fa­lan­do, co­mo tam­bém di­plo­ma­ti­ca­men­te. Não po­de­mos con­ti­nu­ar a la­mu­ri­ar nos can­tos, de­pois de ser­mos in­jus­ti­ça­dos, ou se­ja, cla­ra­men­te rou­ba­dos.

Ain­da fal­tam qua­tro me­ses até o jo­go con­tra o Botswa­na. Te­mos mui­to tem­po pa­ra pre­pa­rar o jo­go e os jo­ga­do­res. Tu­do de­pen­de de nós, ou me­lhor di­zen­do, da FAF e dos jo­ga­do­res, pa­ra mais uma vez An­go­la es­tar pre­sen­te na fa­se fi­nal de um Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no da Na­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.