PON­TA­PÉ DE SAIDA EM CASA

D'AGOS­TO E PE­TRO DE LU­AN­DA EN­TRAM EM AC­ÇÃO NAS AFROTAÇAS

Jornal dos Desportos - - PORTADA - BETUMELEANO FERRÃO

Os em­bai­xa­do­res an­go­la­nos nas pro­vas da CAF co­me­çam es­ta se­ma­na a sua cam­pa­nha. Os pe­tro­lí­fe­ros jo­gam amanhã com o Ora­pa do Botswa­na pa­ra a pre­li­mi­nar da Taça da Con­fe­de­ra­ção ao pas­so que quar­ta-fei­ra se­rá a vez dos militares de­fron­ta­rem o AS Otôho do Con­go Braz­za­vil­le, pa­ra a pre­li­mi­nar de aces­so à fa­se de gru­pos da “Cham­pi­ons Le­a­gue”.

Ain­da a lam­ber as fe­ri­das da ines­que­cí­vel e do­lo­ro­sa eli­mi­na­tó­ria das mei­as-fi­nais da Cham­pi­ons, o 1º de Agos­to vai ten­tar na quar­ta-fei­ra, a par­tir das 16h00, no 11 de No­vem­bro, co­me­çar a mar­char de no­vo pa­ra a fa­se de gru­pos da mi­li­o­ná­ria.

O ad­ver­sá­rio da pri­mei­ra mão da eli­mi­na­tó­ria é o AS Otôho do Con­go Braz­za­vil­le, uma equi­pa que fi­cou fa­mo­sa na edi­ção pas­sa­da da prova, por­que perdeu 90 com o MC Al­ger. Co­mo não há uma sem du­as no fu­te­bol, os militares tam­bém po­dem apro­vei­tar pa­ra es­pa­lhar as su­as se­men­tes do go­lo.

Os militares gran­je­a­ram enor­me pres­tí­gio e es­tão com a co­ta­ção em alta na Cham­pi­ons, há pois to­das as ra­zões pa­ra pe­dir ao cam­peão an­go­la­no, que ti­re bom pro­vei­to da mai­or qua­li­da­de que tem, o ad­ver­sá­rio tem ain­da um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer pa­ra che­gar à eli­te con­ti­nen­tal, co­mo o 1º de Agos­to. Nin­guém mais pre­ci­sa en­si­nar aos militares o que fa­zer, pa­ra pe­nei­rar bem as coi­sas nos pri­mei­ros 90 minutos, as lem­bran­ças re­cen­tes vão mo­ti­var a equi­pa pa­ra che­gar, ver e ga­nhar a van­ta­gem que de­se­ja na pri­mei­ra mão da eli­mi­na­tó­ria.

A po­bre cam­pa­nha do AS Otôho na edi­ção pas­sa­da da Cham­pi­ons con­tras­tou com o bri­lha­re­te do 1º de Agos­to, o pro­vou e gos­tou ago­ra quer dar lu­gar à con­so­li­da­ção, os militares am­bi­ci­o­nam pro­var que na­da foi obra do aca­so, que ain­da têm po­ten­ci­al pa­ra che­gar à fa­se de gru­pos.

O Otôho é o pri­mei­ro tes­te pa­ra a am­bi­ção do cam­peão an­go­la­no, é pon­to as­sen­te que os con­go­le­ses acom­pa­nha­ram o de­sem­pe­nho dos an­go­la­nos e vêm ao 11 de No­vem­bro dis­pos­tos a tu­do, me­nos de se­rem ino­cen­tes co­mo as pom­bas, eles vão se es­for­çar em ser cau­te­lo­sos co­mo as ser­pen­tes pa­ra im­pe­dir a to­do o cus­to uma re­pe­ti­ção do fil­me de terror que vi­ve­ram em casa do MC Al­ger.

O 1º de Agos­to po­de an­te­ver quais os mo­vi­men­tos tác­ti­cos do ad­ver­sá­rio, quan­do o api­to so­ar os con­go­le­ses vão adop­tar uma atitude de es­pe­ra, na­da faz crer que vai se ex­por de peito aber­to, pe­gar no jogo é tu­do me­nos o que o Otôho quer, fa­zer is­so sig­ni­fi­ca entrar in­cli­na­do pa­ra fren­te, por cau­sa da pos­tu­ra ata­can­te.

As du­as equi­pas sa­bem pa­ra qu­em to­dos es­tão a olhar, sim, re­al­men­te o pe­so to­do es­tá nas cos­tas do 1º de Agos­to, mas na­da faz crer que is­so vai se trans­for­mar num pe­so adi­ci­o­nal pa­ra os militares, a equi­pa con­tí­nua na no­va épo­ca com os bons há­bi­tos do pas­sa­do, pe­lo que não vai ter di­fi­cul­da­des em fa­zer pre­va­le­cer no rel­va­do a te­o­ria do mais for­te.

Ain­da bem, que os militares fi­ze­ram a sua his­tó­ria na Cham­pi­ons sem pres­tar aten­ção as vo­zes dos es­tra­nhos, em mo­men­to al­gum a equi­pa con­cluiu que ti­nha de dar tu­do na pri­mei­ra mão. Foram vá­ri­as as ve­zes em que a fes­ta foi fei­ta em fes­ta do ad­ver­sá­rio, um bom in­dí­cio de que es­se 1º de Agos­to ama­du­re­ceu o suficiente pa­ra per­ce­ber que o mais im­por­tan­te é ser con­sis­ten­te no com­pu­to dos dois jo­gos da eli­mi­na­tó­ria.

Por mais que quei­ra, os militares sa­bem que não ter a bo­la to­da do jogo, até po­dem ter mai­or as­cen­den­te mas em al­gum mo­men­to vão "re­la­xar" pa­ra re­cu­pe­rar forças por­que é im­pos­sí­vel man­ter o mes­mo rit­mo ou in­ten­si­da­de em to­das as eta­pas do jogo. As­sim en­tão, vai ser de­ter­mi­nan­te a ma­nei­ra co­mo o 1º de Agos­to vai fa­zer a di­ges­tão, co­mo vai ser nes­te pe­río­do em que os con­go­le­ses mais se vão sol­tar, os militares têm de se man­ter bem con­cen­tra­dos em to­dos os mo­men­tos pa­ra im­pe­dir que o ad­ver­sá­rio con­si­ga fa­zer al­gu­ma coi­sa de re­al­ce, qu­an­to mais só­li­da a equi­pa ru­bro-ne­gra es­ti­ver em to­das as eta­pas do jogo mais o AS Otôho se vai con­ven­cer em de­fi­ni­ti­vo de que não tem qual­quer hi­pó­te­se de fa­zer uma gra­ci­nha em Lu­an­da.

M.MACHANGONGO | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Cam­peão na­ci­o­nal ini­cia mar­cha pa­ra ten­tar che­gar no­va­men­te à fa­se de gru­pos da Cham­pi­ons

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.